08/08/2018

Marília Arraes e João Campos travam duelo velado nas urnas…

A vereadora Marília Arraes (PT) e o engenheiro João Campos (PSB), neta e bisneto de Miguel Arraes, respectivamente, travam um duelo velado nas urnas não apenas por uma vaga na Câmara Federal. A disputa, já de olho na Prefeitura de Recife em 2020, é pelo espólio eleitoral da família Arraes e, consequentemente, saber quem dos dois receberá mais votos. Novato em eleições, João, filho de Eduardo Campos, conta com o apoio do governador de Pernambuco, Paulo Câmara (PSB), e do prefeito de Recife, Geraldo Júlio (PSB). O empenho dos dois principais líderes do PSB tem provocado descontentamento de outros candidatos do partido. Agora, com a entrada de Marília na disputa direta com Campos, aumentará o esforço empreendido para evitar uma derrota política. “Atendo ao chamado da Frente Popular para cumprir a honrosa missão de ser candidato a deputado federal e, junto com o povo de Pernambuco, dar continuidade ao legado de doutor Arraes e de Eduardo Campos”, afirma João. Marília personifica, em Pernambuco, a oposição ao governador Paulo Câmara. Após ter o nome retirado da disputa […]
16/05/2018

As virtudes e os desafios de Armando Monteiro na disputa pelo governo …

Na próxima semana a oposição intitulada de Pernambuco quer Mudar anunciará a pré-candidatura do senador Armando Monteiro ao governo de Pernambuco. Será a segunda vez que o petebista disputará o Palácio do Campo das Princesas e reeditará o embate que elegeu Paulo Câmara em 2014. Reconhecidamente um político ficha limpa e cumpridor de acordos políticos, o senador Armando Monteiro tem uma carreira política relativamente curta, apenas 20 anos de mandatos eletivos, quando foi deputado federal em três ocasiões, senador eleito em 2010, ministro e presidente da CNI. Neto do ex-governador Agamenon Magalhães e filho do ex-ministro Armando Monteiro Filho, o senador tem a política em seu DNA e venceu quatro das cinco eleições que disputou em Pernambuco, com um bom aproveitamento em disputas eleitorais. Diferentemente de 2014 quando disputou apoiado por PTB, PT, PDT, PSC, PTdoB e PRB, o senador entrará neste novo embate com Paulo Câmara apoiado por DEM, […]
05/05/2018

Mendonça Filho mostra competitividade para o Senado …

O deputado federal Mendonça Filho apareceu com 11% das intenções de voto para governador na pesquisa Múltipla e com 11,3% para o Senado. Numa eventual e provável candidatura de Armando Monteiro a governador é extremamente factível a possibilidade de o eleitor que sinaliza votar em Mendonça migrar para Armando Monteiro na disputa pelo governo e o eleitor de Armando migrar para Mendonça na disputa pelo Senado. Quando somadas as intenções de voto de Armando Monteiro e Mendonça Filho para o Senado, chega-se a 27,1% das intenções de voto, é natural que no decorrer da campanha esse voto dos dois case. Mas existe um segundo fator que pode acabar beneficiando Mendonça. Jarbas Vasconcelos, líder na pesquisa, tem 20% de intenção de voto, e há um sentimento por parte do eleitor de associação entre Jarbas e Mendonça, o que pode fazer com que Jarbas seja o segundo voto do eleitor de Mendonça […]
07/04/2018

Pela primeira vez teremos uma reedição de disputa para governador …

Em todas as eleições desde que foi instituída a reeleição em 1998, nunca houve a manutenção de dois candidatos que se enfrentaram no pleito anterior. Naquele pleito Jarbas Vasconcelos derrotou Miguel Arraes, então governador que tentava reeleição. Quatro anos depois, Jarbas não enfrentou Arraes, o PSB lançou Dilton da Conti e o PT, Humberto Costa. Em 2006, Mendonça, Humberto e Eduardo protagonizaram a disputa vencida por Eduardo. Quatro anos mais tarde, o adversário de Eduardo acabou sendo Jarbas Vasconcelos. Nas eleições de 2014 a disputa foi polarizada por Armando Monteiro e Paulo Câmara, que deverá ser reeditada em 2018. Armando Monteiro tende a se consolidar até o dia 20 como o adversário do governador Paulo Câmara fazendo um remake da eleição passada. O governador, por sua vez acabou esse período de filiações num grande lucro, uma vez que não houve nenhuma perda de deputado estadual ou federal da sua base […]
06/04/2018

ACM Neto desiste de disputar o governo da Bahia…

O prefeito de Salvador, ACM Neto (DEM), desistiu de disputar o governo da Bahia nas próximas eleições. Ele decidiu que não vai deixar a prefeitura hoje, data limite para que aqueles que estão no Executivo e pretendem tentar nas urnas um outro cargo se desincompatibilizem. A desistência de Neto é um fator negativo para o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), que perde um palanque importante para sua tentativa de se viabilizar candidato à Presidência da República. “Vamos ter candidato na Bahia”, disse Maia à Folha de São Paulo. O plano B do DEM é, ao menos por enquanto, José Ronaldo, prefeito de Feira de Santana. ACM Neto, que é presidente nacional do DEM, disse que, se José Ronaldo não aceitar, o partido pode apoiar o candidato de outro partido. (Magno Martins)
17/03/2018

Paulo Câmara apesar das dificuldades ainda é o favorito …

Edmar Lyra Eleito em 2014 na esteira de Eduardo Campos, sobretudo após o fatídico acidente que vitimou o ex-governador, Paulo Câmara teve um desafio muito grande para enfrentar que era governar um estado sem seu mentor e principalmente num momento de crise econômica que prejudicou o Brasil e em Pernambuco não foi diferente. Paulo também enfrentou um recrudescimento da violência que já dava seus sinais no final do governo Eduardo e seguiu com João Lyra Neto. Evidentemente a violência teve como seu maior ingrediente a crise econômica que ampliou o desemprego e colocou mais gente na condição de vulnerabilidade social, mas uma coisa é perceptível aos olhos do pernambucano, que é o empenho do governador em resolver o problema. Nunca se viu tanto investimento quanto agora para a segurança pública. Perto de findar a janela partidária, os indícios são grandes de que as modificações entre deputados estaduais e federais ocorrem […]
22/12/2017

Nome de Eduardo da Fonte é cotado para o Senado…

As especulações em torno do rumo do Partido Progressista (PP) na eleição do ano que ganharam novos contornos, nesta semana. A sigla, que chegou a ensaiar a formação de uma chapinha fora Frente Popular, estaria perto de voltar para o chapão governista. Para isso, o presidente estadual da legenda, deputado federal Eduardo da Fonte, já teria acertado com o Palácio do Campo das Princesas a indicação do seu nome para disputar uma vaga no Senado. Em reserva, uma fonte governista revelou que, nos bastidores da Assembleia Legislativa, o comentário é que Eduardo da Fonte expressou seu desejo de participar da eleição majoritária e recebeu o aval do governo Paulo Câmara. Com isso, estaria disposto a abortar a formação de uma chapinha com legendas como PDT e PCdoB, que havia sido fortemente criticada por partidos da Frente Popular. O arquivamento da denúncia contra o deputado na Lava Jato, na última segunda […]
05/11/2017

Para o PT, mesmo condenado pelo TRF, Lula disputará ao menos o primeiro turno de 2018…

Via Daniela Lima  / Folha de S.Paulo O grupo mais próximo a Lula aposta que Jair Bolsonaro (PSC-RJ) perderá corpo durante a campanha e lembra que o ex-presidente, ainda em julho, disse em reunião do PT que sua legenda errava ao mirar João Doria (PSDB-SP). “O adversário será Geraldo Alckmin”, apostou. O PT está convencido de que, mesmo condenado em segunda instância, o ex-presidente Lula disputará ao menos a metade do primeiro turno da eleição de 2018. O partido vai empunhar tese segundo a qual nem um veredito desfavorável seria impeditivo para o registro da candidatura. Se o Ministério Público quiser tirá-lo do páreo, dizem aliados, terá que fazer uma caçada pública. O foco do petista é permanecer na dianteira das pesquisas para dramatizar ainda mais o movimento. O caminho do enfrentamento político a uma decisão judicial ganhou força e se tornou unânime após parecer do professor Luiz Fernando Casagrande Pereira, […]
04/11/2017

Atenção Luciano Huck: não entre não, que é fria…

Por: Vandeck Santiago O repórter da TV Globo Francisco José poderia ter sido, numa projeção otimista, prefeito do Recife, ou então, em projeção pessimista, pelo menos candidato. Ele foi convidado para disputar a eleição por um dos grandes partidos do estado na época, mas recusou. Isso aconteceu em 1988, e a história me foi contada pouco tempo depois do convite pelo deputado líder do partido que o queria no palanque. Ele já era um repórter nacionalmente reconhecido, e protagonizara um ano antes, em 25 de setembro de 1987, um episódio marcante: durante assalto a uma agência do Banco Econômico, em Boa Viagem, os assaltantes fizeram reféns, entre os quais uma mulher grávida. Ele se ofereceu para ficar no lugar dela. Os bandidos aceitaram a troca na hora. Há uma cena assustadora do ato: os assaltantes saindo encapuzados da agência, de armas em punho, empurrando os reféns, Francisco José à frente. […]