Dois Toques…
21/04/2014
Arquivo Fotográfico
21/04/2014

PDT e a guerra entre Armando e Câmara…

bandeirapdt

Alinhado nacionalmente ao PT e em Pernambuco, desde 2006, com o PSB do ex-governador Eduardo Campos, o PDT está em pé de guerra. De um lado, o grupo do deputado federal Paulo Rubem (PDT), evocando a influência da Executiva nacional, quer uma aliança com o pré-candidato ao governo do Estado, Armando Monteiro (PTB). Do outro, lideranças políticas como o prefeito de Caruaru e presidente estadual da sigla, José Queiroz, e a bancada estadual, entre eles, o deputado Guilherme Uchoa, já sobem sem cerimônia no palanque de Paulo Câmara (PSB), afilhado político de Eduardo.

Nessa altura da fase de pré-campanha, o PDT será a “cereja do bolo” caso integre a chapa liderada por Armando, que, com isso, ganha tempo de televisão mesmo com o partido dividido. A pressão também vem do PSB que não quer perder um aliado de luxo.

Pressionada dos dois lados, a base do partido – são 11 prefeituras – está temerosa de revelar qualquer preferência. Mas o fato é que a maior parte tende ao PSB, que detém o poder da caneta dos últimos oito anos. Aliado de primeira hora do ex-governador Eduardo Campos, José Queiroz, está à frente do maiorcolégio eleitoral (Caruaru) sob o comando do PDT. Filho do político caruaruense, o outro deputado federal, Wolney Queiroz, está onde o pai está. Pesa ainda contra a articulação de Armando o poder de influência do deputado estadual Guilherme Uchoa, fiel escudeiro de Eduardo. Esse grupo quer esticar ao máximo o prazo para o partido decidir de que lado vai estar – o martelo quem bate é a direção nacional, presidida por Carlos Lupi.

Da reunião nacional ocorrida há duas semanas, já ficou um indicativo de apoio à reeleição da presidente Dilma Rousseff (PT). O que conta a favor da estratégia de Paulo Rubem em defender o alinhamento. Porém, a resolução do PDT para as eleições coloca que não haverá benevolência com os “dissidentes”. Pune, prevendo até a expulsão, aquele que realizar propaganda a favor de candidatos que não sejam os indicados pelas convenções nacional e estaduais do partido e de sobedecer a deliberação emanada das direções da legenda. Essa questão afeta em cheio Pernambuco. Para qualquer um dos dois lados o PDT for, dissidência está no script.

Ao questionar a legitimidade do atual diretório estadual do partido, que é provisório, Paulo Rubem trata com descrédito o argumento de José Queiroz de que a maioria do partido é pró-Câmara. “Um partido que nem sabe quantos filiados tem não pode falar em maioria”, diz. O grupo de Queiroz conta ao seu lado oito prefeitos, seis dos sete vice-prefeitos e 98 dos 112 vereadores. Estariam tendendo a Armando os gestores de Agrestina, Gameleira e Água Preta. Na tentativa de convencer a direção nacional, Paulo Rubem tem destacado o “prestígio” oferecido por Armando, que reservou a vice ao PDT. “O partido tem deixar de dizer ‘sim, senhor’, de estar subserviente numa aliança que deu pouco retorno. Tem que ter responsabilidade, protagonismo”, diz. (Jornal do Commercio)

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.