Que cor usar na virada do ano? Além do branco, confira o significado de cada uma
28/12/2023
‘Estou preparado’, afirma Chaparral sobre candidatura a prefeito de Surubim em 2024
28/12/2023
Que cor usar na virada do ano? Além do branco, confira o significado de cada uma
28/12/2023
‘Estou preparado’, afirma Chaparral sobre candidatura a prefeito de Surubim em 2024
28/12/2023

Saiba como diminuir o sofrimento dos pets durante a queima de fogos no réveillon

Agência O Globo – O barulho dos fogos de artifício pode causar estresse e ansiedade nos animais, principalmente em cães e gatos. Com o réveillon batendo à porta, é importante que os tutores de pets tomem alguns cuidados para amenizar o sofrimento dos bichos. O médico veterinário Hans Reuter, pós-graduado em anestesiologia veterinária e criador de conteúdo digital conhecido nas redes sociais como “o veterinário que explica do jeito fácil”, enfatiza que os animais sofrem muito com o barulho porque têm a audição mais sensível do que a nossa.

Enquanto seres humanos percebem sons entre 20 e 20 mil hertz, os cães podem ouvir entre 40 a 60 mil hertz e os gatos ouvem tudo na frequência de 48 a 85 mil hertz. Embora sejam até mais sensíveis, os felinos podem dar menos sinais de incômodo que os cachorros.

“No geral, os cães demonstram mais sinais de medo e ansiedade do que os gatos que tendem a se recolher, procurar um ambiente mais seguro e ficar quietos — diz Reuter, acrescentando que o comportamento não é regra” Os indivíduos mostram os sinais de medo e de ansiedade de maneiras diferentes.

O veterinário não recomenda o uso de protetores auditivos vendidos no comércio. De acordo com Reuter, uma técnica que pode ser utilizada para diminuir a percepção do som pelos pets é colocar pequenos pedaços de algodão no ouvido externo. Porém, é preciso que o tutor tenha cuidado para não empurrar o algodão para dentro do ouvido e nem esquecer de retirar, pois causaria problemas ao animal.

“O ideal é que não seja feita nenhuma introdução nos ouvidos, mas o algodão é uma possibilidade caso o animal tenha muito medo e seja muito estressado com os barulhos” explica.

O uso de medicação sedativa também é contraindicado pelo médico veterinário. Para ele, em hipótese alguma os animais devem ser mantidos sedados sem orientação médica. Reuter alerta que a sedação por conta própria pode causar efeitos adversos capazes de colocar em risco a vida do bicho.

Segundo o médico, o ideal é tomar algumas medidas para manter o ambiente o mais seguro possível. Entre elas: remover objetos nos quais o animal possa esbarrar e cair, como prateleiras e materiais de vidro; retirar mesas baixas e móveis com quinas onde o pet possa se machucar; preferir deixar o animal em um ambiente que ele já seja acostumado, para não se somar um novo estresse; não deixar o pet em cima de sofás ou camas altas, principalmente se forem pequenos, porque podem se machucar ao tentar pular.

Outro conselho do médico veterinário para a hora da queima dos fogos é deixar o animal em ambientes acolchoados, como dentro das próprias casinhas e caixas de transporte. Assim, o pet se sente “mais seguro por não ter estímulos externos vindo das laterais e nem por trás dele”:

“Dessa forma, ele consegue ficar mais tranquilo porque está vigiando apenas um local, isso diminui os efeitos do estresse” afirmou Reuter.

Além disso, fechar a janela para diminuir a incidência do som e diminuir os estímulos visuais também pode ser uma boa alternativa. Outra maneira é colocar panos por debaixo da porta ou deixar o animal em um ambiente mais afastado e calmo.

“Assim como para nós, seres humanos, os pets têm preferências a ambientes, temperaturas e sons. Por isso alguns têm mais medo do que outros e não conseguem se acostumar facilmente”.

Caso o seu pet seja muito sensível ao barulho, o veterinário indica a técnica de exposição gradual ao som que pode auxiliar a médio e a longo prazo. Dessa forma, o animal se acostuma com a frequência sonora e passa a sentir menos medo. Porém, a orientação é que o tratamento seja feito apenas com a indicação e o acompanhamento do médico veterinário do animal.

Reuter ressalta também que a busca por tratamentos é importante visto que o ouvido tem uma relação direta com o equilíbrio, por meio do labirinto (componente interno do aparelho auditivo). Dessa forma, barulhos mais intensos causam alterações no conduto auditivo e podem acabar afetando diretamente essa região, o que deixaria o animal desiquilibrado e desorientado quando exposto a barulhos intensos.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.