Governador se acerta com os rebeldes da Frente Popular…
15/06/2018
Fragmento Bíblico…
15/06/2018

Citando França, Marina diz: “Aprendi com Eduardo”…

Não foi a primeira vez que o presidente nacional do PSB, Carlos Siqueira, subiu o tom na direção da presidenciável Marina Silva. Em 2014, um dia após o PSB formalizar a candidatura de Marina Silva ao Planalto, Siqueira , enquanto coordenador-geral da campanha de Eduardo Campos, anunciou seu desligamento do posto e disparou: “Ela que vá mandar na Rede dela”. Essa semana, Siqueira tachou de “fake news” uma declaração de Marina e descartou negociação com a Rede. Indagada se ficaram rusgas de 2014, a ex-ministra, que deixa o Recife hoje, nega que tenha guardado mágoa e, entre outras coisas, assinala: “Tem uma frase que eu sempre digo: ´Eu prefiro sofrer a injustiça do que praticar a injustiça e isso é o meu lema, é a minha vida”. E pondera: “As pessoas caminham do jeito que elas acham melhor. Lembro que, em 2014, Eduardo (Campos) lutou muito para a gente ter uma candidatura do PSB em São Paulo. O PSB de São Paulo entendeu que não. E não teve.

A gente, que é democrata, não pode obrigar o partido a fazer sempre como você quer que faça. É difícil? É. Mas isso a democracia”. Marina recorre a episódio envolvendo Márcio França, hoje governador de São Paulo e defensor da candidatura de Geraldo Alckmin à Presidência da República. Realça, assim, o seguinte ponto: nem Eduardo Campos que tinha o controle do PSB e capitaneava processos de decisão, sem deixar vácuo de liderança – como passou-se a apontar na sigla após seu falecimento – conseguiu impor sua vontade à ala paulista. “Eu, inclusive, aprendi muito, naquela época, com atitude de Eduardo. Márcio França avaliou que era melhor não ter candidatura em São Paulo e não teve”, recorda ela e completa: “Nos estados, onde houve a compreensão de que o melhor caminho era sair de uma forma respeitosa do governo, as pessoas saíram do governo. Porque, para nós, não é uma questão dos cargos, é o programa”. Em Pernambuco, a Rede deixou a gestão Paulo Câmara, rompimento que foi citado por Carlos Siqueira junto aos casos do Distrito Federal e da Paraíba. Marina fez as considerações em entrevista a esta colunista e ao titular do Blog da Folha, Daniel Leite, na coluna digital No Cafezinho, que vai ao ar, hoje, no Blog da Folha e nas redes sociais da Folha de Pernambuco. (Renata Bezerra de Melo / Folha de Pernambuco)

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.