24/05/2018

Planalto faz acordo para derrubar votação do PIS/Cofins…

O presidente Michel Temer pediu ao presidente do Senado, Eunício Oliveira, que não colocasse em votação o projeto aprovado, ontem, pela Câmara que prevê zerar as alíquotas do PIS/Cofins sobre o diesel até dezembro. O presidente argumentou que o rombo, caso a matéria seja aprovada, será de 12 bilhões de reais aos cofres públicos. Diante disso, aumenta a tensão com os representantes dos caminhoneiros. O líder da Associação Nacional dos Caminhoneiros, José da Fonseca, disse hà pouco em Brasília que a paralisação só irá acabar com o fim do PIS/Cofins sobre o diesel.
02/03/2018

Eleições 2018: PP e Força no palanque presidencial de Rodrigo Maia…

Os comandantes do PP, Ciro Nogueira (PI), e do Solidariedade, Paulinho da Força (SP), vão à convenção do Democratas prestigiar o lançamento de Rodrigo Maia(DEM-RJ) ao Planalto. Nenhum dos dois foi à reunião do PSDB que elegeu Geraldo Alckmin presidente do partido, no ano passado. A convenção do DEM será na próxima semana. Em maio, Paulinho quer levar o presidente da Câmara à festa do Dia do Trabalho de sua central em São Paulo. Paulinho pretende colocar Maia no palco da Força Sindical ao lado de outros pré-candidatos ao Planalto, entre os quais o ex-presidente Lula. (Agência de Notícias)
04/01/2018

Planalto tenta conter a debandada…

Demissões de ministros em razão de candidaturas eleitorais são fatos normais na política, mas as duas que atingiram o governo Temer em menos de uma semana são bastante estranhas. No mínimo porque Marcos Pereira, do PRB, e Ronaldo Nogueira, do PTB, deixam as pastas do Desenvolvimento Industrial e do Trabalho, respectivamente, para se candidatarem a deputados. E três meses antes do prazo exigido pela lei. Será que avaliaram que ficar no governo, a esta altura, pode tirar mais do que dar votos? Diante da baixíssima popularidade de Michel Temer e do governo, faria sentido, não fossem as deformações do sistema político vigente, que leva candidatos ocupantes de cargos públicos a se agarrarem com todas as forças aos cargos até o último momento para usar a máquina a seu favor. Deixar um ministério assim, sem mais, contraria a lógica – viciada, é verdade – dos políticos brasileiros. Continua…
03/11/2017

Planalto quer candidato que defenda legado do governo…

Via Blog do Camarotti De forma reservada, interlocutores do presidente Michel Temer já defendem a articulação de uma candidatura que possa defender o legado econômico do governo na corrida presidencial de 2018. No Palácio do Planalto, ainda ronda o fantasma da disputa de 1989. À época, o então presidente José Sarney não teve um nome para defendê-lo, tornando-se uma espécie de “Geni” da campanha, em que todos os candidatos jogavam pedra. Diante desse cenário, o nome do ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, começa a ser falado entre os interlocutores de Temer. Meirelles é visto como o melhor perfil para defender a política econômica de Temer e impor na campanha um debate realista sobre a situação fiscal do país. Além disso, Meirelles tem o nome bem aceito no mercado financeiro. O ministro da Fazenda Henrique Meirelles e o presidente Michel Temer são visto durante uma cerimônia em Brasília. Já é sabido que, até […]
19/09/2017

Planalto vê Geddel instável e com chances de delatar…

O Estado de S.Paulo – Carla Araújo e Tânia Monteiro O Palácio do Planalto se preocupa hoje mais com a possibilidade de o ex-ministro Geddel Vieira Lima, preso desde o dia 8, fechar um acordo de delação premiada do que com a nova denúncia oferecida pela Procuradoria-Geral da República na semana passada contra o presidente Michel Temer.  A avaliação de auxiliares próximos a Temer é de que a segunda acusação formal oferecida pelo ex-procurador-geral da República Rodrigo Janot, que acusa o presidente de liderar uma organização criminosa e de obstruir a Justiça, terá um placar mais favorável que a primeira acusação quando chegar ao plenário da Câmara dos Deputados. Em agosto, quando a Procuradoria denunciou Temer por corrupção passiva, 263 deputados votaram por barrar o prosseguimento da acusação. Já em relação a Geddel, a avaliação no Planalto é de que a situação é “praticamente incontornável” depois que a Polícia Federal encontrou R$ 51 milhões em […]
13/08/2016

Planalto já vê cenário de queda de Serra e Geddel…

O Palácio do Planalto já trabalha com o cenário de queda de dois dos principais ministros do governo interino: Geddel Vieira Lima, que faz a articulação política, e o chanceler José Serra. Os dois seriam os mais vulneráveis nas novas delações que estão saindo do forno. Quem informa é jornalista Fernando Rodrigues, em seu serviço privado de informações políticas chamado Drive. Confira abaixo as notas publicadas por ele numa edição extraordinária nesta sexta-feira: Ministros alvejados Cresce no Planalto a sensação de que alguns ministros de fato não resistem mais 2 meses no cargo por causa das revelações nos depoimentos de delatores da Odebrecht e da OAS.   José Serra e Geddel Vieira Lima Os ministros das Relações Exteriores e da Secretaria de Governo são considerados os mais vulneráveis. Ambos negam irregularidades. Continua…
15/09/2015

Planalto mapeia votos para barrar impeachment …

Estadão Conteúdo  O governo passou os últimos dias contando os votos que tem no Congresso para barrar a tramitação de um possível processo de impeachment da presidente Dilma Rousseff. A maior preocupação do Palácio do Planalto, agora, é com a deterioração do relacionamento com o vice-presidente Michel Temer, que comanda o PMDB, e com a bancada do partido. Dilma conversou mais de uma vez por telefone, na segunda-feira (14), com o presidente do Supremo Tribunal Federal, Ricardo Lewandowski. À noite, ela reuniu para um jantar 19 governadores da base aliada, no Palácio da Alvorada. Embora o encontro tenha sido para pedir apoio às medidas de austeridade fiscal, com corte de R$ 26 bilhões, congelamento de salários do funcionalismo e reedição da CPMF, o governo tentou vender ali a imagem de que está reagindo à crise. Ficou claro, ainda, que Dilma espera o respaldo dos governadores contra a tentativa de derrubá-la. […]
08/09/2014

Planalto admite que delação impõe agenda negativa à campanha de Dilma….

Apesar da cautela com as primeiras notícias da delação premiada do ex-diretor da Petrobras Paulo Roberto Costa, a avaliação realista de assessores do governo é que o episódio introduzirá uma agenda negativa na campanha da presidente Dilma Rousseff. Há a constatação interna de que Dilma ficará na defensiva enquanto não for divulgado todo o conteúdo dos depoimentos de Costa. Apesar de não envolver diretamente a presidente, o escândalo engloba o período dos dois governos Lula e dos dois primeiros anos do mandato de Dilma. O tom de cautela foi verificado na primeira declaração da presidente, de que será preciso aguardar informações oficiais para tomar as “providências cabíveis” e que não haverá decisão com base em especulações. No Planalto, embora se constate que, por enquanto, não há materialidade nas informações divulgadas neste fim de semana, há o reconhecimento de que o caso tem potencial explosivo por envolver aliados estratégicos e o […]
21/03/2014

Campos: “Câmara terá um amigo no Planalto”…

Em entrevista coletiva concedida à Imprensa em Serra Talhada, no Sertão, o governador e presidenciável Eduardo Campos (PSB) se mostrou confiante em relação às chances de vitória do seu grupo político nas eleições deste ano e garantiu que seu pré-candidato ao Governo do Estado, o secretário da Fazenda Paulo Câmara (PSB), fará “um grande governo” porque “terá um grande amigo na Presidência da República ajudando”. “Ele está pronto para fazer um grande governo e fará ainda melhor porque terá um grande amigo na Presidência da República ajudando a fazer um grande governo”, disparou. Questionado sobre as críticas do provável adversário do seu apadrinhado no próximo pleito, o senador Armando Monteiro Neto (PTB), Eduardo rebateu que “tem político na política que se acha patrão do povo” e que essa “não é a forma” que Paulo Câmara trabalha. “Quem nos conhece, sabe que não é a forma da gente trabalhar. A forma […]