Humberto Costa protocola requerimento para responsável por nota pró-cloroquina se explicar ao Senado
24/01/2022
Prefeitura inicia obras de capeamento asfáltico em diversas ruas de João Alfredo
24/01/2022

Carlos Veras defende candidatura do PT ao Governo de Pernambuco

João Victor Paiva/Diário de Pernambuco –  Na semana passada, o ex-presidente Lula (PT) disse em entrevista coletiva que “se o PSB definir candidato, Humberto Costa está fora” da disputa pelo Governo de Pernambuco. A questão, no entanto, não está pacificada dentro do diretório petista do estado. No programa Manhã na Clube desta segunda-feira (24), o deputado federal Carlos Veras (PT) defendeu a pré-candidatura do correligionário. 
“Nós vamos trabalhar até o último instante para que a Frente Popular e o PSB apoiem o nome de Humberto Costa para o governo do estado. Mesmo o PSB tendo o direito, a prerrogativa política de indicar o seu sucessor, mas o PSB não chegou a um consenso, não tem um nome do PSB para o governo do estado de Pernambuco, para a sucessão de Paulo Câmara”, apontou. 
Veras explica que o imbróglio começa no declínio do candidato natural do partido, o ex-prefeito do Recife Geraldo Julio, em participar da disputa: “Se o Geraldo tivesse aceitado desde o início, o diretório estadual do PT não teria se apresentado e colocado o seu nome.”
Para o deputado, o nome do senador petista possui viabilidade eleitoral, diferentemente dos nomes que podem ser indicados pela legenda socialista. “Não é uma eleição simples. Não é só chegar e dizer: ‘é fulano, o candidato (ou candidata).’ E acabou, está ganha a eleição para o governo do estado”, ironizou. 
Alinhado à postura de Humberto, Veras defende outra composição de chapa, onde o PSB disputaria a vaga para o Senado. De acordo com ele, o governador Paulo Câmara “é um quadro que está pronto para ser vice do presidente Lula ou ser candidato a senador por Pernambuco.” Pelo menos até o momento, o PSB desconsidera essa perspectiva e deve definir a indicação até fevereiro. 
A possibilidade de palanque duplo também foi mencionada por Veras, que lembrou a eleição de 2006 no estado – naquele ano, PT e PSB disputaram o executivo estadual, com as candidaturas de Humberto Costa e Eduardo Campos. Ao final do primeiro turno, os petistas passaram a apoiar o pessebista contra Mendonça Filho. Ambas as siglas deram espaço para a campanha de Lula à reeleição.
Apesar dos apontamentos feitos, o deputado reconhece que a decisão final será tomada pela direção nacional do partido, assim como ocorreu nos últimos anos. Em 2020, por exemplo, caciques petistas buscavam firmar aliança com o PSB no estado; a interferência do ex-presidente Lula foi decisiva para amparar a candidatura de Marília Arraes (PT) à Prefeitura do Recife. 

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.