Após afastamento de padre Robson, novo reitor toma posse no Santuário Basílica do Divino Pai Eterno, em Trindade
28/09/2020
Bolsonaro vai sancionar projeto que aumenta pena a maus-tratos a cães
28/09/2020

Audiência Pública debate transporte alternativo de passageiros em João Alfredo

A Câmara de Vereadores de João Alfredo realizou audiência pública na manhã desta segunda-feira (28) no Plenário Vereador Bide Santos, a fim de debater a situação dos trabalhadores do transporte alternativo de passageiros, especialmente dos toyoteiros, predominantes nesta região do Agreste Setentrional de Pernambuco.

O evento foi proposto pelo vereador Adriano Santos (PSD) a pedido do presidente da ATRAEP Célio Santos, e contou com a presença da coordenadora da Comissão de desenvolvimento Econômico e Turismo da Alepe, Marília Santiago. O vereador José Joacir-OIM (PSD) presidiu os trabalhos, contando também com as participações dos edis Alexandre Mendes (PSD), David Santos (PSD), Erivaldo Vieira (PSD) e Walque Dutra (PSB) e Lúcio Ramos (PSB-Orobó), além de populares.

Usaram da palavra os vereadores Lúcio Ramos, Erivaldo Vieira, Walque Dutra e Adriano Santos, que prometeram apoiar todas as ações que visem beneficiar os toyoteiros. “Lamentamos a ausência de mais vereadores e profissionais toyoteiros nesta audiência, talvez porque não creem que as autoridades competentes solucionem este problema que já perdura por muito tempo. Mesmo assim, continuaremos na luta, pois estes abnegados pais-de-família não podem continuar nesta situação”, disse o edil Lúcio Ramos.

Célio Santos, presidente da ATRAEP

Por sua vez Célio Santos frisou que os toyoteiros e demais loteiros são de extrema importância para a economia desta região e estão  prejudicados com as  sanções impostas por órgãos de controle estaduais. “Temos que buscar soluções para que estes profissionais possam se manter e sustentar suas famílias”, resumiu o presidente da ATRAEP.

Célio ainda frisou que as mudanças no Código de Trânsito Brasileiro colocam em risco um serviço que impulsiona a economia desta região e garante mobilidade, especialmente, às pessoas menos assistidas por transportes regulares. “Esta atividade mexe não apenas com motoristas, mas com comerciantes de peças e estudantes, pessoas que precisam se deslocar para hospitais ou empresários que transportam mercadorias”, pontuou o sindicalista.

(fotos: Valdinho Lima) 

 

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.