Recife: Mendonça não desistiu de tirar a delegada
23/08/2020
Cauan tem redução no problema pulmonar, pai evolui e mãe apresenta febre, mas com quadro estável, diz família
23/08/2020

Padre pede afastamento após ser investigado por desvio de dinheiro doado por fiéis

Correio Braziliense

O Ministério Público de Goiás investiga diversos crimes supostamente cometidos por dirigentes das três associações ligadas à Igreja Católica na cidade de Trindade, em Goiás. A Operação Vendilhões, deflagrada na sexta-feira (21), mira possíveis desvios do dinheiro das doações de fiéis realizados pelo padre Robson de Oliveira Pereira. Ele é presidente da Associação Filhos do Pai Eterno (Afipe), Associação Filhos do Pai Eterno e Perpétuo Socorro e Associação Pai Eterno e Perpétuo Socorro.

No fim da tarde de sexta, o padre Robson pediu afastamento de suas funções do Santuário Basílica do Divino Pai Eterno e da Afipe. A informação foi divulgada pela Arquidiocese de Goiânia, que declarou que o sacerdote deve permanecer afastado ‘até que se esclareçam todos os fatos’. No lugar de padre Robson assume o padre André Ricardo de Melo, provincial dos Missionários Redentoristas de Goiás.

A arquidiocese afirmou ter sido ‘surpreendida’ com a ação do MP, mas aceita ‘com humildade’ as investigações. A entidade afirmou, também, que está, junto a Província dos Missionários Redentoristas de Goiás, ‘aberta para apurar com transparência quaisquer denúncias em desfavor de seus membros’.

A operação

Segundo o MPGO, que chegou a pedir a prisão do padre Robson, negada pela Justiça, são investigados possíveis crimes de apropriação indébita, lavagem de dinheiro, organização criminosa, sonegação fiscal e falsidade ideológica. Foram bloqueados judicialmente R$ 60 milhões em bens imóveis e valores em contas bancárias dos envolvidos.

De acordo com o promotor de Justiça Sebastião Marcos Martins, que coordenou a ação, uma movimentação financeira equivalente a R$ 1,7 bilhão está sendo analisada. A fraude não atinge todo esse valor, mas, a partir da documentação apreendida, o MP irá apurar o montante eventualmente desviado.

O dinheiro, proveniente de doações dos católicos para a construção da nova Basílica em Trindade – conhecida como ‘capital da fé de Goiás’ – teria sido usado na compra de imóveis, propriedades rurais, cabeças de gado e emissoras de rádio. Entre os imóveis ligados ao padre Robson está uma chácara com piscina aquecida.

Um imóvel de R$ 2 milhões na Praia de Guarajuba, na Bahia, teria sido comprado à vista pela Afipe, em 2014. A compra foi efetuada de uma empresa chamada Sistema Alpha de Comunicação, que também é investigada.

“As contas bancárias da Afipe foram usadas para comprar fazendas, residências em condomínio fechado, apartamentos em São Paulo e Goiânia, fazendas em todo o Brasil, mineração. Quer dizer, a Afipe é hoje uma grande empresa. Ela tem o argumento religioso, mas se converteu em uma grande empresa no Estado de Goiás que explora inúmeras atividades, agropecuária e mineração, compra inúmeros imóveis e vende inúmeros imóveis”, disse o promotor Sebastião Marcos Martins.

A investigação que resultou na Operação Vendilhões teve início em 2019, a partir da condenação de um grupo criminoso que praticou extorsão contra padre Robson.

Na ocasião, cinco pessoas exigiram mais de R$ 2 milhões para que não fossem divulgadas imagens e mensagens eletrônicas com informações pessoais, amorosas e profissionais que prejudicassem a imagem do religioso.

O processo foi enviado ao Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaeco) de Goiás, para descobrir a origem do dinheiro utilizado para pagamento de parte do valor ao grupo criminoso. 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.