André de Paula se consolida para o Senado
05/04/2022
Lula sobre as eleições: ‘Não é uma guerra que está ganha’
05/04/2022

Opinião: Os desafios da postulação de Marília Arraes 

Foto: Ricardo Stuckert/Divulgação

Por Edmar Lyra – A deputada federal Marília Arraes deixou o PT para ingressar no pequeno Solidariedade e consequentemente colocar-se na disputa pelo Palácio do Campo das Princesas. Com o término do prazo de filiações não levou nenhum deputado federal de mandato para o seu partido, e conquistou Gustavo Gouveia, Fabíola Cabral, Fabrizio Ferraz e Wanderson Florêncio, tirando o partido do zero na Alepe e levando para quatro representantes. Sendo duas baixas no palanque de Danilo Cabral e duas no palanque de Miguel Coelho.
Apesar do furor em relação a Marília, é precipitado fazer qualquer comparação entre o projeto da pré-candidata do Solidariedade e o do seu primo Eduardo Campos em 2006. Ambos são netos de Miguel Arraes, mas o caminho percorrido pelos dois é completamente distinto. Eduardo tinha sido deputado estadual, secretário da Fazenda, deputado federal por três mandatos, presidente nacional do PSB e ministro da Ciência e Tecnologia. Uma vasta experiência que o credenciava para a disputa.
Apesar de ter entrado como azarão naquela ocasião, Eduardo teve o apoio de PSB, PDT, PP, PL e PSC na época, e de nomes como Guilherme Uchoa, Fernando Lyra, João Lyra Neto, José Queiroz, Inocêncio Oliveira, Eduardo da Fonte, Fernando Bezerra Coelho e outros com grande capacidade política para alavancar seu projeto. Eduardo era o queridinho de Lula, enquanto Marília é tida pelo ex-presidente como alguém que não merece seu apoio nem sua confiança.
Diferentemente de Eduardo, que fez uma elogiada passagem pelo ministério da Ciência e Tecnologia, a única experiência administrativa de Marília Arraes no executivo foi como secretária de Juventude da primeira gestão de Geraldo Julio, cuja passagem até hoje foi bastante criticada por não ter dado conta de uma pasta sem muita relevância nem muitos problemas para gerir. A própria disputa pela prefeitura do Recife, protagonizada por ela e seu primo João Campos, denotou pouca capacidade de debater os problemas do Recife, tanto que João mesmo sendo bem mais jovem que a prima, foi mais convincente nos debates e ganhou a eleição. Marília indiscutivelmente tem a grife de Arraes para alavancá-la, mas isso não é suficiente para lhe manter em rota de crescimento e competitividade a ponto de se tornar pule de dez para ganhar a eleição como alguns pensam.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.