João Alfredo: ecos do dia 10 de outubro de 2021
11/10/2021
Malafaia diz que vai expor dois ministros de Bolsonaro
11/10/2021

Partidos de esquerda buscam o rumo eleitoral em 2022

Foto: Ciro Gomes/Twitter

Correio Braziliense
Os partidos de esquerda começam a se articular para as eleições de 2022. As lideranças políticas defendem a ampla união das frentes para derrotar o presidente Jair Bolsonaro no próximo pleito. Os desafios estão em evitar a pulverização da esquerda e escolher um nome forte para ser eleito. Reconhecer o “fator Lula” também é debatido entre as lideranças. O petista figura, atualmente, como o principal adversário de Bolsonaro e favorito para ganhar as próximas eleições. Uma pesquisa Quest/Genial divulgada na última semana mostra que o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, em todos os cenários testados para primeiro turno, aparece na liderança com larga vantagem para o segundo colocado, Bolsonaro.
Ao mesmo tempo, a volta de Lula à cena política reposiciona a oposição ao governo atual, enquanto partidos alinhados ao Planalto também foram levados a refletir sobre o novo cenário. Apesar do favoritismo, o ex-presidente ainda não se declarou oficialmente como candidato à Presidência. “É um processo ainda em construção. Nem o próprio PT afirma categoricamente que Lula será candidato. Até porque, quando você se coloca já nessa posição, como o Ciro Gomes está fazendo e o Bolsonaro também, você passa a ser alvo de ataques da direita e da esquerda e até do seu próprio partido”, observa o sociólogo Lejeune Mirhan.
Para o deputado federal Ivan Valente (PSol-SP), os partidos de esquerda têm um só objetivo: tirar Bolsonaro do poder. “É preciso derrotá-lo da maneira mais eficiente possível”, reitera o parlamentar. Valente, que é um dos fundadores do PT, não descarta apoiar uma eventual candidatura de Lula. “O PSol, desde a sua fundação, em 2005, sempre teve candidato próprio. Então, é a primeira vez que deixamos em aberta essa questão. Pode ser o Lula, sim, porque é o candidato mais competitivo neste momento”, declara.
Ivan Valente acredita na união dos partidos de esquerda e defende equilíbrio de interesses das lideranças. “O PT tem que ter a sabedoria de entender que os outros partidos têm as suas aspirações, os seus projetos e que querem derrotar o Bolsonaro também”, pondera.
Na avaliação da deputada federal Alice Portugal (PCdoB-BA), a esquerda se dividiu na eleição de 2018 porque não esperava o modo de Jair Bolsonaro governar. “Tínhamos expectativa ainda de convivermos com a normalidade democrática. Mas o país se transformou em negacionismo, ataques à democracia e às instituições. Eu creio que a estratégia da esquerda será a busca pela máxima unidade”, ressalta.
No entanto, oficialmente, as lideranças ainda não bateram o martelo para a escolha de apenas um nome. “Os partidos já têm candidatos explícitos. O PDT, por exemplo, está apostando na candidatura do Ciro Gomes e fechando alianças. O PCdoB também participou de uma densa reunião com o ex-presidente Lula e a direção do PT, em que discutimos a realidade nacional e as expectativas. E acho que, sim, tem grandes chances de uma aliança”, afirma.
Pulverização
Em 2018, vários candidatos da esquerda se candidataram à Presidência da República. Fernando Haddad (PT) disputou o segundo turno contra Jair Bolsonaro e teve 44% dos votos válidos. Guilherme Boulos (PSol), líder do Movimento dos Trabalhadores Sem Teto (MTST), também concorreu e teve 0,58% do total. Na mesma disputa, Ciro Gomes (PDT) conquistou uma parte da esquerda e terminou o primeiro turno em terceiro lugar, com mais de 13 milhões de votos.
Agora, como pré-candidato, Ciro Gomes ainda não discutiu alianças com o PT e outros partidos de esquerda. A expectativa é de que ele se una às lideranças em um eventual segundo turno. Para o cientista político Sérgio Praça, da Fundação Getulio Vargas (FGV), a esquerda deve se dividir novamente na busca pela Presidência. “Duas candidaturas estão dadas: a do Lula e a do Ciro. Acho muito improvável que o Ciro desista de ser candidato, porque ele vai ter algo em torno de 5% a 15%. Como ele foi candidato várias vezes, tem muito eleitorado, e é um candidato minimamente sólido, acho bastante improvável que ele desista para apoiar o Lula”, ressalta.
Nas últimas eleições, o PSB adotou postura de neutralidade, assumindo apoio ao então presidenciável Fernando Haddad somente no segundo turno, quando Bolsonaro liderava pesquisas. O senador Humberto Costa (PT-PE) afirma que tudo tem encaminhado para uma união entre os partidos. “Tem encaminhado bem uma unidade entre PT, PSB, PCdoB. Não sei como está o PSol, mas, ao que tudo indica, deverá encaminhar a esse possível entendimento no primeiro turno”, destaca. “No segundo turno, eu creio que o PDT também poderá apoiar uma eventual candidatura de Lula. E se tiver Ciro para o segundo turno e o PT não for, podemos apoiar”, declara.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.