21/09/2016

Golpe na madrugada…

Bernardo Mello Franco – Folha de S.Paulo Nas noites de Brasília, cheias de mordomia, todos os gastos são pardos. A frase de Millôr Fernandes provou sua atualidade nas últimas horas de segunda-feira (19). Por muito pouco, a Câmara não aprovou uma anistia a todos os políticos flagrados na prática de caixa dois. O coelho saiu da cartola quando o plenário se encaminhava para a última votação do dia. Na pauta oficial, havia uma medida provisória sobre despesas com a Olimpíada. Na paralela, escondia-se uma tábua de salvação para investigados da Lava Jato. A manobra foi ardilosa. Seus autores desengavetaram um projeto antigo, de 2007, que prometia punir quem faz caixa dois. O diabo morava no detalhe. A pretexto de moralizar as campanhas, o texto perdoaria os políticos que já receberam dinheiro “por fora” em eleições passadas. Continua..
19/09/2016

Ameaça de prisão de Lula antecipa o processo sucessório…

Por Carlos Chagas Agita-se o PT. A ordem, além de disputar as eleições municipais de outubro, é fixar desde já a candidatura do Lula para 2018. Expô-lo o mais possível, agora e depois de encerradas as campanhas para prefeito e vereador. Os companheiros pretendem criar uma parede de proteção ao ex-presidente, de modo a evitar que venha a ser processado por Sérgio Moro ou qualquer outro juiz, muito menos nas instâncias seguintes, fator que o afastaria da corrida. Essa estratégia não demora a contagiar os demais partidos, antecipando-se o debate sucessório. O mais prejudicado será o PSDB, que esperava atravessar o ano que vem sem ser obrigado a escolher entre Aécio Neves, Geraldo Alckmin e José Serra. Apesar de o ex-governador de Minas julgar-se no direito de ser escolhido por haver disputado as eleições passadas, será sempre bom lembrar que os outros dois também concorreram ao palácio do Planalto, ambos […]
17/09/2016

A morte que deixou o Brasil em choque…

A morte por afogamento de um dos atores mais populares do país e protagonista da principal novela em cartaz atordoou os brasileiros, principalmente pela trágica e real coincidência de Domingos Montagner perder a vida no mesmo rio cujo apelido dá nome a “Velho Chico”. Desde o anúncio de seu desaparecimento e a confirmação de sua morte na quinta-feira (15) – quando seu corpo foi encontrado presos nas pedras a 30 metros de profundidade -, celebridades e internautas se lançaram às redes sociais para expressar sua preocupação, em um primeiro momento, e sua pena e admiração ante a trágica notícia. “É a perda de um colega maravilhoso, de um ator gigantesco que brilhou em tudo o que fez e de um ser humano especial”, reagiu o jornalista Carlos Henrique Schroder, diretor-geral da Rede Globo. Continua…
10/09/2016

Brasil, uma novela ruim…

Não houve uma batalha política, mas sim a aposta na mudança de um estado das coisas que atingia ou podia atingir grandes interesses econômicos El País – Leonardo Padura As telenovelas brasileiras sempre se guiam por um código dramático e ético: embora os heróis passem por terríveis dificuldades e recebam os mais duros golpes, ao final a justiça e a verdade sempre saem vitoriosas. É por isso que elas são telenovelas, e fazem sucesso nas mais diferentes culturas. Mas a realidade, como sabemos, costuma avançar por meio de outros mecanismos, mesmo quando se trata da realidade brasileira. Devo confessar que, quando quase todo mundo, ao analisar racionalmente o desenvolvimento do processo de destituição da presidenta do Brasil, Dilma Rousseff, antevia o seu resultado, eu mantinha, romanticamente, alguma esperança em uma mudança da sentença anunciada. Leia mais: Brasil, uma novela ruim
12/08/2016

Governo e Câmara tentam salvar Cunha; Meirelles se enfraquece…

Kennedy Alencar  Marcar a votação da cassação do mandato de Eduardo Cunha (PMDB-RJ) para uma segunda-feira, dia 12 de setembro, no meio das eleições municipais, é uma clara articulação para facilitar a vida do ex-presidente da Câmara. Será um escândalo realizar essa votação num dia de baixa presença no Congresso Nacional. Como são necessários 257 votos dos 513 deputados para que Cunha seja cassado, essa data é um presente para o peemedebista e um tapa na cara da sociedade diante da quantidade de acusações graves que pesam contra ele. Mais: mostra que o governo e boa parcela da Câmara temem segredos que Cunha possa tornar públicos. Aprovar o impeachment de Dilma e dar a Cunha a chance de escapar confirma o uso de dois pesos e duas medidas e reforça a tese de um golpe parlamentar contra a petista. Continua…
07/08/2016

O que vem a ser o Pokémon GO…

Por Gilmar P. da Silva SJ Pokémon GO?! Esse é um fenômeno interessantíssimo e já adianto que sim, esse colunista de pouco tempo livre tem capturado criaturas digitais entre idas e vindas dos seus lugares rotineiros. Não se trata de mais um joguinho ou simples alienação. Parece que algumas análises que recebem destaque tendem a lançar um olhar simples, dividido entre bom e mau, e há mais coisas para serem consideradas. Muitas pessoas não têm noção do que é o jogo e muito menos do que ele trata. Pocket Monsters ou Poketto Monsutā (literalmente, monstros de bolso) começou como uma espécie de jogo eletrônico de RPG desenvolvido pela empresa Nintendo em 1996 e se tornou anime em 1997. Sua história narra a saga de um menino, inicialmente com 10 anos, chamado Ash. Ele sonha em se tornar um Mestre Pokémon e ganha um monstrinho meio teimoso, Pikachu, que não gosta […]
15/07/2016

Opinião : Nada além da pasmaceira, embora as eleições estejam chegando…

Carlos Chagas Outubro está chegando, em especial o seu primeiro domingo. Nesse dia, o país escolherá seus prefeitos e vereadores para os próximos quatro anos. Com ênfase especial para as prefeituras das capitais. Alguns concorrerão a um segundo mandato, por conta da reeleição. Outros, em nome da renovação. A dois meses e meio da decisão referente à mais importante  iniciativa política de todo cidadão – manifestar-se sobre sua vida diária – não se vê uma participação sequer. É bom não esquecer o que dizia o dr. Ulysses: “Ninguém mora na nação, nem no estado. Mora-se no município.” Em função da crise atual e seus desdobramentos, desde a falência das instituições até o festival de roubalheira que assola o país, não se vê uma só referência ou preocupação do eleitor para com as eleições municipais. Nem no interior, nos grotões, nem nas capitais maiores ou menores. Continua…
03/07/2016

O circo não morre…

Na passagem por João Alfredo, sexta-feira passada, me deparei com este circo bem tradicional de cidades interioranas. E morri de rir com a propaganda no alto falante para atrair público, na qual o locutor dava destaque à mulher que virava macaco. Um dos mais antigos espetáculos de diversão do povo, o circo, apesar da TV e do advento da tecnologia digital, parece que está longe da morte. Continua divertindo a garotada pobre das pequenas cidades sem opções de lazer. Recentemente, em Afogados da Ingazeira, minha terra natal, vi um circo só de anões como atrações. Espero longa vida para os circos, que me trazem boas recordações de minha infância no sertão. Como esquecer o palhaço Gordurinha com suas piadas de duplo sentido! O circo é cultura e suas cortinas, quando se abrem, ainda continuam fazendo muita gente feliz. (Magno Martins)
01/07/2016

Novas eleições, sugestão abandonada…

Carlos Chagas Do ponto de vista politico, Dilma Rousseff já perdeu. Pelo número de  senadores que votaram e votarão contra ela, no final de agosto, não há saída. Mais de 54 apoiarão Michel Temer. O problema, porém, pode mudar de figura quando se analisa o julgamento de Madame à luz da ciência do Direito. Como enquadrá-la juridicamente? Não cometeu crime algum capaz de levá-la a perder o mandato, por mais que o senador Antônio Anastasia, relator, tenha sido brilhante em sua exposição. Como o processo de impeachment é tanto jurídico quanto político, tudo indica que hoje a presidente afastada não escaparia. Mesmo assim… Mesmo assim, certeza não há. Por um voto que seja, no Senado, Dilma deixará de perder definitivamente o mandato, retornando à presidência da República. Trata-se de uma decisão ainda inconclusa. Michel Temer, presidente interino, reuniu número suficiente permanecer no palácio do Planalto, mas até o dia da […]