12/07/2018

MDB nacional pede urgência ao STF sobre conflito em PE…

No início da tarde de ontem, o MDB nacional protocolou, no Supremo Tribunal Federal (STF), pedido de “Tutela Provisória Incidental”, baseado no prazo para realização de convenções partidárias (entre os dias 20 de julho a 5 de agosto). Em outras palavras, a sigla faz alerta ao STF em relação ao risco do “perecimento do direito postulado” no caso da disputa pelo comando do MDB pernambucano. No Estado, a legenda segue presidida pelo vice-governador Raul Henry, mediante liminar do ministro Ricardo Lewandowski. O documento protocolado ontem adverte para a “urgência na análise e no deferimento do presente pedido”, considerando o prazo para definição de candidatos e formação de coligações. “Em resumo, o fato de haver datas legalmente estabelecidas para a realização das convenções partidárias – a partir de 20/07/2018 – torna ainda mais urgente a prestação jurisdicional que encerre os litígios no STF e no TSE, de maneira que os processos […]
19/05/2016

Waldir Maranhão terceiriza comando da Câmara…

Folha de São Paulo Na primeira sessão de votação após o afastamento de Eduardo Cunha (PMDB-RJ) da presidência da Câmara dos Deputados, o interino Waldir Maranhão (PP-MA) terceirizou o comando do plenário a outro deputado e acabou sendo novamente alvo de ataques. O até então aliado Silvio Costa (PTdoB-PE) cobrou, na tribuna, a sua presença: “Honre as calças que você veste!”  Maranhão havia presidido a sessão de debates do dia anterior, mas acabou a encerrando sob gritos de “fora, fora, fora”, puxados por DEM e PSDB, que querem novas eleições para o comando da Câmara. Considerado por adversários e aliados como uma pessoa fraca política e administrativamente, que não conseguiria comandar uma sessão importante de votação, Maranhão fechou acordo com o “centrão” para terceirizar a presidência da Casa, nas votações, ao segundo-vice, Giacobo (PR-PR). Em troca, esses partidos (PP, PR, PTB, PSD, entre outros) apoiariam sua manutenção no cargo. Cunha […]
16/10/2014

Brasília intervém e toma comando do PR de Inocêncio…

Na radicalização do segundo turno da sucessão presidencial, o Partido Republicano (PR), atrelado à reeleição da presidente Dilma, deu uma demonstração, há pouco, de que não aceitará dissidências e interviu no diretório estadual. O deputado Inocêncio Oliveira foi destituido da presidência estadual, que sofreu intervenção federal. O novo presidente é o deputado federal Anderson Ferreira. (Magno Martins)
18/03/2014

Bruno Araújo assume o comando do PSDB em Pernambuco…

O PSDB de Pernambuco realizou a primeira reunião da executiva estadual, após a morte do deputado federal Sérgio Guerra, ontem (17).  Como era esperado, o partido oficializou o deputado federal Bruno Araújo na presidência estadual do partido. Para Bruno, o mais importante nessa “nova fase” do PSDB é a demonstração de unidade que o partido dá, mantendo o entendimento político com o PSB do governador Eduardo Campos, feito pelo ex-presidente da legenda, deputado federal Sérgio Guerra. “Temos que zelar pelo entendimento político que foi feito pelo deputado Sérgio Guerra, e concluído pelo presidente nacional Aécio Neves, que gerou a aliança política do PSDB com o PSB do governador Eduardo Campos. Vamos manter esse diálogo que foi iniciado pelo deputado Sérgio Guerra”, assegurou o novo presidente estadual do PSDB.  A nova executiva decidiu, ainda, criar um colegiado político formado pelo presidente Bruno Araújo, pelo primeiro vice, deputado estadual Daniel Coelho, pelo deputado estadual […]
16/03/2014

PT quer comandar Planalto, Câmara e Senado em 2015…

O PT acha que pode conseguir, em 2015, continuar a ter a Presidência da República, com Dilma Rousseff. Mas também acha que chegou a hora de ter as presidências da Câmara e do Senado. Na Câmara, é mais fácil. Os petistas já têm a maior bancada. Devem chegar perto de 100 cadeiras em 2015. No Senado é um pouco mais difícil. Hoje, o PT tem 13 senadores contras 20 do PMDB. Mas 7 peemedebistas precisam renovar seus mandatos em outubro. Entre os petistas, só 3 terão de enfrentar as urnas. Se der certo esse o plano de hegemonia petista (coluna na Folha deste sábado, 15.mar.2014)  será a primeira vez que um único partido chega a esse nível de poder desde o final dos anos 80, quando o PMDB dominava soberano a política brasileira.