Última parcela do IPVA de veículos com placas terminadas em 5 e 6 vence nesta quarta-feira (dia 20)
19/04/2022
Fragmento Bíblico
19/04/2022

PT estanca crise com Solidariedade e garante apoio do partido

Por Vinicius Doria – Correio Braziliense – O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva e a presidente do PT, Gleisi Hoffmann, reuniram-se nesta terça-feira (19) com Paulinho da Força, que preside o Solidariedade, para pôr fim à crise entre os dois partidos. A reunião ocorreu no Instituto Lula, em São Paulo.
“Infelizmente, aconteceu um fato que a gente lamenta, e não tem absolutamente nada a ver com o Partido dos Trabalhadores, nem com a nossa militância. Eu disse ao Paulinho que foi algo muito localizado”, disse Gleisi, em coletiva, após o encontro.
O estranhamento ocorreu na última quinta-feira (14) durante encontro de centrais sindicais em São Paulo. No evento, Paulinho foi vaiado mais de uma vez ao ter seu nome mencionado nos discursos, e atribuiu os atos a militantes do PT.
“Dentro do que a gente tinha de esperança, aqui, dessa conversa com a Gleisi e com o Lula, [o estranhamento] foi superado. O Lula realmente quer fazer uma grande aliança para ganhar essa eleição”, disse Paulinho.
Ele anunciou ainda que o encontro da Executiva Nacional do Solidariedade — cancelado após as vaias — para oficializar o apoio da legenda a Lula está novamente de pé e ocorrerá no próximo dia 3 de maio.
Articulador importante
Paulinho da Força, que também exerce o cargo de deputado federal, é visto como uma peça-chave para a articulação de uma frente ampla de apoio à candidatura de Lula. Ele afirmou ontem que esse trabalho já estava sendo feito antes da crise e será retomado agora.
“Acho que tem muitos partidos que ainda estão na dúvida. O MDB tem candidatura própria, mas tem um conjunto de companheiros lá dentro que gostariam de apoiar o Lula”, disse Paulinho na coletiva. “É possível, então, conversar com o [presidente do PSD, Gilberto] Kassab, com o Baleia [Rossi], com o Avante”, avalia.
Paulinho alertou ainda que, apesar da liderança de Lula, a eleição não pode ser considerada ganha. “O governo não está morto. O governo é igual cobre, até morto é perigoso. É preciso, então, que todo mundo entenda isso. Dentro do PT, dentro dos partidos, que entendam que para a gente ganhar a eleição, é preciso todo mundo.”

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.