01/05/2018

Eleições com 13,7 milhões de desempregados…

Bruno Boghossian – Folha de S.Paulo A manutenção de níveis elevados de desemprego e a criação de vagas com baixa remuneração refletem o marasmo de uma economia hesitante. As crises políticas que paralisaram o governo Michel Temer e a incerteza sobre o receituário que emergirá das urnas em outubro adiaram investimentos que poderiam consolidar o ciclo de recuperação de renda e de vagas de trabalho. A trajetória vacilante das taxas de emprego será ponto central da eleição. Do eclético rol de presidenciáveis que se apresentaram até agora, emergem mais dúvidas do que indícios claros sobre a política econômica que estará em vigor em janeiro de 2019, com impacto sobre o trabalho e o rendimento dos eleitores. Qual será a política de valorização do salário mínimo de Jair Bolsonaro (PSL)? Ciro Gomes (PDT) revogará a reforma trabalhista? Joaquim Barbosa (PSB) conquistará a confiança de setores que geram empregos? Geraldo Alckmin (PSDB) ampliará investimentos para recuperar contratações na construção civil? As […]
30/03/2018

Desemprego chega a 12,6% e Brasil tem 13,1 mi de desocupados…

A taxa de desemprego no trimestre entre dezembro e fevereiro ficou em 12,6%, um aumento de 0,6 ponto percentual em relação ao trimestre de setembro a novembro de 2017, quando era de 12,0%, de acordo com a PNAD Contínua, divulgada nesta quinta-feira (29) pelo IBGE.  Na comparação com o mesmo período (dezembro de 2016 e fevereiro de 2017) houve queda de 0,6 ponto percentual. A população desocupada no período foi de 13,1 milhões, 4,4% a mais do que no trimestre anterior. O acréscimo foi de 550 mil pessoas. A população ocupada (91,1 milhões) recuou (-0,9% ou menos 858 mil pessoas) em relação ao trimestre anterior. Em relação ao mesmo trimestre de 2017, também houve redução (-2,0% ou menos 1,7 milhão de pessoas ocupadas). (Agência Brasil)
01/11/2017

Desemprego recua para 12,4% em setembro, a menor taxa do ano…

O desemprego ficou em 12,4% no trimestre encerrado em setembro – a menor taxa do ano, segundo dados da Pnad Contínua, divulgados nesta terça-feira (30) pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Em relação ao trimestre anterior, de abril a junho, quando o índice ficou em 13%, a queda foi de 0,6 ponto percentual. Já na comparação com o mesmo trimestre de 2016, quando a taxa chegou a 11,8%, houve alta, também de 0,6 ponto percentual. Em setembro, a população desocupada foi registrada entre 13 milhões de pessoas. O número representa uma queda de 3,9% em relação ao trimestre anterior. Frente ao mesmo trimestre do ano anterior, o número de desocupados subiu 7,8%. Com a queda do desemprego, a população ocupada aumentou e chegou a 91,3 milhões, uma alta de 1,2% em relação ao trimestre anterior e de 1,6% sobre 2016. (G1)
29/12/2016

Desemprego fica em 11,9% no trimestre encerrado em novembro…

O desemprego ficou em 11,9% no trimestre encerrado em novembro, segundo dados divulgados nesta quinta-feira (29) pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), por meio da pesquisa Pnad Contínua. Essa taxa é a mais elevada desde o início de toda a série histórica, que teve início em 2012. No mesmo trimestre de 2015, o índice havia ficado em 9%. O número de pessoas desocupadas nesse período, de setembro a novembro, chegou a 12,1 milhões de pessoas, o maior contingente da série histórica. O aumento em relação ao mesmo trimestre do ano anterior é de 33,1%. Já a população ocupada foi estimada em 90,2 milhões – uma redução de 2,1% em comparação com o trimestre de setembro a novembro de 2015. As baixas partiram da agricultura, pecuária, produção florestal, pesca e agricultura, -4,7% (-438 mil pessoas), indústria geral, -8,2% (-1,0 milhão de pessoas), construção, -9,0% (-702 mil pessoas), informação, comunicação […]
05/06/2016

Desemprego em Pernambuco chega a 13,3% no primeiro trimestre…

A procura por emprego vem crescendo no Grande Recife. Os dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE)mostram que o desemprego em Pernambuco ficou em 13,3% no primeiro trimestre deste ano. No mesmo período do ano passado, era de 8,2%. O estado está na terceira posição no Nordeste – as maiores taxas estão na Bahia e Rio Grande do Norte. Aproximadamente 550 pessoas procuram, diariamente, a Agência do Trabalho da Rua da Aurora, no Recife, em busca de emprego. Atualmente, a oferta tem sido de 50 vagas por dia – há três anos, chegaram a ser 1.500 por dia, uma redução significativa de oportunidades de emprego. Mesmo com menos vagas, vale a pena procurar uma Agência do Trabalho – qualquer uma das 29 unidades da que é mantida pelo governo de Pernambuco em todo o estado. “É importante a pessoa estar cadastrada na Agência do Trabalho, traz inúmeros benefícios […]
02/05/2016

Aécio Neves e Marina Silva criticam desemprego no governo Dilma…

Os dois principais concorrentes da presidenta Dilma Rousseff no primeiro turno das eleições presidenciais de 2014, Marina Silva e Aécio Neves usaram as redes sociais ontem (1°), quando foi celebrado o Dia do Trabalho, para criticar o aumento do desemprego no país. Aécio, senador e presidente nacional do PSDB, disse se solidarizar com os brasileiros desempregados. “Minha homenagem aos trabalhadores brasileiros. Lembrando que mais de 10 milhões perderam seus empregos em razão de uma política econômica que levou o país ao fundo do poço. É com esperança e reconhecimento que me solidarizo com cada um deles”, afirmou. Continua…
20/04/2016

País tem corte de 1,172 milhão de empregos no período de um ano, diz IBGE…

O País registrou ainda um corte de 1,172 milhão de postos de trabalho no período de um ano. A população ocupada ficou em 91,134 milhões de pessoas no trimestre encerrado em fevereiro de 2016, recuo de 1,3% ante o trimestre encerrado em fevereiro do ano passado. Os dados são da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua (Pnad Contínua), divulgados nesta quarta-feira (20), pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Após sucessivos cortes de vagas, a população ocupada volta ao patamar de meados de 2013, ressalta Cimar Azeredo, coordenador de Trabalho e Rendimento do IBGE. “A queda na população ocupada foi extremamente agressiva. Várias pessoas perderam emprego. Além dos trabalhadores que foram contratados temporariamente, o corte foi adiante. Pessoas que estavam efetivamente empregadas perderam o trabalho”, apontou Azeredo. Ao mesmo tempo, a população em idade de trabalhar aumentou 1% em um ano, 1,625 milhões de indivíduos a mais. Já […]
08/03/2016

Mulheres são as mais afetadas pelo desemprego no Brasil…

As mulheres fecharam 2015 como as mais afetadas pelo aumento do desemprego no Brasil, as informações foram divulgadas pelo IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística). A última PNAD (Pesquisa Nacional de Domicílios) apontou que 4,6 milhões de brasileiras estão desempregadas, o que representa 52% do total de desocupados no País. Os números são referentes aos meses de julho a setembro de 2015. A professora Carmen Miguele, da FGV/EBAPE, relata que o desemprego maior entre as mulheres se deve ao fato dos empresários, na maioria das vezes, pensarem a curto prazo. — Pensam sempre em como reduzir custos e nunca em gerar valor. Como as mulheres têm mais chance de sair licença maternidade e têm que equilibrar a jornada dupla, na hora de um aperto ou crise econômica as empresas preferem demitir mulheres. Miguele também relata que o desemprego feminino tem que ser olhado dentro de um espectro maior. — […]
17/01/2016

Os reflexos do desemprego…

O último emprego com carteira assinada de Alexandre Dias – 37 anos, pai de dois filhos – foi de motoboy, no ano passado. “Aí atrasaram os pagamentos e eu saí em janeiro. Ainda tentei botar currículo, mas não estão pegando ninguém, só botando pra fora”, conta. Ele não é só parte das estatísticas de demissões, mas também de seus reflexos: dados da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (Pnad) Contínua, divulgados nesta sexta-feira (16) pelo IBGE, mostram que 9,1 milhões de pessoas procuraram e não conseguiram emprego no trimestre encerrado em outubro de 2015. Dono de um carrinho de pastéis no Centro do Recife, Alexandre também se encaixa em outros números da Pnad, que mostram a taxa de informalidade em crescimento, alcançando 45,1% no terceiro trimestre de 2015. Considerados entre os mais consistentes indicadores de desemprego do País, os dados da Pnad são os mais abrangentes, incluindo cerca de 3.500 […]