Hoje:
19/02/2022
Miguel Coelho visita prefeitos de Toritama e Limoeiro
19/02/2022

Opinião: Oposição de esquerda

Por Houldine Nascimento ­– repórter do Blog Magno Martins – Além de grupos opositores da centro-direita e da direita bolsonarista, o PSB também vai enfrentar resistência no campo político mais à esquerda. Partidos como PSOL, Rede Sustentabilidade e PCB têm mantido o diálogo e apontado erros dos 16 anos de gestões socialistas no Estado. Este grupo está fazendo críticas por meio das redes sociais e da imprensa, marcando posição contra o que consideram retrocessos nos últimos anos.
Uma pauta que vai da desigualdade social, passando por questões ambientais e aspectos urbanísticos, mas que também pontua falhas na saúde e educação, além de mobilidade. Como estratégia, estes partidos esperam superar o desconhecimento no eleitorado contando com o apoio de setores mais progressistas da classe média e nas universidades, que também têm ressalvas às administrações do PSB.
Utilizam como inspiração o que ocorreu com Guilherme Boulos (PSOL) ao concorrer à Prefeitura de São Paulo, em 2020, quando passou para o segundo turno, superando até mesmo a hegemonia do PT na esquerda. Hoje, o nome mais representativo entre os pré-candidatos deste campo ao Governo de Pernambuco é o advogado João Arnaldo Novaes (PSOL), que foi vice na chapa encabeçada por Marília Arraes (PT) na disputa pela Prefeitura do Recife, em 2020.
Ele é categórico ao dizer que o PSB “traiu a agenda progressista” no Estado, além de elencar contradições na reaproximação dos socialistas com o ex-presidente Lula (PT): “Houve uma inclinação política bastante liberal-conservadora no início da segunda gestão desse ciclo de 16 anos do PSB em Pernambuco. O modelo se parece muito com o do PSDB de Minas Gerais e São Paulo pela dinâmica privatista e ao mesmo tempo politicamente controlada. Quase metade dos professores da rede pública do Recife e do Estado é de contratados temporariamente e de forma precária. Isso cria uma vinculação política e as pessoas têm receio de serem demitidas.”
“Mesmo as notas no Ideb, que tiveram aumento nos últimos anos, são produzidas de forma artificial e isso é uma coisa que vamos poder mostrar no debate. O número de pessoas analfabetas em Pernambuco é o mesmo de dez anos atrás. Pernambuco parou no tempo e o pior: a desigualdade aumentou. O plano diretor do Recife é um ‘copia e cola’ do União Brasil de Salvador. Até alguns erros de digitação estão repetidos”, completa João Arnaldo, que tem dito que as pré-candidaturas de Miguel Coelho (União Brasil) e Raquel Lyra (PSDB) são “continuidade do PSB”.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.