Janot se emociona e chora ao finalizar uma era no MPF…

Blog do Matheus Leitão

O procurador-geral da República, Rodrigo Janot, chorou e se emocionou ao completar 61 anos, ontem, justamente no seu último dia à frente do Ministério Público Federal. Alvo de críticas, acusações e infortúnios recentes, como as suspeitas envolvendo a delação dos executivos da JBS, Janot viveu um voo turbulento, como previsto neste espaço há dois anos, ocasião em que ele assumiu seu segundo mandato.

A saída de Janot da chefia do Ministério Público Federal não é somente o fim de uma gestão. É também o ponto final de uma Era dentro do órgão investigador. O procurador-geral é o último integrante dos “tuiuiús”, apelido dado a um grupo que, na década de 90, assim como a ave pantaneira, tinha dificuldade em levantar voo.

Os tuiuiús assumiram a liderança com Claudio Fonteles, mas também com Antonio Fernando de Souza e Roberto Gurgel, que comandaram a investigação no mensalão do PT. Na década de 1990, eles – Janot, Fonteles, Souza e Gurgel – eram a oposição a Geraldo Brindeiro, o procurador geral dos oito anos do governo Fernando Henrique Cardoso. Não assumiram cargos importantes.

Mais jovem daquele grupo, coube a Janot fazer o arremate final dos 14 anos dos tuiuiús à frente do MPF. Mais do que isso: sob a batuta dele a Operação Lava Jato, a mais importante do Brasil, atingiu lideranças históricas do país, sacudindo as estruturas do poder. Ao longo desses últimos quatro anos, Janot colecionou desafetos no mundo político e jurídico por seu estilo combativo. Entre os inimigos poderosos acumulados, destacam-se, além do presidente Michel Temer, os senadores Fernando Collor (PTC-AL) e Renan Calheiros (PMDB-AL) e o ministro do Supremo Tribunal Federal, Gilmar Mendes. O ex-presidente Lula o criticou em áudio captado pela operação que acabou se tornando público.

Continua…

Em maio, surpreendeu o país ao fechar acordo de delação premiada com os executivos do grupo J&F – holding dona do frigorífico JBS. Na ocasião, foi duramente criticado por ter negociado imunidade penal aos delatores, entre os quais Joesley Batista. Hoje, no dia do seu aniversário e no poente do mandato, contudo, Janot esteve distante das críticas, mas cercado de elogios de auxiliares. Procuradores que conduziram a Lava Jato discursaram e até entoaram um “parabéns para você”.

O aniversariante assistiu vídeos da equipe da Lava Jato em momentos chave da operação, viu depoimentos de colegas como Deltan Dallagnol, e até um apanhado da sua gestão. No evento, no qual apresentou o balanço de quatro anos, foi aplaudido de pé por cinco minutos. Vladimir Aras, chefe de cooperação internacional, exaltou, nas palavras dele, a coragem, a generosidade, a humildade e a capacidade de liderar num discurso que durou 9 minutos.

“Janot […] conduziu-nos por tempos sombrios e por entre os espinhos da estrada, sempre com sorrisos, um dito espirituoso qualquer arrancado das entranhas do Brasil, um incentivo, uma solução, sempre com coragem”, disse o auxiliar.

Discursaram também, além de Aras, os procuradores Danilo Dias, Nicolau Dino, Eduardo Pelela, braço-direito, entre outros. O procurador-geral recebeu uma placa de homenagem. Janot se emocionou, “chorou bastante” – segundo integrantes da equipe. Não só porque a Era dos Tuiuiús acabou. Mas por saber que os seus dois mandatos reservaram a ele o destino mais importante de um grupo de procuradores que um dia sonhou voar.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Powered by WordPress | Designed by: diet | Thanks to lasik, online colleges and seo