Galpão das Artes abre minimuseu de brinquedos populares em Limoeiro
20/04/2021
Anvisa autoriza uso de coquetel contra Covid-19
20/04/2021

Brasil já tem a maior taxa de mortalidade por Covid-19 das Américas

People mourn as a relative is buried by cemetery workers in protective gear as a preventive measure against the spread of the novel coronavirus disease, COVID-19, at the Vila Formosa cemetery in Sao Paulo, Brazil, on April 17, 2021. - The number of people who have died worldwide in the Covid-19 pandemic has surpassed three million. The world’s Covid-19 death toll surpassed three million on Saturday, according to Johns Hopkins University. (Photo by Miguel SCHINCARIOL / AFP)

AFP
O Brasil com frequência alega que seu alto número de mortes por Covid-19 é justificado por seu grande número de habitantes, mas a segunda onda pandêmica já o tornou o país com a maior taxa de mortalidade no continente americano e no hemisfério sul.
Os Estados Unidos são o país com mais mortes por coronavírus no mundo (quase 570.000), seguido pelo Brasil (com cerca de 375.000). 
Porém, em termos relativos, o Brasil, com 176 mortes a cada 100.000 habitantes, assumiu a liderança nos últimos dias contra seus vizinhos mais atingidos: Peru (174/100.000), Estados Unidos (172) e México (165), segundo dados atualizados diariamente pela AFP com base em fontes oficiais. 
A taxa de mortalidade do país sul-americano, de 212 milhões de habitantes, também pode superar em menos de um mês a do Reino Unido (187/100.000) e da Itália (194) e ficar atrás apenas da Bélgica e de alguns países do Centro e Leste Europeu, segundo projeções do demógrafo José Eustáquio Alves. 
“Em março e abril, o Brasil bateu todos os recordes, com uma media móvel de quase 3.000, (o que o fez) dar um salto no ranking mundial”, disse à AFP nesta terça-feira o pesquisador, professor aposentado do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). 
O Brasil “hoje tem a maior taxa de mortalidade do continente americano e de todo o hemisfério sul”, acrescentou.
Na última semana, aparentemente a curva “estabilizou em alto platô”, abaixo de 3.000 mortes por dia.
Mas também é possível que haja uma nova onda porque vai vir o inverno” e com a “a maioria de governadores e prefeitos flexibilizando o isolamento social”, alertou. 
As maiores taxas de mortalidade por Covid-19 são registradas na República Tcheca (267/100.000 h), Hungria (265) e seis outros países da região, assim como na Bélgica, todos com mais de 200 mortes a cada 100.000 habitantes. 
“São países com clima frio e estrutura demográfica bastante envelhecida, mais vulnerável” à doença, ao contrário do Brasil, onde a população com mais de 65 anos representa menos de 10% do total, observou Alves. 
A esses fatores se soma a vacinação lenta: menos de 13% dos brasileiros receberam a primeira dose e 5% a segunda. 
O Supremo Tribunal Federal (STF) ordenou na semana passada que o Senado abrisse uma comissão parlamentar de inquérito (CPI) sobre as causas do desastre na saúde. 
Essa CPI começará seu trabalho na próxima semana, com os olhos voltados para a gestão do presidente Jair Bolsonaro, que negou a gravidade da pandemia, incentivou aglomerações sem o uso de máscaras, questionou a eficácia das vacinas e se mostrou contra as medidas de isolamento social, ao mencionar seu negativo impacto econômico.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.