”Bolsonaro deveria honrar as promessas de campanha”, diz Sergio Moro ao Correio
06/09/2020
Fragmento Bíblico
06/09/2020

Bispo critica padre Robson e viraliza: “Jesus não precisa de megatemplos”

(foto: Danilo_Eduardo/AFIPE)

Correio Braziliense

Um sermão em que Dom Silvio Dutra, bispo da Diocese de Vacarias, no Rio Grande do Sul, critica o padre Robson de Oliveira, investigado por suspeita de fraude no Santuário do Divino Pai Eterno (GO), viralizou nas redes sociais. 

No vídeo, gravado no dia 26 de agosto, o bispo fala que os religiosos não foram “feitos para dinheiro, nem para fortunas. Jesus não precisa de megatemplos, nem de sinos de R$ 6 milhões” e alegou que, apesar das denúncias ainda não terem sido comprovadas, “onde há fumaça, pode ser, com muita certeza, que haja fogo”. 

“Talvez esse escândalo que está para ser confirmado é uma ação do Espírito Santo para dizer que não é essa a igreja que ele quer, Deus não quer uma igreja de show. O lugar do padre não é no palco, o lugar do padre é no altar e a serviço do irmão”, comentou.

Segundo as investigações conduzidas pelo Ministério Público de Goiás, a Associação Filhos do Pai Eterno (Afipe), conduzida por padre Robson, acusado de lavagem de dinheiro, movimentou R$ 2 bilhões em 10 anos. As diligências mostraram o recebimento de R$ 20 milhões em doações por mês e descobriram que parte dos recursos foi empregada na compra de fazendas e de uma casa de praia.

No vídeo que viralizou, Dom Silvio Dutra ainda disse que vários idosos se esforçam para ajudar a igreja financeiramente, mas que esse não é o foco da religião.

“Fiquei imaginando a minha mãezinha lá com 87 anos e quantos idosos piedosos que ficam lá mandando seu dinheiro. Eu tenho, em outras ocasiões, falado da minha angústia com isso, dos gurus da nossa igreja. Nossa igreja deixou de ser de comunidade e passou a ser uma igreja de guru”, avalia.

O bispo fez ainda uma reflexão sobre o atual momento da religião, incluindo uma crítica ao próprio catolicismo. Afirmou que o que vale não é a aparência e que o mundo hoje passa por um estágio de hipocrisia.

“Vivemos hoje, de fato, uma pandemia de farisaísmo. Lideranças religiosas e políticas se apresentam como defensores de valores cristãos, mas no fundo, guardam podridões. Nós católicos não somos a igreja perfeita que olha para o erro dos outros. Nós nos escandalizamos com os erros dos outros e com o nosso mais ainda, porque temos a pretensão de indicar caminhos para a sociedade”, finaliza.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.