Paulo Câmara participa de eventos na área de meio ambiente e entrega insígnias a oficiais da PMPE
16/03/2022
Lula afirma que Petrobras será ‘devolvida para o povo’ se ele for eleito
16/03/2022

As datas das renúncias dos prefeitos oposicionistas 

Por Edmar Lyra – A oposição sacramentou o lançamento de três pré-candidaturas ao Palácio do Campo das Princesas. Seus três prefeitos, Anderson Ferreira, Miguel Coelho e Raquel Lyra já bateram o martelo e renunciarão aos seus respectivos cargos para poderem cumprir as exigências da legislação eleitoral e consequentemente estarem no pleito de outubro.
O primeiro a renunciar será o prefeito de Petrolina, Miguel Coelho, do União Brasil, que deixará o cargo no próximo dia 30 num grande ato político que contará com a presença de lideranças políticas locais e nacionais. O movimento está sendo bastante elaborado para que seja um pontapé inicial com chave de ouro para sua caminhada rumo ao Palácio do Campo das Princesas.
No dia seguinte, será a vez de Anderson Ferreira,  do PL, deixar a prefeitura de Jaboatão dos Guararapes. O ato será o segundo tempo de um evento que contará com a presença do presidente Jair Bolsonaro no dia 23, que servirá para consolidar a casadinha entre Anderson e Bolsonaro na disputa local pelo Palácio do Campo das Princesas. São esperados ministros de diversas pastas que ajudarão a fazer o link do projeto de Anderson com a reeleição de Bolsonaro para presidente.
Por fim, assim como foi em toda essa fase de pré-campanha, quando nunca admitiu publicamente sua candidatura a governadora, será a vez de Raquel Lyra (PSDB), o último nome a deixar a prefeitura para entrar na disputa pela sucessão de Paulo Câmara. Raquel utilizará o prazo máximo permitido por lei e deixará a prefeitura de Caruaru somente no dia 2 de abril. Diferentemente de seus colegas oposicionistas, não há muita informação sobre como será o ato que servirá para oficializar seu projeto rumo ao Palácio do Campo das Princesas.
A presença dos três prefeitos na disputa pelo governo, de acordo com o deputado federal André Ferreira, tem um efeito estratégico, uma vez que a oposição estará fincando estacas na Metropolitana, no Agreste e no Sertão, dificultando a competitividade de Danilo Cabral e mais do que isso, garantindo a existência de um segundo turno para enfrentar o nome do PSB em outubro.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.