Comemorações do centenário do Monsenhor Jonas Menezes e Silva….
16/02/2014
Minutos de sabedoria…
16/02/2014

Australiana racista contra manicures está na cadeia…

 

A australiana presa em Brasília na noite desta sexta-feira (14) suspeita de agredir e ofender duas funcionárias e uma cliente negras de um salão de beleza da superquadra 115 Sul, está na Penitenciaria Feminina do Gama. Além de desacatar o policial militar, também negro, que a conduziu à delegacia ela também ofendeu o agente responsável por atender a ocorrência. Parte da situação foi gravada pela recepcionista do local. O caso é investigado pela 1ª DP.

Segundo testemunhas, a suposta agressora tem cerca de 30 anos e entrou no estabelecimento para fazer as unhas do pé. A primeira pessoa que ela ofendeu foi uma manicure, que preferiu não se identificar por se sentir envergonhada.  Ela vive regularmente no Brasil há cinco anos e já foi detida por dirigir sob efeito de álcool.

A Polícia Civil informou que mulher foi presa por racismo e não por injúria racial porque disse que não poderia ser atendida pela funcionária negra. Ela cometeu segregação racial ao afirmar que a profissional não poderia executar o serviço por ser de ‘raça ruim’.

INAFIANÇÁVEL

O encaminhamento para a penitenciária da Colmeia comprova que ela foi enquadrada por racismo, segundo a polícia. Se fosse por injúria, ela teria assinado um termo de comparecimento à Justiça e deixaria a delegacia. O crime de racismo é inafiançável. A suspeita pode permanecer presa por até um ano.

‘Ela chegou e perguntou se havia alguém que pudesse fazer o pé dela. A recepcionista disse que sim, então ela sentou. Quando ela viu que seria eu, disse que não queria’, lembra a manicure. ‘Fiquei sem graça. Aí a menina disse que tinha então outra pessoa, e ela respondeu que podia ser a outra, porque ela era um pouco mais clara. Ela disse que eu era escura demais para fazer a unha dela.’

Minutos depois, a suposta agressora teria se incomodado com a presença da manicure e pedido que ela se retirasse. ‘Ela disse: ‘dá para você se retirar? Sua presença está me incomodando. Eu não quero que você fique perto de mim’. Subi na hora, não conseguia parar de chorar’, conta a profissional.

‘Ela disse que não ia se desculpar, que não tinha feito nada de errado. E aí começou a falar do trabalho da outra manicure, dizendo que ficou uma porcaria, que não ia pagar. Outra cliente, que é morena, ficou irritada e pediu para ela abaixar o tom, então ela disse ‘eu não sei por que essas pessoas de raça ruim insistem em falar comigo’. Precisei segurar a menina, que queria bater nela’, conta Eliete, a dona do salão.

CONTRA UM PM NEGRO

A discussão evoluiu para bate-boca e gritaria. A dona do salão acionou a Polícia Militar, mas a suposta agressora tentou fugir. Eliete afirma que pediu mais uma vez que ela se desculpasse, que a situação poderia ser contornada se ela reconhecesse que errou. ‘Ela disse que queria ver quem iria prendê-la por isso’, diz a proprietária.

Abordada por um PM negro, a australiana ainda teria gritado para que ele não dirigisse a palavra a ela. A cliente ofendida, as funcionárias, a dona do salão e a cliente de quem ela cuidava, que é advogada, foram para a delegacia prestar depoimento. (Do Portal G1)

1 Comentário

  1. MOnte disse:

    Esta mulher australiana está sendo perseguido em benefício da política dos racistas elite Brasil que fizeram Brasil um país de escravos!

    ” habitantes de lá [Australia] sofreram genocídio entre outras atrocidades”
    1988, Brasil – – genocídio – Massacre do Capacete (Ticunas)
    1993, Brasil – genocidio – Massacre de Haximu (Yanomami)
    2005 Brasil – genocidio das Rio Pardin indianos (Kawahiva)

    1830 Australia – Tasmania genocidio

    <1901 Australia – No próprio continente australiano durante o período colonial britânico (1788-1901), uma população de 500,000-750,000 aborígines australianos foi reduzida para menos de 50.000. A maioria foi devastada pela introdução de doenças exóticas após o contato com os europeus , embora, talvez, 20.000 foram mortos por massacres e combates com colonos

    Em 2011, havia 548.370 pessoas identificadas como sendo de aborígene.

    População da Austrália, que são descendentes diretos de escravidão na Austrália?: 0%

    População do Brasil, que são descendentes diretos de escravidão no Brasil?: 70%

    A Austrália é o segunda país mais multicultural do mundo.
    http://www.abc.net.au/news/2010-11-17/australia-second-most-multicultural-country/2339884 Os australianos que vêm aqui se queixam de que você está tão monocultural, seus restaurants são chatos porque é tudo comida brasileira / Africano. Melbourne Austrália é a cidade constantemente votado para ser um dos Top 5 restaurante-cidades do mundo porque temos imigrantes de tantos países diferentes. Problema com o Brasil é como ignorante todas as pessoas são.
    A Austrália tem 4 cidades constantemente votaram para estar no top 10 cidades mais habitáveis ​​"" do mundo, com o mais alto padrão de vida no mundo.
    Os australianos nunca quero viver no Brasil. É raro. Se um Ausralian se casou com uma brasileira,99% do tempo eles vão morar na Austrália juntos. O brasileiro/brasileira não quer viver no Brasil também.
    Homens australianos que visitam Brasil está cercado por cima Brasileiras que estão desesperados para sair Brasil e viver no paraíso multucultural chamado Austrália. A ironia desta grande ataque da mídia sobre essa Australiana na Brasilia é que o problema com o racismo no Brasil é o problema do Brasil não dos australianos. Eu vi seus elite e como eles vivem em São Paulo e Rio de Janeiro. Eles têm famílias de escravos negros que vivem em casas de escravos que trabalham para eles ainda para o dia de hoje e são pagos um salário que é igual a um escravo. Eles são tratados como escravos, eles são pagos como escravos, mas você tem uma lei que diz que é ilegal para realmente chamá-los de escravos.
    Ah, a ironia! Brasil é uma piada.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.