Em pleito indireto, aliado de Lula e Renan é eleito governador de Alagoas
16/05/2022
Arquivo Fotográfico
16/05/2022

Opinião: Disputa pelo Senado começa a ganhar forma com os nomes colocados 

Por Edmar Lyra – Um cargo importante, o de senador da República, tem uma grande atipicidade na disputa deste ano, uma vez que o atual ocupante do posto, Fernando Bezerra Coelho (MDB), não tentará a reeleição, e um nome natural, o governador Paulo Câmara (PSB), decidiu permanecer no cargo até 31 de dezembro e ficou de fora da disputa.
Ontem o PT realizou uma plenária para anunciar a oficialização da deputada estadual Teresa Leitão para disputar a vaga na chapa encabeçada pelo deputado federal Danilo Cabral, nome do PSB e da Frente Popular para disputar o governo de Pernambuco. Nesta segunda-feira será a vez do PSD selar a aliança com o Solidariedade e anunciar a pré-candidatura de André de Paula ao Senado na chapa encabeçada por Marília Arraes.
André e Teresa se juntam ao ex-ministro do Turismo, Gilson Machado Neto, nome do PL e do presidente Jair Bolsonaro para disputar o Senado na chapa encabeçada pelo ex-prefeito de Jaboatão, Anderson Ferreira. As chapas, portanto, começam a ter as duas vagas principais ocupadas, ficando somente Raquel Lyra (PSDB) e Miguel Coelho (União Brasil) sem os respectivos nomes para a composição, aguardando então se eles se unirão com Miguel encabeçando e Raquel disputando o Senado ou o clã Coelho indicará o deputado Fernando Filho para a Câmara Alta numa chapa encabeçada por Raquel. Apesar de ser o pior cenário, não se descarta a permanência de ambos no páreo, o que exigiria a entrada de outros nomes para completar o Senado.
Historicamente Pernambuco desde a redemocratização elegeu os senadores dos candidatos a governador que foram eleitos, com a exceção de 1994 quando Carlos Wilson acabou eleito mesmo estando em outra chapa do vitorioso Miguel Arraes para o governo, já na eleição de 2006, mais votado do primeiro turno, o então governador Mendonça Filho, viu seu companheiro Jarbas Vasconcelos ser eleito para o Senado em sua chapa, mas acabou derrotado na segunda etapa para Eduardo Campos. Por isso há forte expectativa sobre quem terá mais votos no primeiro turno para governador, que poderá alavancar o senador de sua chapa no chamado voto casado.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.