União Brasil define Luciano Bivar no lugar de Moro na corrida presidencial
15/04/2022
PT preocupado com fragilidade de Lula nas redes sociais
15/04/2022

A importância de André da Paula no Senado da Frente Popular

Por Edmar Lyra – Após quase dois meses da indicação do deputado federal Danilo Cabral como pré-candidato a governador, a Frente Popular está em vias de definir o nome que disputará o Senado Federal em outubro. Três nomes estão formalmente colocados, mas apenas dois estão efetivamente no jogo para a oficialização. A vice-governadora Luciana Santos (PCdoB) foi lançada para o cargo sem muita ressonância entre os partidos que sustentam a coalizão socialista. Enquanto o PT oficializou a indicação do deputado federal Carlos Veras e o PSD já tinha o deputado federal André de Paula.
Das opções plausíveis, André de Paula e Carlos Veras, em que pese toda relevância do PT, é fundamental levar em consideração a necessidade de ampliação do palanque, buscando eleitores que divirjam da trajetória do cabeça de chapa. Essa estratégia não é nova, Miguel Arraes nas eleições de 1986 e 1994 sempre buscou nomes de espectros ideológicos diferentes do seu, a exemplo de Antônio Farias na sua volta ao Palácio do Campo das Princesas após o regime militar, e na segunda ocasião quando buscou Armando Monteiro Filho para sua chapa para vencer a eleição em 1994.
Eduardo Campos trilhou caminho semelhante quando deu a Armando Monteiro Neto a vaga de senador na sua reeleição em 2010, quando tinha condições eleitorais de colocar qualquer que fosse o nome que iria sagrar-se vitorioso, mas preferiu ampliar o palanque. 2018 novamente o governador Paulo Câmara colocou perfis antagônicos na sua chapa como Humberto Costa e Jarbas Vasconcelos e venceu a disputa levando consigo os dois senadores.
A eleição do Recife comprova que o eleitor metropolitano está bastante refratário ao Partido dos Trabalhadores. Quem elegeu João Campos no segundo turno foi exatamente o eleitor de centro-direita, que na última etapa do pleito fez a opção pelo PSB contra a alternativa do PT, que foi Marília Arraes. Indiscutivelmente o eleitor de centro-esquerda deverá marchar com Danilo Cabral que terá o voto lulista em sua maioria, e será no eleitor de centro o caminho da consolidação de vitória de quem for o postulante a governador.
Com forte trajetória na centro-direita, em especial com voto metropolitano, André de Paula é de longe a alternativa que amplia o palanque da Frente Popular e ajudará o PSB a conquistar eleitores refratários ao PT, sem André e com um partido de esquerda no Senado, o projeto de Danilo Cabral ficará mais restrito ideologicamente e naturalmente prejudicará seu crescimento na campanha porque pregará apenas para convertidos.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.