18/06/2019

A importância de estados e municípios entrarem na reforma da Previdência …

O governo federal conseguiu avançar bastante na formatação da reforma da Previdência, onde apesar de uma natural desidratação, a economia se manteve significativa para ajudar nas contas públicas e consequentemente contribuir para a retomada da economia do país, com um valor próximo de R$ 900 bilhões. Apesar disso, o relatório aponta para uma reforma única e exclusivamente na Previdência federal, ajudando somente o governo federal a resolver o problema, deixando para estados e municípios a obrigação de resolver a sua seguridade social. Ocorre que temos 5.570 municípios e 27 unidades federativas. Cerca de 2 mil municípios possuem fundos próprios de previdência, onde a maioria está com sérios problemas de caixa para cumprir com suas obrigações. Em relação aos estados, o quadro não é diferente, muitos deles precisam fazer aportes financeiros para cobrir o rombo da Previdência porque há graves distorções. Se porventura a reforma incluir estados e municípios, eles poderão […]
18/06/2019

Caça às bruxas…

Apenas por inexistência de palavra mais precisa chama-se de fritura o processo a que o presidente Jair Bolsonaro (PSL) tem submetido auxiliares como Joaquim Levy, recém-saído da chefia do BNDES. No jargão brasiliense, o termo descreve métodos menos explícitos de desgastar um subordinado e induzi-lo a deixar o cargo, em geral por meio de manifestações indiretas ou anônimas que se acumulam ao longo de dias ou semanas. O que Bolsonaro fez com Levy foi um ataque público, grosseiro e espontâneo, dado que o tema nem sequer estava em pauta. O presidente informou ao país que o executivo estava “com a cabeça a prêmio”, alegadamente por pretender indicar um diretor com passagem pela administração petista. Ao atacado não restava alternativa além de pedir as contas —mesmo porque o ministro Paulo Guedes, da Economia, tratou de endossar os vitupérios de Bolsonaro. O que suscita inquietação no episódio não é a troca de nomes ou o futuro do […]
18/06/2019

Deputados negam aposentadoria…

Citados na relação dos 198 parlamentares que teriam optados pelo regime especial de aposentadoria da Câmara, os deputados da bancada federal de Pernambuco com mais de um mandato, como André de Paula, Augusto Coutinho, Daniel Coelho, Eduardo da Fonte, Fernando Filho, Gonzaga Patriota e Wolney Queiroz explicaram que, em nenhum momento, se anteciparam no pedido de aposentadoria. Ressaltaram que contribuem desde o primeiro mandato para o Plano de Seguridade Social dos Congressistas, o PSSC, recolhendo R$ 3.713,93 e que não há ilegalidade nisso. A reforma da Previdência proposta por Bolsonaro, no entanto, acaba com a aposentadoria especial para deputados e senadores a que os referidos representantes do Estado estão vinculados. Os políticos da próxima legislatura passarão a seguir as mesmas regras dos trabalhadores do setor privado, cujo teto de aposentadoria do INSS é de R$ 5.839,45. (Magno Martins)
17/06/2019

”O jogo com Lula foi mais duro que o impeachment”, diz Dilma…

Correio Braziliense/Cláudia Dianni Permitir o processo de despolitização da sociedade. Essa é a autocrítica que a ex-presidente Dilma Rousseff faz dos governos do Partido dos Trabalhadores. Ela afirma que começou a cair quando decidiu baixar a taxa de spread praticada pelos bancos (diferença entre os juros de captação e de empréstimo). “Se ficasse claro que era possível, que não tem razão técnica para gente pagar essas taxas …..o risco era muito grande”, diz, e acusa a indústria de se calar por ganhar com a rolagem da dívida pública. Dilma chama o teto dos gastos de “gaiola dourada” e diz que, sem investimentos públicos, o país não vai crescer. Para ela, o Brasil vive um projeto neofascista de permanência da supremacia branca no poder, do qual a operação Lava-Jato é parte. Ela proferiu palestra na quinta-feira (13/6) da semana passada, na Universidade de Brasília, em lançamento do livro de artigos In Spite […]
17/06/2019

Longe do teto do INSS…

A reforma da Previdência acaba com o regime de aposentadoria especial para senadores e deputados federais a partir da próxima legislatura. Por isso, 180 deputados dos 513 já se anteciparam e requereram esse direito. Hoje, com apenas dois mandatos, suas excelências têm o direito à aposentadoria proporcional. Pelo Plano de Seguridade Social dos Congressistas, eles contribuem mensalmente com R$ 3.713,93, valor correspondente a 11% do salário, que é de R$ 33.763,00. Aprovada a reforma, os políticos da próxima legislatura passarão a seguir as mesmas regras do setor privado, cujo teto de aposentadoria do INSS é de R$ 5.839, 45. Com apenas seis anos de mandato, senadores e deputados já conseguem uma aposentadoria com valores superiores ao teto do INSS, porque a cada ano o parlamentar tem direito a 1/35 (um trinta e cinco avos) do salário total. Se ele contribuir por 35 anos, se aposenta com R$ 33.763,00. (Magno Martins)
16/06/2019

Marido da deputada e cantora gospel Flordelis é assassinado em Niterói…

Estado de Minas O marido da deputada federal Flordelis (PSD) foi morto a tiros na madrugada deste domingo, 16, em Niterói, região metropolitana do Rio. Segundo a Polícia Militar, o pastor Anderson do Carmo de Souza, de 42 anos, foi executado por volta das 4h, com diversos tiros, após chegar em sua residência no bairro Pendotiba. De acordo com a PM, Souza chegou a ser socorrido para o Hospital Niterói D’Or, no bairro Santa Rosa, mas não resistiu aos ferimentos. Por volta das 9h30, uma equipe da Delegacia de Homicídios de Niterói, São Gonçalo e Itaboraí (DHNSGI) realizou perícia no local do crime. Em nota divulgada nas redes sociais da deputada, que também é cantora góspel, a assessoria informa que Flordelis está muito abalada e ainda não tem como se pronunciar. “O Pastor Anderson estava cumprindo um ministério maravilhoso de redenção de almas, em uma luta diária para evitar que […]
16/06/2019

Demissão: ameaça de Bolsonaro, alvo amanhece demitido…

William Castanho – Folha de S.Paulo O advogado Marcos Barbosa Pinto apresentou ontem (15) uma carta de renúncia. Ele ocuparia, a convite de Joaquim Levy, a Diretoria de Mercado de Capitais do banco de fomento. Mais cedo, Bolsonaro disse que demitiria Levy na segunda-feira (17) se a nomeação fosse mantida. Bolsonaro ficou incomodado com o fato de Barbosa ter atuado em gestão petista. Levy também atuou em governos do PT —no de Lula como secretário do Tesouro e no do Dilma como ministro da Fazenda. A Folha teve acesso à carta de Barbosa Pinto a Levy. Ele tentou falar com Levy ao longo do dia, mas não obteve retorno. “É com pesar que entrego esta carta, logo após ter tomado posse, mas não quero continuar no cargo diante do descontentamento manifestado pelo presidente da República”, escreveu o advogado. Ele tomou posse na quarta-feira (12) e começaria a trabalhar na diretoria nesta segunda. “Tenho muito orgulho da carreira […]
16/06/2019

Bolsonaro rebaixa os superministros…

Era uma vez um governo que teria dois superministros, Paulo Guedes (Economia) e Sergio Moro (Justiça). Entraram por uma porta, saíram por outra. São príncipes transformados em plebeus da Esplanada dos Ministérios pelo caldeirão da política de Jair Bolsonaro, que tem intestinos envenenados, filé de serpente, pelo de morcego, língua de cão e múmias de feiticeiras, como o cozido das bruxas de Macbeth, mas não tem coalizão parlamentar. Fim. Os superministros foram rebaixados porque o quase governo do Congresso independente poda suas capas heroicas. Porque Bolsonaro não tem um programa que respalde na prática os projetos de Guedes e Moro. Porque o presidente implicou com Moro, que não incorporou o bolsonarismo “raiz”, como no caso menor do decreto faroeste. Pior, o ministro da Justiça se tornou suspeito de querer a cadeira presidencial em 2022, assunto cada vez mais frequente de Bolsonaro, diz seu entorno. Moro se torna um retrato na parede, mofado pela umidade da […]
16/06/2019

Filho é filho…

Coluna de Carlos Brickmann Mas, mesmo escapando (ao menos até agora) da tentativa de demolição de Moro, Bolsonaro não resistiu a gerar uma nova crise: a demissão de um amigo de quase 50 anos, o general Santos Cruz, da Secretaria do Governo. O imperdoável erro de Santos Cruz foi não se alinhar aos filhos do presidente e ao escritor Olavo de Carvalho, que fizeram campanha contra ele por achar que não usou direito a comunicação do Governo. No lugar de Santos Cruz, outro general, este da ativa: o até agora comandante militar do Sudeste, Luiz Eduardo Ramos Baptista Pereira. Santos Cruz declarou sua admiração por Bolsonaro e os dois dizem que a reunião entre eles foi amigável.