Lei que reconhece Libras como língua oficial do país completa 20 anos
24/04/2022
Apenas um em cada quatro pacientes com covid se recupera totalmente após um ano, diz estudo
24/04/2022

Lula desiste de revogação e propõe revisar a reforma trabalhista

Agência O Globo – Apesar das cobranças de partidos aliados, entre eles o próprio PT, o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva não incluirá em seu programa de governo a bandeira da revogação da reforma trabalhista.

O petista deve optar pelo caminho da “revisão” do pacote implantado no governo Michel Temer, com foco, a princípio, em três pontos principais: mudança das regras para o trabalho intermitente; garantia de direitos para profissionais que fazem entregas ou transporte de passageiros por aplicativos; e possibilidade de os sindicatos determinarem em assembleia com seus filiados as suas fontes de recursos.

Em discursos e entrevistas nos últimos meses, Lula tem deixado claro os problemas que, em sua visão, existem nas mudanças da legislação trabalhista em vigor em 2017. Ao participar de um encontro com sindicalistas no último dia 14, o petista disse não querer “voltar ao que era antes”. 
“direitos” e cita como referência mudanças implantadas na Espanha.

Lá, um dos pontos da nova legislação estabelece que os trabalhadores terão acesso a detalhes do funcionamento do algoritmo que seleciona as viagens e entregas. Hoje, no Brasil, os trabalhadores de aplicativos não estão sujeitos às leis trabalhistas.

Parte das legendas que apoiarão Lula tem preferido empunhar a bandeira da revogação da reforma. Ao aprovar a carta-programa da federação com o PCdoB e PV, no dia 13, a direção do PT trocou no texto o termo “revisão” por “revogação”. O documento foi aprovado pelas outras duas siglas e registrado na Justiça Eleitoral.
O PSOL, sigla aliada de Lula, também gostaria de ver a revogação da reforma encampada pelo petista, mas aceitou que o programa contemple a proposta de um novo projeto trabalhista, construído a partir de negociações entre empregados e patrões.
Dentro da lógica de Lula de que cabe ao governo fazer mediações entre interesses da sociedade, seria papel dos partidos da base defender uma proposta mais radical. Os representantes dos empresários se manifestariam contra, e Lula, junto a seu governo, construiria uma posição de consenso.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.