Ex-presidente Lula tem vitória no STF no processo do caso triplex
30/04/2020
Ministério da Saúde nunca mudou orientação de manter distanciamento, diz Teich
30/04/2020

Cremepe cria sistema para decidir quais pacientes poderão ocupar leitos de UTI durante pandemia

Diário de Pernambuco

Desde o começo da pandemia, um dos maiores alertas das autoridades de saúde era que a realidade da covid-19 passaria a exigir que os médicos tivessem que escolher a quem salvar. Essa decisão, embora rotineira entre as insuficiências do sistema público de saúde, ganharia proporções exponenciais. Com os números à porta, o Conselho Regional de Medicina de Pernambuco (Cremepe) é o primeiro o país a editar um escore que orienta a decisão de qual paciente deve, ou não, ocupar um leito na Unidade de Terapia Intensiva (UTI).

Reunindo conselheiros e médicos de câmaras técnicas há duas semanas, o Cremepe editou a recomendação n° 05/2020, o Escore Unificado para Priorização (EUP-UTI), que usa critérios clínicos para orientar a internação em UTIs dos pacientes da covid-19. Segundo o vice-presidente do Conselho, Maurício Matos, experiências de outros países foram levadas em consideração, assim como o comportamento da doença, seu rápido poder de infecção, e a insuficiente disponibilidade de leitos. Ele destacou que o EUP não utiliza a idade do paciente entre seus critérios, mas as condições de saúde e doenças pré-existentes para avaliar condições maiores ou menores de sobrevivência.

“Sabemos que parece muito cruel, mas não é assim. Muitos pacientes estão tão graves, inclusive por outras doenças anteriores, que a chance de recuperação é mínima, desprezível, meramente estatística, e os leitos de UTI são valiosos”, diz. “Esse escore não exclui nenhum paciente, mas hierarquiza aquele que tem mais chances de sobreviver”.

Além disso, como dito e reafirmado pelo doutor Maurício Matos, as conhecidas superlotações já exigem decisões dos médicos, o profissional da ponta, muitas vezes recém-formados. A ferramenta, então, tira dele o peso da decisão e divide a responsabilidade com protocolos que orientam escolhas. Médica da rede municipal de Caruaru, no Agreste do estado, Ana Carolina Tabosa disse ao Diario que o EUP, baseado em escores usados mundialmente, norteará também profissionais que não tem situações-limite no dia a dia. “Hoje, a gente vive um problema de recursos humanos e médicos que atuam em consultórios poderão ser chamados e poderão usar essa recomendação. O fluxograma é muito simples, direto, e ajuda na tomada de decisão”.

O fluxograma mostra como o doente deve ser abordado nas diversas fases da doença e o ponto que indica a transferência para um leito de UTI. “O médico preenche o questionário e isso vai dar pontos ao paciente que vai até 12. O médico, então, encaminha o questionário para a Central de Regulação de Leitos, que define quais pacientes serão encaminhados para os leitos”, explica Matos.

“Se há Grau de irreversibilidade, o paciente é encaminhado para cuidados paliativos, com dignidade. E isso tem que ser feito de forma muito clara, com o paciente e a família cientes. É extremamente difícil, mas a doença é implacável, a gente está se adaptando, usando o conhecimento médio, para salvar o maior número de vidas possível”.

As Secretarias de Saúde de Pernambuco e do Recife também consideraram oportuna a recomendação do Cremepe. André Longo, secretário estadual, reforçou que o protocolo levou em conta os cuidados paliativos. “Não queremos que as pessoas fiquem desassistidas. Nosso trabalho é para salvar vidas, cada vez mais vidas. O caminho é de não abandonar ninguém, é de garantir o alívio do sofrimento de todos, mas precisa haver algum grau de priorização e para isso existem trabalhos sendo desenvolvidos no mundo inteiro e servindo de parâmetro para que isso possa ser trazido ao debate”. Já Jaílson Correia, do Recife, disse que o documento do Cremepe, por ser pioneiro, provoca o debate nacional. “Esperamos que seja seguido por outros conselhos do país”, completou.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.