Mourão: maratona de entrevistas mesmo pressionado por discrição…
02/02/2019
A ascensão meteórica de Eriberto Medeiros…
02/02/2019

Opinião: Saber ouvir é mais saber (Peninha)…

Uma das maiores lições que recebi na minha vida foi do prof. Rinaldo da FACAL, lecionava Recursos Humanos e devido a sua paciência, eu ironicamente o apelidei de The Flash.

Certo dia, eu e minha inquietude, estava daquele jeito: falava aqui, falava ali, perturbava com um com outro, até que o professor Rinaldo olha pra mim e fala:

– Benízio! Você vai sentar e ficar dois minutos calado; se você abrir a boca irá se retirar da sala de aula.

Passado alguns segundos, levantei a mão e disse:

– Professor! Desculpe, mas eu não aguento não, deixe eu sair da sala.

Ele parou a aula e olhou pra mim e mandou o maior cascudinho que recebi:

– Benízio! Deus nos deu o dom da fala para a gente se comunicar e não simplesmente falar.

– Os animais por exemplo, não falam, mas se comunicam.

Confesso meu amigo que se tivesse um buraco ali naquele momento eu teria socado a cabeça.

Que vergonha!

Hoje eu agradeço a ele por essa lição, confesso que ainda estou muuuuito longe do que pretendo chegar, mas graças ao professor Rinaldo comecei a ver a comunicação por outra ótica.

Mais tarde noutro curso aprendi que quem controla a conversa é quem ouve e não quem fala.

Quando nossos pais estão mandando aquele sermão o que é que a gente faz?

Liga o ouvido no piloto automático e passamos a escutar. Dou um doce se depois de terminar o sermão você lembrar de uma palavra sequer.

Eis aí a diferença entre ESCUTAR x OUVIR.

Por outro lado, temos passagens de vida da infância que ainda recordamos até com as pausas, o que ouvimos.

Atualmente nosso mundo vive carente de “Escutatória”.

Todo mundo quer falar, mas ouvir que é bom nada!

Ao sermos abordado por um amigo, um colega que quer desabafar um problema, dividir um assunto, começamos a escutar, na primeira oportunidade o interrompemos e já mandamos nossa opinião.

Gente! O cara nos chamou para simplesmente o “ouvir”, em momento algum ele pediu opinião.

No fundo, isso nada mais é do que nossa arrogância, egoísmo e orgulho, nossa dificuldade de ser solidário, fraterno e aceitar toda diversidade que existe no mundo.

Nos achamos o “modelo ideal para salvação da humanidade”, e tudo isso pode ser resumido numa simples palavrinha: egoísmo.

Ouvir é virtude de poucos, mas eu chego lá.

Silêncio é terreno povoado por poucos e desconhecido por muitos.

Há quem diga que o silêncio é sinônimo de nada, mero engano.

Pare e reflita: ocupar o silêncio com tudo, sempre, não seria de certa forma uma fuga?

Um ato de covardia, um medo de saber quem realmente somos?

Fica a provocação.

Sugiro aqui o texto do escritor mineiro Rubens Alves: A Escutatória.

Viva a arte de ouvir!

Viva Peninha!

Viva Rubem Alves!

Viva Alberto Caeiro! Viva Joanna de Ângelis!

Viva Deus!

Benízio Elias Filho – Duy

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.