Arquivo Fotográfico
15/06/2022
Irmãos confessam assassinato de Bruno Pereira e Dom Phillips na Amazônia, dizem fontes da PF
15/06/2022

Sem acordo, PT e PSB adiam decisão sobre impasses nos estados

Ainda longe de um acordo sobre palanques nos estados, as direções de PT e PSB adiaram para a próxima semana o prazo para resolver as disputas. A data-limite que havia sido estipulada em reunião com as presenças do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva e do ex-governador Geraldo Alckmin era esta quarta-feira, dia 15. As informações são do O Globo.
A presidente do PT, Gleisi Hoffmamn, disse que contaminações por Covid-19 e a viagem que Lula fará nesta quarta-feira a Uberlândia (MG) e depois ao Nordeste impediram a realização de conversas para destravar as negociações, principalmente em São Paulo. Os petistas querem que Márcio França (PSB) abra mão de concorrer no estado e apoie o ex-prefeito Fernando Haddad (PT).
“O presidente (Lula) estava com Covid e agora o Márcio (França) também pegou Covid. Iríamos fazer conversas na semana passada, mas isso impediu”, disse Gleisi.
O presidente do PSB, Carlos Siqueira, disse que, em função do feriado de Corpus Christi, foi necessário “adiar um pouco o prazo”.
Além de São Paulo, ainda há pendências para serem resolvidas entre as duas siglas no Acre, na Paraíba, no Espírito Santo, no Rio Grande do Sul, em Santa Catarina e no Rio.
“Rio Grande do Sul e Santa Catarina estão encaminhados. A bola está com eles (diretórios estaduais) para conversarem”, disse Gleisi.
Para debater a situação da eleição gaúcha, as direções do PT e do PSB locais vão se reunir nesta quarta-feira. No estado, os petistas lançaram a pré-candidatura do deputado estadual Edegar Pretto. Já o PSB aposta no ex-deputado federal Beto Albuquerque.
Em Santa Catarina, segundo Gleisi, o PT aceita abrir mão da pré-candidatura de Décio Lima se as direções estaduais decidirem que essa é a melhor solução. O PSB tem a pré-candidatura do senador Dário Berger (PSB).
No Espírito Santo, o PT aguardava um gesto do governador Renato Casagrande (PSB), que disputará a reeleição, para retirar a pré-candidatura do senador Fabiano Contarato. Na noite de segunda-feira, Casagrande, depois de muito relutar, declarou voto em Lula.
No Rio, há um impasse porque tanto o deputado Alessandro Molon (PSB) como presidente da Assembleia Legislativa, André Ceciliano (PT), querem a vaga ao Senado na chapa que terá Marcelo Feixo (PSB) como candidato a governador. Na próxima semana, Lula deve ter uma conversa com o prefeito do Rio, Eduardo Paes (PSD). Há a expectativa de que o seu partido aceite uma composição com Freixo por causa do avanço das negociações para o vereador Cesar Maia (PSDB) ser o candidato a vice. A família Maia é hoje aliada do prefeito.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.