Hoje:
03/03/2022
Opinião: O desafio de Marília Arraes fora do PT
03/03/2022

Sergio Moro vive dilema eleitoral e pode desistir de projeto presidencial 

Foto: Poder360/Divulgação

Blog Edmar Lyra – Juiz da Lava-Jato responsável pela prisão de Lula e de outros envolvidos nos escândalos de corrupção da Petrobras, Sergio Moro deixou a magistratura para ingressar na política ao aceitar o convite do então presidente eleito Jair Bolsonaro para assumir o ministério da Justiça e Segurança Pública. A divergência de posicionamentos entre o presidente e o ministro se fez presente e em abril de 2020, Moro deixou o ministério. A notícia caiu como uma bomba no meio político e havia forte expectativa de como seria o futuro do governo Jair Bolsonaro sem um de seus principais ministros.
Moro, por sua vez, seguiu em rota de colisão com o ex-chefe com críticas ao presidente que culminariam na sua filiação ao Podemos em novembro do ano passado e consequentemente na sua colocação como pré-candidato a presidente da República nas eleições deste ano. Moro já figurava em levantamentos anteriores e seguiu nas últimas pesquisas que mostraram um desempenho pífio, de esperança da terceira via, passou a ser um fardo no sentido de quebrar a polarização instituída entre Lula e Jair Bolsonaro, líderes absolutos de todos os levantamentos.
Filiado a um partido nanico e sem estrutura política e eleitoral, Sergio Moro já é visto como alguém que pode desistir da postulação, ora por falta de votos, ora pela necessidade de disputar um mandato com reais chances de vitória. De pré-candidato à presidência com pompa de nome competitivo, Moro poderá ter que se contentar com um mandato de deputado federal pelo Paraná.
O ex-juiz da Lava-Jato, que emergiu como uma espécie de herói nacional viu que sua decisão de largar a magistratura para ingressar na política foi um equívoco histórico, contribuindo  diretamente para a reabilitação dos direitos políticos do ex-presidente Lula, e se achou que implodiria o governo Jair Bolsonaro com a sua saída, o tempo mostrou que Bolsonaro permanece como único adversário capaz de evitar uma volta de Lula e do PT ao Palácio do Planalto, relegando a Sergio Moro o papel de coadjuvante e a consolidação da sua parcialidade ao condenar Lula e depois ingressar na política.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.