Câmara aprova projeto que inclui no Código Penal crime de violência psicológica contra mulher
03/06/2021
Conjuntura Política: Bom Jardim sai na frente na luta por uma faculdade
03/06/2021

Proteção de máscaras contra a Covid-19 é superior a 90%

Correio Braziliense
Uma equipe de pesquisadores brasileiros testou 227 modelos de máscaras vendidos no país para avaliar o grau de proteção contra o novo coronavírus. Como o esperado, os dispositivos profissionais são os mais eficazes, com retenção de partículas de aerossol (expelidas no ar) superior a 90%, mas até os mais simples, como os de tecido, têm um grau de proteção contra o Sars-CoV-2, que pode ser incrementado com a adoção de outras medidas preventivas. Os dados foram apresentados na última edição da revista especializada Aerosol Science and Technology.
Liderados por Paulo Artaxo, professor do Instituto de Física da Universidade de São Paulo (IF-USP), os cientistas realizaram os testes usando um dispositivo que continha uma solução de cloreto de sódio e emitia partículas de aerossol de 100 nanômetros — o Sars-CoV-2 tem cerca de 120 nanômetros de diâmetro. Uma explosão de aerossóis foi disparada, e a concentração de partículas, medida antes e depois do modelo de máscara.
Os resultados mostraram que as cirúrgicas foram as mais eficientes, junto com as dos modelos PFF2 e N95 — elas filtram entre 90% a 98% das partículas. Em seguida, vieram as máscaras de tecido não tecido (TNT) ou polipropileno, com eficiência de 80% a 90%. Por último, estão as feitas de algodão comum, lycra ou microfibra, que filtram 40% em média (de 15% a 70%).
Segundo Artaxo, as máscaras de algodão de camada dupla filtram consideravelmente melhor do que os modelos de camada única, mas a eficácia dificilmente foi alterada com uma inclusão de uma terceira camada, que, inclusive, reduziu a respirabilidade. “O estudo inovou de várias maneiras. Uma foi a avaliação da respirabilidade. As máscaras de TNT e de algodão eram as melhores nesse quesito. Os modelos FFP2 e N95 não eram tão confortáveis, mas as máscaras de papel eram as piores”, relata em entrevista à Agência Fapesp. A pesquisa contou com o apoio da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo, a Fapesp.
Distanciamento
Detalhes de design e do material usado no acessório protetivo também interferiram no efeito esperado. “De modo geral, as máscaras com costura central protegem menos porque a máquina de costura faz orifícios que aumentam a passagem do ar”, explica Fernando Morais, primeiro autor do artigo e pesquisador do IF-USP, à agência Fapesp. “Já algumas máscaras de tecido incluem fibras de níquel, cobre ou outros metais que inativam o vírus e, portanto, protegem o usuário de forma mais eficaz. Existem até modelos eletricamente carregados que retêm mais partículas. Em todos os casos, porém, a eficácia cai quando a máscara é lavada por causa do uso e do desgaste”, complementa.
Os autores do artigo ressaltam que, apesar de a eficácia da máscara sofrer variações, todos os tipos ajudam a reduzir a transmissão do vírus, e que o uso do protetor em parceria com o distanciamento social é essencial para evitar a disseminação do Sars-CoV-2. “A transmissão do vírus é comprovadamente pelo ar, e usar máscara o tempo todo é uma das melhores estratégias de prevenção, além de deixar portas e janelas abertas para ventilar os quartos o máximo possível”, afirma Artaxo.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.