PT registra candidatura de Lula…

A presidente nacional do Partido dos Trabalhadores, senadora Gleisi Hoffmann, deixou há pouco o prédio do Tribunal Superior Eleitoral, em Brasília. O PT solicitou o registro da candidatura de Lula e do Leia mais »

Manifestantes pró-Lula marcham em apoio ao registro da candidatura…

Manifestantes favoráveis ao ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva se reuniram em uma marcha no Distrito Federal, na tarde de hoje, em apoio ao registro da candidatura do político à Presidência da Leia mais »

Entenda os obstáculos da candidatura de Lula, que será oficializada hoje…

Correio Braziliense Com a esperança de obter uma decisão favorável na Justiça Eleitoral, o Partido dos Trabalhadores (PT) vai solicitar o registro de candidatura do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva à Leia mais »

Pesquisa Ipespe/FolhaPE: População acredita na continuidade do PSB…

Folha de Pernambuco Nesse momento de pré-campanha, há uma expectativa de continuidade do governo do PSB. A sondagem do Ipespe/Folha de Pernambuco registrou que 43% dos eleitores acreditam na vitória do governador Paulo Câmara. Nesse mesmo quesito, Leia mais »

Bolsonaro está no segundo turno…

Ele quando decidiu entrar nesse jogo pela disputa presidencial ainda no ano de 2015, tornou-se “uma verdadeira piada” como disse o deputado federal Silvio Costa que hoje é candidato ao senado. Mas Leia mais »

Tag Archives: PSB

Pesquisa Ipespe/FolhaPE: População acredita na continuidade do PSB…

Folha de Pernambuco

Nesse momento de pré-campanha, há uma expectativa de continuidade do governo do PSB. A sondagem do Ipespe/Folha de Pernambuco registrou que 43% dos eleitores acreditam na vitória do governador Paulo Câmara. Nesse mesmo quesito, 29% dos entrevistados acreditam que o senador Armando Monteiro Neto vencerá a disputa pelo Palácio do Campo das Princesas. Os demais candidatos tiveram um desempenho de 2%, cada.

Entre os eleitores com curso superior, 51% acreditam na vitória de Paulo Câmara. Já a vitória de Armando Monteiro é mais acreditada entre os entrevistados que ganham entre dois e cinco salários mínimos, com 37%. 

Há um índice baixo de crença na vitória dos candidatos Maurício Rands, Danielle Portela, Júlio Lóssio e Simone Fontana. Rands ainda chega a ter menções mais elevadas, de 6%, entre os entrevistados com maior grau de escolaridade e acima de cinco salários mínimos. 

Leia também:
Pesquisa FolhaPE/Ipespe: Paulo Câmara 30%, Armando Monteiro 24%
Artigo: para diretora do Ipespe, eleição em Pernambuco é jogo em aberto

As expectativas de vitória depositadas no governador Paulo Câmara e no senador Armando Monteiro se explicam pelo fato de ambos terem se enfrentado em 2014, o que os torna mais conhecidos do público pernambucano. Câmara é desconhecido por apenas 3% dos entrevistados, enquanto Armando não é lembrado por 17%. No sentido contrário, Maurício Rands não é conhecido por 49% dos eleitores, seguido por Júlio Lóssio e Simone Fontana, com 59%, e Danielle Portela, com 60% de desconhecimento.

População acredita na continuidade do PSB

 Saúde e drogas

Os eleitores foram estimulados a apresentarem duas áreas onde estão os maiores problemas do Estado. Os entrevistados apontaram Saúde, 61%, e Segurança pública e Drogas, 54%, como as esferas mais deficientes. As questões de Desemprego, com 28%, Educação, 27%, e Corrupção, 13%, também foram mencionadas com frequência. As pessoas ainda citaram Saneamento Básico e Esgoto, 8%, e Transporte Público, 7%, como áreas que precisam de atenção do futuro governador.

O recorte da pesquisa por instrução sinaliza que 70% do eleitorado com curso superior considera Segurança Pública/Drogas como o problema prioritário a ser enfrentado. O tema da Saúde, por sua vez, é mais importante para as mulheres, entre as quais 68% elegeram-no como mais urgente.

No Interior e na periferia, a questão da Saúde aparece como a mais urgente, sendo citado por 63% do eleitorado nas duas localidades. O problema da Segurança Pública/ Drogas demanda mais atenção na capital, onde 62% dos eleitores mencionaram essa preocupação.

A avaliação do governo de Paulo Câmara, nesse sentido, sinaliza uma tendência de desaprovação. A pesquisa aponta que 3% acham a gestão do PSB ótima e 13% acham boa. Os entrevistados que classificam a administração como “regular” representam 40%, os que avaliam como “ruim” estão em 14%, e os que qualificam como “péssima” chegam a 26%.

A maior desaprovação ao trabalho do governador está na capital, onde 30% dos eleitores consideram a gestão como “péssima”. Os que qualificam a administração como “regular” chegam a 43% tanto na capital quanto na periferia. A melhor avaliação do governo Paulo Câmara está na periferia, onde 17% dos entrevistados classificam-no como “bom”. 

PSB faz conveção neste domingo, após terremoto político…

Shilton Araujo/Esp.DP – Politica 

Com costuras políticas sendo feitas no âmbito local e nacional e em meio a “incêndios” partidários para apagar, o Partido Socialista Brasileiro (PSB) realiza neste domingo sua convenção estadual para homologar a candidatura à reeleição do governador Paulo Câmara (PSB), dos mais de 400 candidatos a deputados federais e estaduais, além de oficializar o leque de partidos que farão parte da Frente Popular de Pernambuco. O evento está acontendo no Clube Internacional do Recife até as 17h. O governador e os demais integrantes da chapa majoritária devem até 13h, quando terá início o ato político.

Neste domingo, o PSB nacional também realiza seu congresso, em Brasília, para discutir a conjuntura nacional e definir a posição da sigla na eleição presidencial. Em Pernambuco, além do PSB, o MDB, PSD, PR, PP, Solidariedade, PCdoB, PPL, PMN e PRP e, mais recentemente, o PT, serão confirmados na base de apoio do governador. O presidente estadual do PSB, Sileno Guedes, avisou que a chapa será anunciada por completo. Na última sexta-feira, o diretório nacional do PT manteve a resolução da Executiva que aprovou a tática eleitoral de alianças com o PSB e com o PCdoB, descartando a candidatura da vereadora Marília Arraes (PT) ao governo do estado.

A vereadora tentou impedir. Montou um bloco de resistência com algumas lideranças petistas, mas foi rifada pela cúpula nacional de seu partido em troca da neutralidade do PSB na disputa presidencial e do isolamento do presidenciável Ciro Gomes (PDT). A vaga de vice na chapa de Paulo Câmara deve ser ocupada pela presidente nacional do PCdoB, Luciana Santos. Os dois espaços no Senado serão disputados pelo deputado federal Jarbas Vasconcelos (MDB) e pelo senador Humberto (PT).

Em reserva, um governista disse que o objetivo do PSB para que Marília Arraes não fosse candidata foi alcançado. O PSB temia que, com a petista no páreo, a eleição fosse levada para o segundo turno. “Sem ela a disputa em favor de Paulo pode ser decidida já no primeiro turno. Vai se repetir um pouco da eleição passada (2014), quando Paulo disputou contra o senador Armando Monteiro e venceu. No Palanque de Armando, os dois senadores são ex-ministros de Temer. Armando vai ser o candidato da direita conservadora”, afirmou.

Depois de conseguir “minar” a campanha de Marília Arraes, o PSB e seus aliados terão que trabalhar para neutralizar o surgimento de uma possível terceira via no estado. O PROS e o PDT, que faziam parte da Frente Popular, estão se articulando com o Avante para colocar o bloco na rua. De acordo com Sileno Guedes, o PSB vai conversar até o último instante com os antigos aliados. “Temos mais convergências do que divergências. O PSB lidera uma frente que tem pensamentos diferentes, mas está integrado num projeto para enfrentar a direita conservadora que hoje governa o Brasil e quer administrar o estado. O projeto político de esquerda que está sendo colocado em Pernambuco e no Brasil vai promover a reaproximação necessária na Frente”, afirmou. (Diário de Pernambuco)

Tumulto na convenção do PSB em BH para lançar Lacerda…

Carolina Linhares – Folha de S.Paulo

A convenção marcada para lançar Márcio Lacerda, ex-prefeito de Belo Horizonte, a candidato teve confusão quando o deputado Júlio Delgado, de ala opositora, chegou ao local para ler decisão do TSE que invalida o encontro.

Aos gritos de golpista, apoiadores e adversários de Lacerda se empurraram e trocaram agressões.

Membros da nova direção do PSB de Minas, Júlio Delgado e René Vilela, foram à convenção realizada por apoiadores de Lacerda para ler decisão do Tribunal Superior Eleitoral.

Conforme a Folha noticiou na noite de sexta, após decisão do Tribunal Regional Eleitoral de Minas, favorável à realização da convenção, o TSE emitiu nova determinação, que valida a nova direção nomeada pelo comando nacional do PSB.

Essa nova direção havia cancelado a convenção e marcado outra, para domingo. Por isso, segundo Vilela, a convenção deste sábado (4) não tem valor.

Contrariando a decisão da direção nacional do PSB, o candidato do partido ao governo de Minas Gerais, Márcio Lacerda, decidiu manter sua candidatura e pediu à militância que comparecesse à convenção estadual neste sábado.

A convenção, inclusive, já havia aprovado o nome de Márcio Lacerda para governador quando Vilela e Delgado chegaram, causando tumulto e troca de agressões.

Houve empurra-empurra e ameaça de briga física.

A nova direção foi recebida aos gritos de golpista. Também houve gritos de “vai para o PT” e “Júlio, vai tomar no cu”.

Os apoiadores de Márcio também gritaram “Ciro presidente” e criticaram Fernando Pimentel (PT); Márcio chegou a ser cotado para a vice de Ciro Gomes (PDT).

O PSB quer impedir a candidatura de Lacerda para cumprir um acordo com o PT, no qual retira o pessebista da disputa para beneficiar a reeleição do governador Fernando Pimentel (PT). Em Pernambuco, o PT retirou a candidatura de Marília Arraes (PT) para apoiar a reeleição de Paulo Câmara (PSB).

Lacerda não aceitou a determinação do partido e afirmou que irá lutar judicialmente para manter sua candidatura.

O Tribunal Superior Eleitoral (TSE), porém, não aceitou a ação movida por Márcio Lacerda (PSB) contra a decisão de seu partido de intervir em Minas, nomeando novos dirigentes estaduais com o objetivo de barrar sua candidatura. 

Nesta quarta (1º), o presidente do PSB, Carlos Siqueira, esteve em Belo Horizonte para comunicar a Lacerda a decisão do partido de retirar sua candidatura e determinar apoio à reeleição do governador Fernando Pimentel (PT).

TRE suspende intervenção do PSB nacional em Minas e mantém convenção para este sábado…

A disputa interna no PSB entre o diretório nacional e o comando do partido em Minas e Belo Horizonte em torno da pré-candidatura do ex-prefeito Marcio Lacerda ao governo de Minas teve mais rounds na noite desta sexta-feira. Em decisão no fim da noite, o juiz Nicolau Lupianhes, do Tribunal Regional Eleitoral de Minas Gerais (TRE-MG), suspendeu, a pedido de Lacerda, “todo e qualquer efeito do ato de destituição da Comissão Provisória do PSB (Partido Socialista Brasileiro) no estado de Minas Gerais, até o julgamento final da lide”. No despacho, o juiz manteve a convenção do partido para este sábado e fixou multa diária no valor de R$ 30 mil em caso de descumprimento da sua decisão.

Márcio Lacerda recorreu à justiça eleitoral contra a intervenção feita pelo diretório nacional, que destituiu a comissão provisória no estado e nomeou outra, contrária à candidatura dele ao governo de Minas. Além disso, o ex-prefeito confirmou, antes da decisão do TRE, a realização da convenção para as 8h deste sábado para decidir sobre sua candidatura, mesmo depois da decisão da nova comissão provisória que havia cancelado a convenção e a transferido para domingo, às 20h. A decisão do TRE derrubou a decisão da comissão provisória..

O PSB mineiro poderia realizar duas convenções neste sábado. Além do encontro marcado para a partir das 8h – convocado pela então direção estadual da legenda para aprovar a candidatura de Marcio Lacerda a governador – o novo comando do partido pretendia realizar uma reunião para bater o martelo sobre a neutralidade na disputa pelo Palácio da Liberdade. Antes da decisão do TRE-MG, entretanto, Renê Vilela, presidente da nova comissão provisória nomeada pela direção nacional do PSB, informou ao Estado de Minas que decidiu adiar a convenção para domingo porque, após análise preliminar feita por uma força-tarefa em documentos e registros arquivados na sede do partido em BH, foram detectadas irregularidades.

Segundo Vilela, entre essas irregularidades estão nomes de dirigentes municipais do partido inexistentes e delegados credenciados filiados em outras legendas. Ele disse ainda que uma projeção inicial aponta que ao menos 30% dos delegados não receberam comunicação do partido para a convenção programada para hoje. “Para garantir segurança jurídica das deliberações, a comissão provisória, reunida durante todo esta sexta-feira, decidiu pela anulação da convenção convocada para sábado”, afirmou Vilela. Depois da análise dos documentos, disse Vilela, um relatório foi elaborado e encaminhado à direção nacional do partido, em Brasília. O presidente nacional da legenda, Carlos Siqueira, referendou a decisão da comissão provisória e já comunicou à antiga direção a nulidade da convenção. Nova convocação está sendo feita para as 20h de domingo, no diretório municipal de Contagem, na Grande BH.

Renê Vilela informou ainda que os integrantes da nova comissão provisória e a força-tarefa criada para analisar os documentos se debruçará durante toda a madrugada deste sábado para refinar o que foi levantado preliminarmente. “Acreditamos que novas irregularidades possam surgir”, afirmou. (Blog Notícia Política)

Aliado de FBC protocola ação contra aliança do MDB com o PSB em PE…

Orlando Tolentino, filiado ao MDB e aliado de primeira hora do senador Fernando Bezerra Coelho protocolou uma ação contra a aliança do MDB com o PSB em Pernambuco.

“Não se trata de intervenção, mas um pedido de um filiado para que a convenção estadual esteja alinhado com o projeto nacional capitaneado por Henrique Meirelles. E que a candidatura que mais se alinha a esse projeto é a candidatura do senador Armando Monteiro”, afirmou o advogado Bruno Brennand.

O pedido foi subscrito pelo senador Fernando Bezerra Coelho. (Eliselon Lima)

PSB é minimizado na mídia…

A mídia nacional não perdoou o PSB de Paulo Câmara pelo fato de o mesmo ter conseguido fechar acordo com o PT para retirar a candidatura de Marília Arraes. O jornalista e professor Marco Antonio Villa disse o “Partido de Pernambuco só pensa no curral eleitoral da família Campos” e que “nunca poderá ser levado a sério como um partido nacional”.  Quem conhece o professor sabe que ele não morre de amores pelo PT e tampouco pela esquerda, mas como analista político ele disse que a decisão do PSB foi a “pior”do ponto de vista político.

Caso o PSB pensasse em crescer nacionalmente, o caminho ideal era indicar o vice de Ciro Gomes, no entanto ao optar pela neutralidade na eleição deste ano, o PSB lava às mãos em um momento difícil pelo qual atravessa o país. “Está demonstrando quem realmente o partido é, e que só pensam em manter uma dinastia política em Pernambuco” disse o professor em tom crítico. 

Lógico que quem ouviu suas críticas sabe bem que ele não fez isso para defender Marília Arraes, mas numa verdadeira crítica direta ao PSB nacional que se mostrou um partido “nanico” segundo o ele. Em uma dura crítica sobrou até para o governador de São Paulo, Márcio França “E vc, vai ficar em cima do muro também, como seus companheiros de partido lá de Pernambuco?” indagou o professor.

De fato, o PSB rebaixou o estado de Pernambuco nacionalmente, ao ficar neutro na disputa presidencial. Não parece nem de longe com o partido que ficou em terceiro lugar na disputa presidencial de 2014 com Marina Silva e que foi tão sonhado por Eduardo Campos. O PSB de 2013, 2014, morreu. Este que ficou está sem representatividade e perdeu-se totalmente por falta de liderança política. (Silvinho Silva)

PT negocia neutralidade do PSB em troca de acordos regionais…

Dirigentes do PT disseram nesta segunda-feira, 30, durante reunião do Conselho Consultivo do partido, em São Paulo, que os petistas não negociam mais uma coligação nacional com o PSB. O objetivo do PT, agora, é evitar que o PSB se alie formalmente a Ciro Gomes (PDT), e libere suas lideranças estaduais para apoiar o candidato a presidente que considerem melhor. 

A negociação passa por acordos entre PT e PSB em Pernambuco e Minas Gerais. Em Pernambuco, o PT forçaria a saída de sua pré-candidata, a vereadora Marília Arraes, abrindo caminho para a candidatura à reeleição do governador Paulo Câmara (PSB). Em Minas, seria o inverso. O ex-prefeito de Belo Horizonte Marcio Lacerda (PSB) abandonaria a disputa, em favor do petista Fernando Pimentel, que concorre à reeleição.

O PT já adiou duas vezes o encontro nacional que vai definir a posição do partido em Pernambuco em nome das negociações com o PSB. Segundo petistas pernambucanos, Marília tem hoje a maioria do diretório estadual. 

O presidente nacional do PSB, Carlos Siqueira, negou os termos da negociação. Segundo ele, a possibilidade de apoiar o PT ainda não foi totalmente descartada. No domingo, o partido vai decidir entre uma coligação com os petistas, apoio a Ciro ou liberar as lideranças estaduais. O governador de São Paulo, Márcio França (PSB), defende uma candidatura própria, mesmo que seja para perder a eleição. França não quer abrir mão do tempo do partido no horário eleitoral da TV, mas é minoria.

“Não discuti isso (acordo regional envolvendo Lacerda) com ninguém. O PT condicionou a retirada da Marília a um acordo nacional”, afirmou Siqueira. 

O PT ainda negocia alianças com o PROS e o PCdoB. Segundo dirigentes do partido, emissários levaram ao ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, condenado pela Lava Jato e preso em Curitiba, a sugestão de que Manuela d’Ávila, pré-candidata do PCdoB, seja a vice na chapa petista. Lula não se manifestou. 

A escolha do vice é motivo de divergências no PT. Correntes influentes dizem que o partido deve escolher logo um nome dentro de suas próprias fileiras. Um grupo prefere que o vice seja um nome “fraco”, que não seja visto como possível “plano B” a Lula. Outros petistas acham melhor que o vice seja o possível substituto de Lula.

Presidente do PT, a senadora Gleisi Hoffmann (PR) publicou um texto na página do partido no qual critica lideranças da esquerda que admitem uma eleição sem Lula. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Fonte: Estadão Conteúdo

Aliança entre PSB e PT em Pernambuco ou tudo ou nada!…

A esperada aliança entre o PSB e PT em Pernambuco está muito longe de acontecer, isso porque a maioria dos diretórios dos socialistas querem o apoio formal a candidatura de Ciro Gomes (PDT) à presidência da república, deixando os socialistas pernambucanos isolados no congresso do partido.

Ontem, em Feira Nova, o senador Humberto Costa defendeu um ‘apoio informal’ do PSB aos petistas, uma espécie de saída para minar Marília Arraes. Porém essa possibilidade foi levada a Lula através de Gleisi Hoffmann e ele não abre mão do apoio formal a sua candidatura. Ficando claro que a presença de Marília na disputa já se tornou notoriamente uma moeda de troca com os socialista em nível nacional. Parafraseando Lula, Nunca antes na história desse país uma candidatura para governador em Pernambuco refletiu diretamente nas alianças nacionais.

Por sua vez, Paulo Câmara está fazendo bem o dever de casa passou a semana em Brasília conversando com diversas lideranças do seu partido e com a própria senadora Gleisi com objetivo de formalizar essa aliança. Ele também levou o prefeito do Recife, Geraldo Júlio para ajudá-lo nessas movimentações. Desde a morte de Eduardo Campos em 2014, o partido ficou sem uma centralidade nas decisões ou pelo menos que aponte os caminhos.

Por fim, parece que o PT por meio de Lula já partido para tudo ou nada. Ele sabe que é o grande eleitor pernambucano e tem consciência que sua ‘presença’ no palanque é fundamental para está na disputa. Aguardaremos o congresso nacional do PSB, até porque essa decisão está nas mãos deles mesmos! (Elielson Lima)

Chegada de Gleisi Hoffmann cria nova expectativa sobre quadro eleitoral no estado…

A presidente nacional do PT, senadora Gleisi Hoffman, chega nesta quarta-feira para uma série de reuniões com atores importantes da política estadual que poderão determinar o desfecho de um quadro mais cristalino do processo eleitoral. Os números obtidos por Marília Arraes nas pesquisas conferiram a ela o papel de protagonista no processo pré-eleitoral, podendo afirmar que o cenário com ela na disputa será um, mais desfavorável ao governador Paulo Câmara, e se porventura ela ficar de fora, o cenário será outro, com um quadro mais tranquilo para o projeto de reeleição do PSB.

Na esteira das definições relacionadas ao PT, cujo prazo estipulado foi dia 27 deste mês, teremos uma pesquisa eleitoral da Datamétrica, que trará no próximo dia 15 uma fotografia do cenário, que já sedimentou a entrada dos Ferreiras na oposição e a definição de que Mendonça Filho será candidato a senador e não a governador como estava sendo apresentado em alguns questionários. Isso vai permitir saber qual foi o ganho eleitoral de Armando Monteiro e seu potencial na disputa com essas adesões.

O mesmo levantamento estará avaliando os dois cenários possíveis, que é o com Marília Arraes no páreo, e o que se apresenta sem a petista na jogo, o que vai permitir identificar o peso da decisão do PT no processo eleitoral, podendo valorizar o passe do partido na aliança com o PSB, ou até mesmo consolidar de vez a candidatura de Marília como um projeto que tem começo, meio e fim, permitindo ao partido uma chance efetiva de chegar em voo solo ao Palácio do Campo das Princesas.

Os próximos dias servirão de muitas articulações e muito jogo de cintura entre os principais envolvidos no processo eleitoral, uma vez que a composição das chapas majoritárias dependem fortemente do quadro que será colocado através da decisão do caminho do PT. Com um quadro completamente aberto, as decisões tomadas até o final do mês darão um esboço da viabilidade de cada postulante no processo eleitoral e serão determinantes para poder afirmar quem terá chances de vitória em outubro. (Por Edmar Lyra)

Após visita de Ciro, PSB de Pernambuco apoia Lula…

Sergio Roxo e Luís Lima – O Globo

Dois dias depois de o pré-candidato do PDT, Ciro Gomes, visitar o estado e se encontrar com o governador Paulo Câmara e com a viúva de Eduardo Campos, Renata Campos, o PSB de Pernambuco defendeu, pela primeira vez, que o partido feche aliança com Lula para a disputa pelo Palácio do Planalto este ano.

Pernambuco é o estado com o maior número de representeantes no diretório nacional do PSB. O estado também tem importância histórica para a legenda por causa de Campos e de seu avô, Miguel Arraes (1916-2005).

Nos últimos dias, políticos da legenda tem afirmado que um acordo com Ciro está próximo. Mas o movimento do diretório pernambucano pode reverter esse quadro. Os pessebistas de São Paulo, o segundo estado com o maior número de representantes no diretório nacional, também são contra a aliança com o pedetista.

O presidenciável do PDT se encontrou, na tarde de terça-feira, com Câmara e com o prefeito de Recife, Geraldo Júlio (PSB), no Palácio Campo das Princesas, sede do governo pernambucano. Ciro postou uma foto do encontro em suas redes sociais com a frase: “Sigo na luta por uma aliança com o PSB.” Em seguida, fez uma visita a Renata Campos e ao seu filho João, que será candidato a deputado federal na eleição deste ano.

Na quinta-feira, ao divulgar uma nota para desmentir que o acordo com Ciro estivesse fechado, o diretório de Pernambuco do PSB afirmou: “O partido em Pernambuco, seguindo a orientação do governador Paulo Câmara, permanece no diálogo com lideranças nacionais e locais de diversos partidos do campo democrático. Continuaremos a defender, dentro e fora do PSB, uma aliança com o Partido dos Trabalhadores, priorizando a candidatura do ex-presidente Lula.”

No mesmo dia em que a nota foi divulgada, Câmara havia se reunido com o presidente nacional do PSB, Carlos Siqueira, e com a presidente nacional do PCdoB, Luciana Santos.

A nota é um gesto do PSB de Pernambuco em favor do PT. O pessebistas querem que o comando nacional petista force a vereadora Marília Arraes, neta de Miguel Arraes e prima de Campos, a deixar a disputa pelo governo do estado. Impulsionada pela memória do avô e pela popularidade do ex-presidente Lula em Pernambuco, a petista Marília se transformou em ameaçada ao plano de reeleição de Câmara no estado. Uma eventual derrota do atual governador seria um duro golpe no legado de Campos, que era o seu padrinho político.

No PT, a posição majoritária entre dirigentes nacionais é que Marília só deve deixar a disputa se o PSB formalmente apoiar a candidatura de Lula ou de seu substituto. O ex-presidente reúne os requisitos para ser enquadrado na Lei da Ficha Limpa e ter a candidatura impugnada porque foi condenado em segunda instância no âmbito da Lava-Jato no caso do tríplex do Guarujá.

No começo de junho, os petistas aprovaram uma resolução em que determinam que as candidaturas estaduais devem estar alinhadas com o projeto nacional do partido. No documento, citaram formalmente a intenção de buscar acordo com o PSB e o PCdoB.

Dirigentes do PSB de outros estados se opõem a uma aliança com o PT. Diante do impasse, um dos caminhos para o partido seria liberar os diretórios estaduais para apoiarem o presidenciável que fosse mais conveniente para os interesses locais. A solução agradaria também o PSB de São Paulo. O governador Márcio França (PSB), que herdou o cargo de Geraldo Alckmin (PSDB), já anunciou que fará campanha para o tucano.

Nesse cenário, o PSB de Pernambuco declararia adesão a Lula, mas esse movimento dificilmente seria suficiente para que o objetivo principal, a retirada de Marília da eleição pernambucana, seja alcançado.

– A candidatura da Marília só deixa de existir se o PSB, a nível nacional, apoiar formalmente o presidente Lula – afirmou o secretário-geral do PT, Romênio Pereira.

Desde a morte de Campos, em 2014, o PSB sofre com divisões internas e tem dificuldade de encontrar uma unidade. A decisão sobre o rumo do partido na disputa pelo Palácio do Planalto só deve ser anunciada no final de julho.

A posição do PSB pode influenciar também o PCdoB. A expectativa é que, se Ciro conseguir o apoio dos pessebistas, pode também atrair os comunistas na formação de um bloco de centro-esquerda e isolando o PT.

PSB diz que não aceitou imposição dos Ferreiras…

Nos últimos anos não faltou ao governador Paulo Câmara capacidade de dialogar com todas as forças políticas de Pernambuco. Nosso Estado se firma na Federação como um dos poucos que consegue atravessar a grave crise econômica causada pelos problemas vindos de Brasília, sem descuidar de importantes investimentos na segurança pública, na saúde e sobretudo na educação.

No processo eleitoral que se avizinha, o grupo familiar dos Ferreira enxerga apenas sua participação ocupando uma das vagas que disputará o Senado da República.

Diante disso, entendemos que o atual afastamento, depois de quarenta e dois meses de presença no Governo do Estado e na Prefeitura do Recife, se dá unicamente no fato de termos demonstrado que não haverá espaço na futura chapa majoritária da Frente Popular para o referido grupo familiar, uma vez que não faz parte da história do nosso conjunto aceitar esse tipo de imposição.

Sileno Guedes

Presidente Estadual do PSB-PE

PSB avisou ao PT: aliança em Pernambuco não decola…

A direção do PSB já avisou o PT: é enorme a dificuldade do partido em cumprir a exigência dos petistas de firmar com eles aliança nacional, em troca de apoio do PT aos socialistas em Pernambuco. A informação é de Mônica Bergamo na sua coluna desta segunda-feira na Folha de S.Paulo.

A legenda está rachada e muitas lideranças não aceitam o apoio ao PT.

Por sua vez, Jaques Wagner (PT-BA) foi o escolhido por Lula para ler a carta que o ex-presidente escreveu para o lançamento de sua candidatura à campanha presidencial. O ex-governador da Bahia acabou recusando a missão.

Ele tinha aceitado fazer a leitura — mas, quando chegou ao comício, em Contagem (MG), no dia 8, foi surpreendido pela decisão da organização para que os governadores do PT também lessem o documento — cada um ficaria responsável por uma página.

Wagner então achou melhor ficar em silêncio. Argumentou também que, assim, a imprensa não passaria a especular com a possibilidade de ele ser o plano B para substituir Lula como candidato a presidente do PT —hipótese que voltou a circular com força na semana passada. Com o impasse, Dilma Rousseff acabou escalada para ler a mensagem. (Magno Martins)

Powered by WordPress | Designed by: diet | Thanks to lasik, online colleges and seo