Auxílio Emergencial: Caixa credita nesta terça benefício a mais 7,6 milhões de trabalhadores
26/05/2020
PE registra mais 80 mortes e 488 novos casos de Covid-19
26/05/2020

Em troca de apoio a Bolsonaro, Centrão mira cargos no Ministério da Saúde

Correio Braziliense

presidente Jair Bolsonaro continua distribuindo cargos a partidos do Centrão em troca de apoio político para barrar um eventual processo de impeachment no Congresso. Depois de assumirem postos de chefia no Ministério da Educação e em órgãos responsáveis por obras públicas, partidos como PP e PL estão de olho em espaços estratégicos no Ministério da Saúde, um dos mais importantes da Esplanada, ainda mais durante a pandemia da covid-19.

A primeira nomeação na pasta pode sair ainda nesta semana no Diário Oficial da União (DOU). O médico Marcelo Campos Oliveira é apontado como nome de consenso entre PP e PL para assumir o comando da Secretaria de Atenção Especializada à Saúde (Saes), responsável por gerir cifras milionárias para bancar leitos em hospitais. Desde o início da pandemia, o órgão liberou R$ 911,4 milhões para custear 6.344 quartos exclusivos destinados a pacientes com covid-19 por três meses.

O comando de outra secretaria importante, a de Vigilância em Saúde (SVS), está na mira do PL, do ex-deputado Valdemar Costa Neto, condenado no mensalão. O cargo, no entanto, pode ficar com militares, que crescem no governo desde que o general Eduardo Pazuello substituiu o médico Nelson Teich, como ministro interino. No lugar da SVS, o PL pode ficar com a chefia de outras três secretarias, que já estão vagas: as de Atenção Especializada e de Atenção Primária em Saúde e a de Ciência e Tecnologia.

A cobiçada Secretaria de Vigilância em Saúde está desocupada. Foi publicada ontem a exoneração do então titular, o epidemiologista Wanderson de Oliveira, um dos técnicos que trabalhavam diretamente na elaboração de estratégias de enfrentamento à covid-19. Desde a demissão do ex-ministro Luiz Henrique Mandetta, Wanderson avisava que pediria o desligamento.

EducaçãoOntem, o Centrão encaixou um indicado do PL na Diretoria de Tecnologia e Inovação do Fundo Nacional do Desenvolvimento da Educação (FNDE) e ainda espera conseguir, nos próximos dias, outras funções estratégicas no Ministério da Educação. Assumida ontem por Paulo Roberto Aragão Ramalho, a vaga foi a segunda preenchida pelo partido no órgão desde o início do mês. A sigla também emplacou Garigham Amarante Pinto à frente da Diretoria de Ações Educacionais do Fundo.

A presidência do FNDE é outra em jogo e deve ficar com o PP. Tudo indica que o órgão passará a ser comandado por Marcelo Lopes da Ponte, atual chefe de gabinete do senador Ciro Nogueira, presidente da legenda à qual Bolsonaro foi filiado durante 13 anos. O Centrão deve conseguir espaços importantes, ainda, no Ministério do Turismo e na Companhia Nacional de Abastecimento (Conab), além das presidências do Banco do Nordeste e da Fundação Nacional de Saúde (Funasa). O último deve ficar com o PSD.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.