Pernambuco registra 537 novos casos da Covid e 16 mortes
25/01/2021
PP larga na frente na montagem proporcional 
25/01/2021

Abstenção do Enem 2020 é de 55,3%; pedido de reaplicação deve ser feito a partir desta segunda

Glaucia Lima

G1

O índice de abstenção do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) 2020 subiu no segundo dia e atingiu 55,3% do total de candidatos confirmados esperados para esta edição, anunciou o Inep no domingo (24). Este é o maior índice de toda a história do Enem. Antes, o recorde havia sido registrado em 2009.

A reaplicação do Enem ocorrerá nos dias 23 e 24 de fevereiro. Deve fazer o pedido a partir das 12h desta segunda (25) até sexta (29):

  • quem perdeu o Enem por problemas de infraestrutura, como as salas lotadas no domingo passado ou falta de luz nos locais de prova
  • quem teve diagnóstico de Covid ou doenças infectocontagiosas na véspera do exame. O Inep já recebeu até o momento 18.210 solicitações relacionadas ao novo coronavírus e aprovou 13.716 desse total

O pedido deve ser feito na Página do Participante. Cada caso será analisado pelo Inep.

Os alunos do Amazonas e de duas cidades de Rondônia (Espigão d’Oeste e Rolim de Moura) não precisam fazer o pedido de reaplicação. Nesses locais as autoridades suspenderam a prova por causa do agravamento da pandemia do novo coronavírus. O Enem será realizado para esses estudantes também nos dias previstos para reaplicação – 23 e 24 de fevereiro.

De acordo com o balanço do Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep), 2.470.396 pessoas compareceram às provas (44,7%) deste domingo e 3.052.633 (55,3%) faltaram. Ao todo, eram esperados 5,5 milhões de candidatos.

“Foi mais do que a gente estava esperando”, afirmou Alexandre Lopes, presidente do Inep, sobre a taxa de abstenção do Enem.

“Mas gosto de olhar o copo meio cheio: 2,5 milhões de pessoas conseguiram fazer a Enem em ambiente de pandemia, em ambiente de receio. Outros lugares do mundo não conseguiram fazer, e o Brasil, com todas as suas dificuldades logísticas e todas as suas desigualdades, você assegurar no meio da pandemia que 5 milhões pudessem fazer a prova e que 2,5 milhões façam a prova, eu acho isso uma vitória”, afirma.

“O Enem é uma política social e o gasto com política social não é imediato, ele vem no futuro. Garantir que o jovem entre na universidade agora, garantir que o jovem tenha acesso à faculdade no primeiro semestre, significa que lá na frente nós vamos ter profissionais que vão dar retorno à sociedade”, diz Lopes.

Esta edição foi marcada pelo adiamento das provas para janeiro deste ano – inicialmente marcadas para novembro de 2020. A decisão foi tomada em julho do ano passado em razão do agravamento da pandemia.

Mas com os números de casos e mortes da Covid atingindo o pico em janeiro, entidades científicas e secretarias estaduais de Saúde e Educação pediram por um novo adiamento.

O próximo domingo terá a aplicação do projeto piloto do Enem digital, com provas para 96 mil inscritos.

O primeiro dia de provas regulares do Enem, no último domingo (17), teve abstenção de 51,5% de candidatos que não compareceram ao local de prova.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.