Fenearte abre inscrições para artesãos na edição de 2021
17/12/2020
João Alfredo: Ecos da solenidade de diplomação dos eleitos em 2020
17/12/2020

Ministério da Saúde quer concluir vacinação até o 1º semestre de 2022

AB

O Ministério da Saúde espera imunizar todos os brasileiros do grupo de maior risco para a covid-19 até o final do 1º semestre de 2021. A vacinação da população em geral será concluída nos 12 meses seguintes. Não foram estipulados o dia de início da vacinação ou a vacina que será usada.

As informações constam no Plano Nacional de Operacionalização contra a covid-19, apresentado  nesta 4ª feira (16.dez.2020). O documento diz que os prazos dependem “do quantitativo de imunobiológico disponibilizado para uso”. Eis a íntegra (10 MB).

O plano, de 110 páginas, lista 13 vacinas que estão na 3ª e última fase de estudos e que podem ser aprovadas para aplicação em massa no Brasil. Nesse rol está a CoronaVac, vacina da farmacêutica chinesa Sinovac desenvolvida em parceria com o Instituto Butantan, de São Paulo. O imunizante é aposta do governador João Doria (PSDB), adversário político de Bolsonaro, para começar a vacinar a população paulista em 25 de janeiro.

No fim de outubro, o Ministério da Saúde informou que compraria 46 milhões de doses da CoronaVac. O protocolo de intenções que estabelece as condições da compra foi assinado pelo ministro Eduardo Pazuello. Um dia depois, no entanto, o presidente Jair Bolsonaro decidiu cancelar o acordo.

Eis a lista completa de laboratórios que desenvolvem as 13 vacinas listadas no plano nacional (na ordem em que aparecem no documento):

  1. Sinovac (China);

  2. Instituto de Biologia de Wuhan (China);

  3. Instituto de Produtos Biológicos de Pequim (China);

  4. Novavax (EUA);

  5. CanSino (China);

  6. Janssen (Bélgica);

  7. AstraZeneca/Oxford (Suécia e Reino Unido);

  8. Instituto Gamaleya (Rússia);

  9. Pfizer/BionTech (EUA e Alemanha);

  10. Moderna (EUA);

  11. Anhui Zhifei Longcom Biopharmaceutical (China);

  12. Bharat Biotech (Índia); e

  13. Medicago Inc. (Canadá).

O Ministério da Saúde já havia divulgado no sábado (12.dez) um plano de imunização, mas sem estipular datas. No dia seguinte, foi intimado pelo STF (Supremo Tribunal Federal) a informar um cronograma detalhado de vacinação.

O documento divulgado nesta 4ª feira prevê que os cidadãos assinem um termo de consentimento para receberem a vacina: “Está prevista a exigência de que os pacientes, ao serem vacinados com vacinas aprovadas para uso emergencial, deverão preencher um termo de consentimento livre e esclarecido, o qual deve estar complementado com os dados específicos da vacina objeto de autorização de uso emergencial. Ressalta-se que a vacinação é gratuita”, diz o texto.

A medida, que não constava na versão anterior apresentada pelo Ministério da Saúde, é defendida pelo presidente Bolsonaro. Na 3ª feira (15.dez), ele disse:

“[A vacinação] Não é obrigatória. Vocês vão ter que assinar o termo de responsabilidade se quiserem tomar. A Pfizer é bem clara no contrato: ‘Não nos responsabilizamos por efeito colateral’”. Bolsonaro também afirmou que não tomará a vacina.

Sem doses suficientes

O Ministro Eduardo Pazuello afirmou que ainda não há doses em quantidade necessária para começar a vacinação nacional, ainda que um dos imunizantes seja aprovado pela Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária):

“No Brasil, que a gente tenha conhecimento, praticamente não temos ainda vacina em quantidade considerável que a gente possa falar de distribuição. Precisamos produzir mais, precisamos ter a capacidade de controlar a ansiedade, a angústia para nós passarmos esses 45, 60 dias a partir de agora que serão fundamentais para que se concluam os processos, sejam feitos os registros, sejam produzidas as vacinas e nós iniciemos a grande campanha de vacinação”.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.