Liturgia Católica…
03/12/2017
A desigualdade entre Estados fica evidente quando se olha para as classes médias….
03/12/2017

Planalto atua para evitar que Temer sofra ataques na convenção do PSDB…

O Planalto atua nos bastidores para evitar que a convenção do PSDB, marcada para o dia 9 deste mês, seja transformada em palco de ataques ao presidente Michel Temer. Na tentativa de revestir como uma separação amigável o desembarque anunciado pelo governador de São Paulo, Geraldo Alckmin, o Planalto espera que dois dos três ministros do PSDB deixem os cargos nos próximos dias, antes do encontro tucano.

A ideia é amenizar o impacto político da convenção, que, dessa forma, não seria um marco do divórcio litigioso. Além disso, os governistas do PSDB lideram um movimento para que o partido feche questão sobre o apoio à reforma da Previdência, obrigando seus deputados a votar a favor da proposta.

NA COTA DE TEMER – Dos três ministros do PSDB, apenas o titular das Relações Exteriores, Aloysio Nunes Ferreira, permanecerá no governo, na “cota pessoal” de Temer. O chefe da Secretaria de Governo, Antonio Imbassahy, deve ser substituído pelo deputado Carlos Marun (PMDB-MS), e Luislinda Valois, dos Direitos Humanos, também vai entregar o cargo.

A “ala Jaburu” do PSDB, que frequenta a residência oficial de Temer, articula uma estratégia para que a convenção se concentre apenas na eleição de Alckmin como presidente do partido. “Colocar esse tema de rompimento agora na pauta é amesquinhar o PSDB”, disse Aloysio Nunes.

Temer está negociando com Alckmin o roteiro da “saída negociada” do PSDB. Na prática, os governistas tucanos fazem de tudo para que o partido não queime pontes com o Planalto e avaliam que Alckmin, pré-candidato à Presidência, só se viabilizará se tiver o apoio e o tempo de TV do PMDB na campanha.

CENTRO-DIREITA – Temer está à procura de um concorrente para defender seu legado em 2018 e quer reunir os aliados em uma frente de centro-direita.

Para o presidente interino do PSDB, Alberto Goldman, não há razão para que o partido aprove o desembarque oficial no dia 9: “Não coloquei na pauta da convenção esse debate”. A expectativa, porém, é que Alckmin use o encontro para reafirmar sua posição pelo fim do casamento com o PMDB. (Via  O Tempo)

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.