Principais regras das Eleições Municipais 2020
28/09/2020
Audiência Pública debate transporte alternativo de passageiros em João Alfredo
28/09/2020

Após afastamento de padre Robson, novo reitor toma posse no Santuário Basílica do Divino Pai Eterno, em Trindade

G1

O padre João Paulo Santos, de 37 anos, assumiu o posto de reitor do Santuário Basílica do Divino Pai Eterno, em Trindade, no domingo (27), durante a missa. O pároco substitui o padre Robson de Oliveira, que se afastou da função após o Ministério Público do Estado de Goiás (MP-GO) começar uma investigação por suspeitas de desvios de R$ 120 milhões da Associação Filhos do Pai Eterno (Afipe) – entidade criada e também chefiada por Robson.

Sobre as suspeitas de crimes com dinheiro dos fiéis, padre Robson sempre negou as acusações, dizendo que todo o valor arrecadado pelas instituições é usado exclusivamente para atender os objetivos da evangelização.

Ao tomar posse da reitoria da Basílica, João Paulo Santos falou sobre os desafios que deve encarar ao assumir o posto.

“Estar aqui nessa posição me rende responsabilidades, porque significa continuar esse grande legado da evangelização da Igreja no Brasil, e o Santuário do Divino tem essa importância grandiosa”, afirmou.

Padre João Paulo assume como reitor do Santuário Basílica do Divino Pai Eterno — Foto: Reprodução/TV AnhangueraJoão Paulo tem 37 anos, é natural de São João do Araguaia (PA), mas mora em Trindade desde criança. Há 11 anos ele exerce a função de padre.

O novo reitor é licenciado em Filosofia pela Pontifícia Universidade Católica de Goiás (PUC-GO), bacharel em Teologia pelo Instituto de Filosofia e Teologia de Goiás (Ifiteg) e especializado em Cinema e Educação pela Universidade Estadual de Goiás (UEG). Ele também é mestre em Sagrada Escritura pelo Pontifício Instituto Bíblico de Roma e está cursando doutorado no mesmo tema, mas na Universidade Gregoriana de Roma.

Na sua trajetória como pároco, ele atuou em três Seminários, foi vigário em Goiânia, Aparecida de Goiânia, Abadia de Goiás e Vila Rica (MT).

Investigações

O antigo reitor do Santuário Basílica, padre Robson de Oliveira, se afastou dessa função e da presidência da Afipe assim que o MP-GO deflagrou a Operação Vendilhões, que investiga suspeitas de desvios de doações de fiéis à Associação.

São investigados os seguintes crimes:

  • Apropriação indébita

  • Lavagem de dinheiro

  • Falsificação de documentos

  • Sonegação fiscal

  • Associação criminosa

Também após Robson se afastar das suas funções, uma nova diretoria assumiu a Afipe e trocou todos os membros da associação investigados pelo Ministério Público. Na presidência da instituição, ficou o padre André Ricardo de Melo.

Além de afastar os investigados, os novos diretores informaram que vão contratar uma empresa independente para auditar todos os atos referentes à gestão anterior. O diálogo com a empresa está em andamento.

Para a nova direção, o trabalho de auditoria “busca esclarecer com transparência aos devotos do Divino Pai Eterno” a movimentação realizada pelo padre Robson, além de “tomar todas as providências para que não haja mancha ou dúvida nas suas ações”.

De acordo com as investigações, a Afipe chegava a receber mensalmente R$ 20 milhões dos fiéis e, nos últimos nove anos, movimentou mais de R$ 2 bilhões.

Parte do dinheiro doado pelos devotos deveria ser usado na construção da nova Basílica, que foi avaliada inicialmente em R$ 100 milhões, mas que, atualmente, tem previsão de custar R$ 1,4 bilhão. O Ministério Público revelou que o sino comprado para a nova igreja custou R$ 17 milhões.

A defesa de padre Robson chegou a pedir anulação das provas e sigilo no processo, mas a solicitação foi negada plea Justiça.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.