Criança risca carro sem querer, mas deixa bilhete para o dono do veículo com telefone do pai
21/09/2020
Pesquisadores descobrem novo gênero de crustáceo e homenageiam Chico Science
21/09/2020

Quatro cientistas brasileiras criam produto para combater o envelhecimento da pele que será lançado nos EUA

G1

Todas estão na faixa dos 30 anos e são PhDs em campos do conhecimento como bioquímica, imunologia e bioinformática. Carolina Oliveira, Alessandra Zonari, Mariana Boroni e Juliana Lott de Carvalho são cientistas, pesquisadoras e empreendedoras. Em outubro, as quatro amigas lançarão, nos Estados Unidos, um produto capaz de reverter o envelhecimento da pele, fruto de anos de trabalho. Quem me conta a trajetória do quarteto é Carolina, que se mudou para San Francisco, na Califórnia, para transformar o sonho em realidade. Alessandra se juntou a ela depois do pós-doutorado em Portugal. Mariana e Juliana são, respectivamente, pesquisadoras do Inca (Instituto Nacional de Câncer) e da UnB (Universidade de Brasília), e permanecem no Brasil, de onde participam do projeto.

“O objetivo inicial era analisar a eficácia dos produtos voltados para combater o envelhecimento. Nosso trabalho seria uma prestação de serviço para checar a eficiência do que estava disponível para os consumidores. A ciência evoluiu muito nos últimos dez anos, mas a indústria cosmética não incorporou as inovações. As opções atuais são temporárias e voltadas para encobrir os efeitos do envelhecimento, não tratam das causas. Algumas são até intervenções invasivas que podem ter efeitos colaterais. Isso nos fez abandonar a ideia de analisar o que havia no mercado e investir na criação do nosso próprio produto”, diz.

Numa primeira etapa, desenvolveram um algoritmo capaz de medir a idade da pele, testado em centenas de amostras. Na fase seguinte, criaram o OS-1, um peptídeo, que é uma biomolécula composta de aminoácidos. Nos testes clínicos, o OS-1 aumentou a espessura da epiderme, melhorou sua elasticidade e textura, e reduziu a quantidade de células senescentes numa proporção entre 25% e 40%. “Diminuímos a idade molecular da pele sem efeitos colaterais. Podemos identificar a sua idade e quanto rejuvenesceu, é o DNA que está dizendo, e não o marketing”, enfatiza. O mais bonito disso tudo: o peptídeo tem potencial para ser aplicado em outros tecidos, com a mesma finalidade. O suplemento tópico OS-1 da OneSkin, nome da empresa das cientistas, será lançado primeiro nos EUA, mas elas têm planos de levá-lo para outros países, inclusive o Brasil.

Foi em 2016 que conseguiram o apoio da IndieBio, uma aceleradora de empresas iniciantes. “No Brasil, ainda há pouco interesse na área da biotecnologia, e aqui tivemos acesso a uma rede de mentores e investidores”, explica Carolina, acrescentando que a pele, o maior órgão do corpo, não tem o espaço que merece nas pesquisas: “trata-se de uma barreira natural contra infecções e agressões do meio ambiente, inclusive a poluição. É um componente vital para a saúde e a longevidade, mas vai ficando mais sujeita a doenças, como psoríase, eczemas e câncer. O acúmulo de células senescentes na pele nos levou a formular uma hipótese audaciosa: será que a sua deterioração não teria influência no nível de inflação do corpo, já que a barreira de proteção diminui? Nesse caso, um produto capaz de reverter seu envelhecimento poderia beneficiar o organismo como um todo”.

Como este blog abordou em diversas ocasiões, a idade cronológica é marcada pela data do aniversário, mas há muito o que fazer em relação à idade biológica – justamente a proposta das pesquisadoras: “temos como modular algumas variáveis da idade biológica com exercício, alimentação adequada e sono de qualidade, por exemplo. Nosso suplemento tópico vai auxiliar a retardar o processo de envelhecimento, que não deve ser encarado como um limitador para as pessoas terem uma vida plena de significado. Também queremos inspirar meninas a seguir o caminho da ciência e mostrar que cientistas podem, sim, empreender”, finaliza Carolina. Nada como uma história bacana como essa para animar o domingo!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.