Artigo – Precisamos perdoar – por Padre Reginaldo Manzotti*…

Um dos ensinamentos mais desafiadores que Jesus nos deixou foi o perdão. Muitas são as passagens nos Evangelhos que Jesus nos exorta a isso. Em uma específica, ele nos diz que devemos Leia mais »

Novembro Azul…

Leia mais »

Vestibular FACAL 2019…

Dê um clik para ampliar esta imagem Leia mais »

Venha pra TiConnect….

    Leia mais »

Proclamação da República…

InfoEscola A Proclamação da República Brasileira aconteceu no dia 15 de novembro de 1889. Resultado de um levante político-militar que deu inicio à República Federativa Presidencialista. Fica marcada a figura de Marechal Deodoro da Fonseca como Leia mais »

Tag Archives: PT

PT deve ter maior bancada na Câmara…

 Fotos: Ricardo Stuckert

Helena Chagas – Blog Os Divergentes

Enquanto o país assiste eletrizado a polarização entre Jair Bolsonaro e Fernando Haddad na eleição presidencial, poucos estão olhando para o que realmente interessa, que é o Congresso – ou seja, a eleição daqueles que poderão ejetar de sua cadeira o cara que subir a rampa do Planalto. Levantamentos preliminares do Diap (Departamento Internacional de Assessoria Parlamentar) apontam que a onda vermelha que está levando Haddad ao segundo turno poderá dar ao PT a maior bancada na Câmara dos Deputados, elegendo entre 55 e 65 representantes.

O que não quer dizer garantia de governabilidade se Haddad for eleito (no caso de Bolsonaro, nem se fala, pois o PSL não deve eleger mais do que 20 deputados). Na verdade, o quadro geral das previsões na Câmara apontam para um cenário muito parecido com o de hoje, o que parece ser desolador.

As previsões são de que haverá baixa renovação, com muitas reeleições, e grande pulverização. A segunda maior bancada deve ser a do MDB, com previsão do Diap de fazer algo em torno se 45 e 50 deputados, número semelhante aos do PSDB e do PP. Outros partidos de Centrão, como PR e DEM, devem eleger no máximo 40 deputados cada um.

O que isso quer dizer? Antes de tudo, que haverá uma briga de foice pela presidência da Câmara, que não irá automaticamente para ninguém, embora, em tese, costume ficar com a maior bancada. Mas, mesmo elegendo o presidente da República, o PT terá que fazer um acordo com o MDB se quiser o posto, apoiando o aliado no Senado e dando a ele, quem sabe, o segundo biênio da legislatura no comando da Casa.

Outro dado relevante é o de que o Centrão continuará existindo, embora os planos de Rodrigo Maia de permanecer na presidência da Câmara dificilmente sobreviverão se o vencedor da eleição presidencial não for Jair Bolsonaro. Em ora as previsões do Diap apontem crescimento dos extremos, nas bancadas à direita e à esquerda, o centro, se unido, ainda será uma força com quem o novo presidente terá que negociar.

Humberto quer empenho para eleger bancada expressiva…

O líder da Oposição a Temer no Senado e candidato à reeleição, Humberto Costa (PT), conclamou, na sexta-feira (14), a militância do partido a unir esforços no sentido de eleger uma bancada expressiva de parlamentares nas eleições de 7 de outubro. Para ele, o aumento do número de deputados federais e estaduais será uma resposta às tentativas de esvaziamento que vêm sendo perpetradas contra o PT, particularmente contra o ex-presidente Lula, “preso injustamente” em Curitiba.

“Temos que eleger uma bancada forte e representativa. Temos que sair desta eleição com uma grande vitória dos nossos candidatos proporcionais, nossos deputados federais, nossos deputados estaduais. Assim é que responderemos a quem quer ver o PT destruído”, afirmou Humberto durante a inauguração do Espaço 13, no bairro de Santo Antônio, centro do Recife.

Saudado ao final do seu discurso com gritos de “Humberto de novo / Senador do povo”, o líder oposicionista a Temer disser ter plena certeza de que o PT vai levar Fernando Haddad, que substituiu Lula após o ex-presidente ser impedido de concorrer pela justiça, ao segundo turno. “E temos condições de, a partir daí, avançarmos muito mais. Podemos eleger Haddad presidente da República para ele retomar o nosso projeto político, interrompido em 2016.

O Espaço 13, que tem por subtítulo Movimentos Sociais Com Lula Livre, Haddad e Manu, fica em um casarão às margens do rio Capibaribe, próximo ao antigo Cais da Alfândega. Será administrado pela militância jovem petista e pelo MST – Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem-Terra. Segundo os organizadores, o espaço tem por objetivo atrair pessoas interessadas em discussão política. O local terá um café-bar, uma biblioteca e, do lado da Rua do Imperador, um “armazém do campo”, onde serão vendidos produtos orgânicos produzidos pelo MST, tais como arroz, café e pimenta.

A inauguração do Espaço 13 reuniu um grande número de militantes do PT, sobretudo setores jovens, e do MST, além de parlamentares, sindicalistas e lideranças do partido. Na abertura dos trabalhos, todos entoaram, em coro, o grito “Boa noite, presidente Lula!”, por 13 vezes. (Magno Martins)

PT registra candidatura de Lula…

A presidente nacional do Partido dos Trabalhadores, senadora Gleisi Hoffmann, deixou há pouco o prédio do Tribunal Superior Eleitoral, em Brasília. O PT solicitou o registro da candidatura de Lula e do vice, Fernando Haddad. Durante a chegada, estava presente na comitiva a ex-presidente Dilma Rousseff, que falou em otimismo.

O PT tem até o dia 17 de setembro para trocar o nome do candidato.

PT pressionado a bater o martelo sobre a saída de Lula da campanha…

Correio Braziliense

O Partido dos Trabalhadores vive um conflito interno para definir a chapa do partido nas eleições deste ano. Condenado e preso em Curitiba, o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva enfrenta em uma semana decisiva para a participação na campanha. Uma ala influente da legenda pressiona para que o ex-prefeito de São Paulo Fernando Haddad seja lançado logo como cabeça de chapa. Dirigentes petistas querem que a situação seja resolvida até o próximo debate presidencial na tevê, na sexta-feira. Amanhã termina o prazo para registro de candidatura. No dia seguinte, a Justiça Eleitoral começa a analisar a situação do petista.

De acordo com a legislação, o PT pode trocar de candidato a presidente com até 20 dias de antecedência da votação, desde que ele saia da disputa por ter candidatura impugnada. Após o registro, porém, uma série de regras dificultam a ascensão de Haddad no pleito. Para começar, ele não poderá usar o dinheiro da vaquinha virtual para a campanha de Lula, que já soma R$ 550 mil. Outro entrave é em relação ao horário eleitoral gratuito. O ex-prefeito também enfrenta resistência política dentro da sigla, mas está definido que ele vai percorrer o país em nome de Lula.

Se Lula, hoje inelegível pela Lei da Ficha Limpa, for barrado pelo Tribunal Superior Eleitoral (TSE), será possível recorrer ao Supremo. Enquanto o recurso estiver tramitando, caso o PT não lance outro candidato, o espaço de 2 minutos e 22 segundos destinados ao partido no rádio e na TV serão preenchidos com um aviso de que a propaganda do PT foi barrada pela Justiça Eleitoral. O horário eleitoral começa em 31 deste mês. Até que tenha o caso avaliado pelo TSE, Lula poderia fazer campanha, mas a realização de gravações dentro da sala onde está preso, na Superintendência da Polícia Federal, em Curitiba, dependem de autorização — que vendo sendo negado pela Justiça.

Continua…

Cúpula do PT derruba recurso de Marília Arraes…

O Diretório Nacional do PT derrubou, há pouco, por 57 votos a 29, um recurso que pedia a manutenção da candidatura própria ao governo de Pernambuco com Marília Arraes. O lançamento de Marília, vereadora em Recife e neta do ex-governador pernambucano Miguel Arraes, foi defendido por uma ala de dirigentes petistas insatisfeitos com o acordo de apoiar a reeleição de Paulo Câmara (PSB).

Ontem à noite, o diretório do PT em Pernambuco chegou a aprovar a candidatura de Marília, criando uma saia-justa para a cúpula da legenda. A vereadora, inclusive, foi à reunião nacional hoje em São Paulo e disse, mais cedo, que estava no encontro para defender a decisão de Pernambuco, e não para debatê-la.

A determinação do PT para a retirada da candidatura de Marília faz parte de um acordo mais amplo com o PSB, que ficará neutro na disputa presidencial – na prática, isolando Ciro Gomes (PDT) no campo da centro-esquerda.

Em 2012, o comando nacional do PT já havia interferido em uma disputa em Pernambuco. Naquele ano, o Diretório Nacional anulou as prévias em que o então prefeito do Recife, João da Costa, foi escolhido como candidato à reeleição. O senador Humberto Costa foi o escolhido pela direção e depois perdeu para Geraldo Julio (PSB). Julio se reelegeu em 2016 contra um petista, João Paulo.

Os defensores da candidatura de Marília podem recorrer ao Encontro Nacional do PT, que acontece amanhã, em São Paulo. Entretanto, Marília considera a opção de abrir mão da candidatura e disputar uma cadeira de deputada federal. (Magno Martins)

PT comete novo erro histórico em Pernambuco …

Nas eleições de 2012 o então prefeito João da Costa que tinha o direito de disputar a reeleição foi obrigado a um desumano processo de prévias, mesmo assim saiu-se vitorioso do processo com expressiva aprovação contra Maurício Rands, que era o nome ungido por Humberto Costa para substituí-lo. Apesar de vencer as prévias, João da Costa não levou a candidatura, ficando a critério do diretório nacional dar a palavra final sobre o destino do PT, que rasgando as prévias, indicou Humberto Costa como candidato do partido.

Humberto foi lançado como candidato tendo João Paulo como seu vice, enquanto Eduardo Campos decidiu lançar Geraldo Julio, após assistir de camarote a confusão do PT. Resultado: Geraldo saiu vitorioso no primeiro turno, tendo o então desconhecido Daniel Coelho em segundo lugar do pouco relevante PSDB na capital pernambucana. Humberto acabou ficando em terceiro lugar com menos de 18% dos votos válidos.

Após aquele episódio, o PT perdeu mais duas eleições em Pernambuco, sendo a de governador e senador em 2014 e a de prefeito do Recife em 2016. Em 2018 estava se reconstruindo com a pré-candidatura de Marília Arraes que estava empatada tecnicamente com o governador Paulo Câmara nas últimas pesquisas divulgadas. A ida de Marília para o segundo turno era algo completamente factível, pois ela caiu nas graças da população.

O PT mais uma vez decidiu anteontem, por 17 votos a 8, que realizaria uma aliança com o PSB no estado, prejudicando a postulação legítima de Marília Arraes. Ontem o partido em Pernambuco demonstrou que queria Marília, quando 230 dos 251 delegados, 91,63% dos votos, optaram pela candidatura própria. Apesar da decisão do Grupo Tático Eleitoral ser majoritariamente a favor de Marília, o diretório nacional optará pela aliança com o PSB, pois foi assinada uma resolução que dava poderes ao diretório nacional deliberar sobre o destino do partido em Pernambuco.

Os fatos evidenciam que novamente os desejos da local e da nacional são completamente conflitantes, como em 2012. Naquela ocasião não terminou bem para o PT. É pouco provável que depois de toda esta lambança Humberto Costa saia ileso e com o mandato de senador renovado sem sustos na chapa de Paulo Câmara, pois inexoravelmente a confusão do partido seguirá contaminando o processo eleitoral, levando problemas para o palanque de Paulo Câmara. Agora, verdade seja dita, tudo que foi feito pelo PT na retirada de Marília teve a digital do ex-presidente Lula, que de dentro da prisão segue mandando e desmandando no destino do partido em todo o Brasil. (Por Edmar Lyra)

Marília diz não desistir e aliados já buscam um plano B…

 Marlon Diego/Esp.DP – 

Pré-candidata ao governo do estado, a vereadora Marília Arraes (PT) tomou a decisão de bater de frente com as executivas estadual e nacional do PT até domingo, quando termina o prazo das convenções partidárias. Ontem, a cúpula nacional da legenda aprovou a resolução para retirar sua pré-candidatura em Pernambuco por 17 votos a oito, a executiva estadual acatou essa decisão, porém Marília resistiu às pressões de ambos os lados e rejeitou apoiar o palanque do governador Paulo Câmara (PSB). A petista repetiu um discurso que vem sendo usado pelo próprio ex-presidente Lula, que se nega a abrir mão de concorrer à Presidência da República, mesmo estando preso há mais de 100 dias. Ela prometeu apoiar o recurso movido por aliados contra a tática anunciada pela executiva nacional e ir “até as últimas instâncias”. 

“Marília Arraes não tem o direito de recuar a candidatura e colocar a esperança das pessoas numa mesa como moeda de troca, a preço de banana”, afirmou a pré-candidata, recebendo aplausos da militância presente na coletiva convocada na sede da Central Única dos Trabalhadores. Marília falou à imprensa depois de divulgar um vídeo nas redes sociais e convocar os delegados do PT para marcar presença no encontro estadual previsto para hoje à tarde, às 17h, no Praia Hotel em Boa Viagem. O encontro estadual tem autonomia em relação à executiva nacional. Trezentos delegados vão votar para apoiar a tese de candidatura própria ou aliança estadual com o PSB, defendida pelo senador Humberto Costa. 

A petista negou a hipótese de o ex-presidente Lula ter feito jogo duplo nos últimos meses, apoiando sua candidatura ao governo, para, em seguida, rifá-la em troca de apoio do PSB nacional. Lula sempre adota esse tipo de estratégia, segundo informações de bastidores. O cacique petista incentivou uma disputa velada entre Humberto Costa e João Paulo, no passado, depois estimulou a candidatura de Humberto Costa e Eduardo Campos, em 2006, e, em 2012, deu a bênção para a retirada da candidatura de João da Costa à Prefeitura do Recife. Na época, Humberto Costa concorreu ao governo municipal, no lugar de João da Costa. Para Marília, Lula apoia sua pré-candidatura e não interfere nas decisões partidárias.

“Da parte do presidente Lula, todos os sinais que Lula mandou, os recados antes de ser preso e depois da prisão política que ele está sofrendo (foram positivos à minha candidatura). Ele mandou recado por Rui Falcão (ex-presidente nacional do PT), por João Pedro Stédile (coordenador do MST) e pelo Frei Sérgio Görgen (que acompanha movimentos populares do campo). Então, eu e a sociedade achamos que essas pessoas têm idoneidade suficiente para não saírem de uma visita com Lula e colocando palavras na boca de Lula”.

Continua…

PT nega que candidatura de Marília foi rifada…

Em contato com aliados da vereadora Marília Arraes e com a equipe do PT estadual, ambos negaram a informação de que a candidatura de Marília foi rifada conforme noticiado por alguns blogs no estado.

“Isso será decidido amanhã, em reunião com os trezentos delegados do partido que vão optar se o PT terá candidatura própria ou não” disse uma das pessoas do PT.

De acordo com informações quem trabalha com hipóteses tem apenas o desejo de tumultuar o trabalho do Grupo Eleitoral Petista. (Blog Silvinho)

PT decide no dia 2 de agosto o seu destino em Pernambuco…

O PT se reunirá no próximo dia 2, quinta-feira, às 17 horas em Recife para decidir  se vai seguir com candidatura própria ou se vai se aliar ao PSB. Não existe mais essa questão de a direção nacional intervir em nada. O que ficar decidido quinta-feira será fechado por um simples fato: O PT deixou de ser um partido que está priorizando a aliança nacional, para dar prioridade onde tem seus governadores, ou chances reais de conquistar o governo. Pela primeira vez na história o PT tem chances reais de chegar ao comando do Palácio do Campo das Princesas,através da candidatura da vereadora Marília Arraes. Nunca antes o partido sentiu tão de perto o favoritismo em uma eleição estadual como agora. E não existe exemplo melhor de que o PT estadual é quem vai dar às cartas como os nossos estados nordestinos.

No Ceará, pelo benefício da reeleição do governador Camilo Santana (PT), o partido abriu mão da candidatura à reeleição de José Pimentel (PT) um dos seus fundadores naquele estado. Em troca, o governador receberá o apoio de nada mais nada menos que Eunício Oliveira do MDB de Michel Temer. Ora, o MDB vai entregar o seu tempo de TV ao PT para fazer campanha para Lula? Não. Ali o PT agiu em benefício da candidatura própria do seu governador. Outro estado que o PT segue fazendo alianças para o benefício do seu governador é o Piauí de Wellington Dias, que é pré-candidato a reeleição. Lá, a chapa está fechada  com Marcelo Castro do MDB e Ciro Nogueira do PP. Um apoiando Meireles e o outro, Alckmin.

Se nesses estados, o PT priorizou os seus governadores em detrimento de candidaturas até mesmo históricas, que dirá aqui em Pernambuco, onde a sua pré-candidata tem um percentual nas pesquisas iguais ao do governador que já tem 3 anos e 7 meses de um governo que foi a continuidade de 8 anos de outro do PSB.  300 delegados petistas de todas às regiões do estado vão decidir se o PT terá candidatura própria no estado ou se ficará à reboque do PSB indicando Humberto para aliança como candidato à reeleição. O PT não esteve apenas perto de decidir se vai caminhar com suas próprias pernas, mas se vai continuar existindo no estado ou não. Marília deu ao PT a cara que o partido não tinha em Pernambuco se tornando um fenômeno eleitoral. O grande problema: Cresceu mais do que Humberto esperava, tanto que o senador não consegue mais vencê-la. Se Marília tivesse ficado quieta, já teria sido rifada. 

Mas ela recebeu apoio de Lula e da direção nacional para colocar sua pré-campanha no ar. Marília viu o vácuo no estado por falta de uma oposição coesa, e soube crescer junto à militância que nunca esteve tão animada como está agora para a campanha. Como não posso adivinhar o resultado de uma eleição pois todas têm suas caixinhas de surpresa, não posso dizer que Marília Arraes está ou será eleita. Mas que será uma grande campanha a disputa entre Paulo Câmara, Armando Monteiro e Marília Arraes, isso eu posso garantir. Aguardemos pois os próximos capítulos desta novela. (Blog Silvinho Silva)

PT negocia neutralidade do PSB em troca de acordos regionais…

Dirigentes do PT disseram nesta segunda-feira, 30, durante reunião do Conselho Consultivo do partido, em São Paulo, que os petistas não negociam mais uma coligação nacional com o PSB. O objetivo do PT, agora, é evitar que o PSB se alie formalmente a Ciro Gomes (PDT), e libere suas lideranças estaduais para apoiar o candidato a presidente que considerem melhor. 

A negociação passa por acordos entre PT e PSB em Pernambuco e Minas Gerais. Em Pernambuco, o PT forçaria a saída de sua pré-candidata, a vereadora Marília Arraes, abrindo caminho para a candidatura à reeleição do governador Paulo Câmara (PSB). Em Minas, seria o inverso. O ex-prefeito de Belo Horizonte Marcio Lacerda (PSB) abandonaria a disputa, em favor do petista Fernando Pimentel, que concorre à reeleição.

O PT já adiou duas vezes o encontro nacional que vai definir a posição do partido em Pernambuco em nome das negociações com o PSB. Segundo petistas pernambucanos, Marília tem hoje a maioria do diretório estadual. 

O presidente nacional do PSB, Carlos Siqueira, negou os termos da negociação. Segundo ele, a possibilidade de apoiar o PT ainda não foi totalmente descartada. No domingo, o partido vai decidir entre uma coligação com os petistas, apoio a Ciro ou liberar as lideranças estaduais. O governador de São Paulo, Márcio França (PSB), defende uma candidatura própria, mesmo que seja para perder a eleição. França não quer abrir mão do tempo do partido no horário eleitoral da TV, mas é minoria.

“Não discuti isso (acordo regional envolvendo Lacerda) com ninguém. O PT condicionou a retirada da Marília a um acordo nacional”, afirmou Siqueira. 

O PT ainda negocia alianças com o PROS e o PCdoB. Segundo dirigentes do partido, emissários levaram ao ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, condenado pela Lava Jato e preso em Curitiba, a sugestão de que Manuela d’Ávila, pré-candidata do PCdoB, seja a vice na chapa petista. Lula não se manifestou. 

A escolha do vice é motivo de divergências no PT. Correntes influentes dizem que o partido deve escolher logo um nome dentro de suas próprias fileiras. Um grupo prefere que o vice seja um nome “fraco”, que não seja visto como possível “plano B” a Lula. Outros petistas acham melhor que o vice seja o possível substituto de Lula.

Presidente do PT, a senadora Gleisi Hoffmann (PR) publicou um texto na página do partido no qual critica lideranças da esquerda que admitem uma eleição sem Lula. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Fonte: Estadão Conteúdo

Aliança entre PSB e PT em Pernambuco ou tudo ou nada!…

A esperada aliança entre o PSB e PT em Pernambuco está muito longe de acontecer, isso porque a maioria dos diretórios dos socialistas querem o apoio formal a candidatura de Ciro Gomes (PDT) à presidência da república, deixando os socialistas pernambucanos isolados no congresso do partido.

Ontem, em Feira Nova, o senador Humberto Costa defendeu um ‘apoio informal’ do PSB aos petistas, uma espécie de saída para minar Marília Arraes. Porém essa possibilidade foi levada a Lula através de Gleisi Hoffmann e ele não abre mão do apoio formal a sua candidatura. Ficando claro que a presença de Marília na disputa já se tornou notoriamente uma moeda de troca com os socialista em nível nacional. Parafraseando Lula, Nunca antes na história desse país uma candidatura para governador em Pernambuco refletiu diretamente nas alianças nacionais.

Por sua vez, Paulo Câmara está fazendo bem o dever de casa passou a semana em Brasília conversando com diversas lideranças do seu partido e com a própria senadora Gleisi com objetivo de formalizar essa aliança. Ele também levou o prefeito do Recife, Geraldo Júlio para ajudá-lo nessas movimentações. Desde a morte de Eduardo Campos em 2014, o partido ficou sem uma centralidade nas decisões ou pelo menos que aponte os caminhos.

Por fim, parece que o PT por meio de Lula já partido para tudo ou nada. Ele sabe que é o grande eleitor pernambucano e tem consciência que sua ‘presença’ no palanque é fundamental para está na disputa. Aguardaremos o congresso nacional do PSB, até porque essa decisão está nas mãos deles mesmos! (Elielson Lima)

“Existe vida fora do PT” diz Bruno Araújo…

O deputado federal Bruno Araújo, presidente do PSDB em Pernambuco embarcou para São Paulo afim de participar de reuniões partidárias. A viagem aconteceu nesta segunda-feira. O destino da viagem pode ser o destino do PSDB nas eleições para o governo de Pernambuco.

Bruno Araújo disse a aliados antes de embarcar que existe “vida fora do petismo, e o PSDB de Pernambuco pode exercer esse papel no estado de Pernambuco”. Após a nota do presidente do PSDB que gerou diversas ações do pré-candidato petebista, Armando Monteiro, os membros do partido estão muito animados com a possibilidade de uma candidatura própria tucana. (Blog Silvinho Silva)

Powered by WordPress | Designed by: diet | Thanks to lasik, online colleges and seo