Representantes do Vaticano estiveram no Brasil para investigar a Afipe, liderada pelo padre Robson
24/08/2020
Convenção do PT de João Alfredo será no dia 6 de setembro
24/08/2020

Cresce o medo de uma segunda onda da pandemia no mundo

Relatives (in white) along with workers (in blue) wearing Personal Protective Equipment (PPE) help to place the body of a person who died from the COVID-19 coronavirus before cremation in a furnace at the Nigambodh Ghat cremation ground, in New Delhi on August 22, 2020. (Photo by Xavier GALIANA / AFP)

AFP

Fechamento de praias e casas de festa, máscaras obrigatórias, proibição de reuniões em massa: as restrições se tornam cada vez mais rígidas em vários países à medida em que cresce o medo de uma segunda onda da pandemia de Covid-19 e aumentam os casos na Europa e Ásia em níveis do primeiro surto. Os números não param de crescer. Desde seu surgimento na China em dezembro, a doença já deixou mais de 805.000 mortos e infectou cerca de 23,2 milhões de pessoas, segundo um balanço da AFP com base em fontes oficiais.

América Latina e Caribe é a região mais afetada, com mais de 258.000 mortos e cerca de 6,7 milhões de casos. Na Europa, os retornos das férias de verão são fonte de contágio em países como Itália, Espanha, França e Alemanha, em um momento em que a região se prepara para retomar o novo ano letivo.

“Estamos em uma situação de risco”, a pandemia “nunca foi contida”, disse o ministro da Saúde francês, Olivier Véran, em entrevista ao jornal “Journal du Dimanche”. Até mesmo a Coreia do Sul, que foi considerada um exemplo no combate à pandemia, registrou nas últimas 24 horas o maior número de casos diários (397) desde o início de março e impôs a todo país as restrições aplicadas a Seul.

Mais da metade das mortes por Covid-19 no planeta foram registradas em quatro países: Estados Unidos, com cerca de 180.000 mortos, Brasil (cerca de 115.000), México (mais de 60.000) e Índia. Índia, a segunda nação mais populosa do planeta depois da China, superou neste domingo a faixa dos três milhões de casos, ao relatar 69.239 novos contágios. Somou 912 mortes para um total de 56.706 óbitos, segundo dados oficiais.

A água volta a ferver
Para as autoridades, não está sendo fácil controlar as idas e vindas dos turistas nas praias e as reuniões sociais, principalmente os jovens. No Peru, 13 pessoas morreram asfixiadas quando a polícia invadiu uma boate em Lima onde 120 pessoas participavam de uma festa na noite de sábado, que era proibida devido à pandemia. Com 27.453 mortos, o Peru é o terceiro país da América Latina em número de mortos pela pandemia, atrás do Brasil e México.

Um dos países europeus mais afetados pelo vírus, a Itália, com mais de 35.000 mortos, continua vendo os casos de contágio subirem. Neste domingo anunciou 1.210 novos casos nas últimas 24 horas, muitos deles em Roma e em grande parte pelas viagens de férias. Há cinco dias, a Itália ordenou o fechamento de casas de festa e impôs o uso de máscara nas ruas, cuja obrigatoriedade também se estende em cidades da França, que registrou 4.897 novos casos nas últimas 24 horas. No sábado esse número era de 3.602.

Na Alemanha, as infecções também aumentaram nos últimos dias (mais de 2.000 diários), devido ao retorno em massa de alemães que passaram as férias em áreas de risco no exterior. Na Irlanda, as autoridades restringiram as reuniões para um máximo de seis pessoas em locais fechados. E no Reino Unido e Espanha, as autoridades voltaram a confinar várias regiões.

Enquanto a pandemia continua se espalhando, as carências nos hospitais, a exaustão, as baixas remunerações dos profissionais da saúde e a falta de assistência para as populações mais pobres continuam gerando mal-estar e protestos. Com o impacto brutal do vírus na economia, muitos países optaram por retomar atividades quando a doença ainda continua a se propagar.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.