ONU celebra Dia Mundial da Higienização das Mãos
03/05/2021
Trabalhadores nascidos em fevereiro podem sacar auxílio emergencial
03/05/2021

Escrever à mão, um ato de grande valia para saúde

Marjourie Corrêa e Andressa Carolina/Folha de Pernambuco

Na correria do dia a dia, costumamos buscar e optar por soluções mais práticas. No entanto, existem alguns hábitos que, mesmo exigindo um pouco mais do nosso tempo, são muito importantes para a nossa saúde. Um deles é um ato bem simples, mas que influencia direta e positivamente no nosso cérebro: escrever à mão.
Atividade que é ensinada desde a infância, utilizar a mão para escrever parece não exigir muito esforço nosso. Mas, de acordo com neurologista Cláudio Falcão, do Hospital Jayme da Fonte, a atividade é bastante complexa do ponto de vista da atividade cerebral.
“Escrever à mão envolve vários circuitos neuronais, incluindo o tato, a motricidade, a coordenação motora, a sensibilidade e a visão. Esses circuitos apresentam efeitos diretos na memória recente, que é a gravação imediata de uma informação, e na memória secundária, que é uma gravação mais definitiva”, explicou Cláudio.
Uma pesquisa da Universidade Norueguesa de Ciência e Tecnologia apontou a relação entre a memória e a escrita à mão. Segundo o estudo, utilizar o método tradicional de copiar uma matéria – com lápis ou caneta e papel – facilita a memorização do conteúdo bem como a sua aprendizagem, tanto em crianças como também em adultos.
Benefícios da escrita à mão para o cérebro
Jornalista e tarólogo, Gustavo Teixeira Alves, 25, descobriu na escrita um poderoso método de estudo. Após anos tentando encontrar a melhor maneira de fixar um conteúdo, foi escrevendo os resumos a próprio punho, que ele conseguiu um melhor rendimento. 
“Foram tentativas e erros até encontrar o melhor método de aprender, de fato, as matérias. Já havia tentado só a leitura, depois tentei só a escuta, mas nada disso parecia suficiente. Foi quando comecei a fazer os resumos, e o processo de anotar as coisas no papel mescla a leitura e a escuta”, disse Gustavo. “Além disso, eu tenho uma memória visual mais aguçada, então quando eu escrevo, acabo visualizando o que coloquei no papel na mente, e isso ajudava a gravar e a aprender o que era preciso”, complementou.
Quem também notou os benefícios da escrita à mão foi Lin Mei Chian, artista e praticante de lettering há seis anos. “Sempre tive dificuldade com acentuação gráfica de algumas palavras, e isso tem ajudado muito no dia a dia, porque você acaba memorizando. O benefício é notório”, afirmou.
O neurologista Cláudio Falcão também disse que ainda não há uma confirmação científica que relacione a prevenção de doenças cerebrais a partir da escrita à mão. Contudo, o especialista reforça que, assim como outras atividades que estimulam o cérebro, mantendo-o saudável, a escrita ajuda a retardar o surgimento e também a minimizar a progressão de doenças, como o Alzheimer.
vida plena
#vidaplenajaymedafonte

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.