Ciro critica Bolsonaro: “Nazista fdp”…

Bruno Góes – O Globo O candidato do PDT à Presidência, Ciro Gomes, discursou ontem, em Goiânia (GO), contra o “militarismo”, “o radicalismo” e a “cultura do ódio”. Terminou sua fala xingando o Leia mais »

Militância de Alckmin contra Bolsonaro no Recife:”Ele não!”…

Em sua chegada para uma palestra sobre pessoas com deficiência, numa faculdade particular do Recife, o candidato a presidente da República pelo PSDB, Geraldo Alckmin, a militância que o aguardava endossou o discurso Leia mais »

Após empate nas pesquisas, Paulo e Armando trocam farpas…

O governador e candidato à reeleição pelo PSB, Paulo Câmara, e o senador e candidato ao Governo de Pernambuco pelo PTB, Armando Monteiro Neto, trocaram diversas farpas, hoje, através de notas enviadas Leia mais »

Bolsonaro “promete salvação”, mas “ameaça o Brasil e a América Latina”, diz The Economist…

A revista inglesa The Economist, referência em todo o mundo, dedica a capa desta semana ao presidenciável Jair Bolsonaro (PSL), “a mais recente ameaça da América Latina”. No editorial que repete a manchete, acrescenta o Leia mais »

Um fim de semana para Alckmin, Haddad e Ciro em PE…

Na pesquisa Datafolha, divulgada ontem, Geraldo Alckmin (9%), aparece tecnicamente empatado com Ciro Gomes (13%), que, por sua vez, empata na margem de erro com Fernando Haddad (16%). Os três presidenciáveis estarão Leia mais »

Tag Archives: definição

MDB nacional pede urgência ao STF sobre conflito em PE…

No início da tarde de ontem, o MDB nacional protocolou, no Supremo Tribunal Federal (STF), pedido de “Tutela Provisória Incidental”, baseado no prazo para realização de convenções partidárias (entre os dias 20 de julho a 5 de agosto). Em outras palavras, a sigla faz alerta ao STF em relação ao risco do “perecimento do direito postulado” no caso da disputa pelo comando do MDB pernambucano. No Estado, a legenda segue presidida pelo vice-governador Raul Henry, mediante liminar do ministro Ricardo Lewandowski. O documento protocolado ontem adverte para a “urgência na análise e no deferimento do presente pedido”, considerando o prazo para definição de candidatos e formação de coligações. “Em resumo, o fato de haver datas legalmente estabelecidas para a realização das convenções partidárias – a partir de 20/07/2018 – torna ainda mais urgente a prestação jurisdicional que encerre os litígios no STF e no TSE, de maneira que os processos voltem a ter curso na jurisdição ordinária e que não haja risco de perecimento do direito postulado”, diz trecho do texto, que pede para rever parcialmente a liminar de Lewandowski.

O pedido está dirigido à presidente do STF, Carmen Lúcia, que está respondendo pelo plantão até 31 de julho. O ex-ministro do TSE, Caputo Bastos, advogado na ação, realça que a data escolhida pelo diretório pernambucano para a convenção, “o primeiro dia do período eleitoral”, visa a inviabilizar os direitos do MDB nacional. Ele invoca ainda o recente parecer do MPF, assinado pelo PGR em exercício, Humberto Jacques de Medeiros, o qual foi revelado com exclusividade pela coluna na última terça-feira. O advogado do partido, presidido por Romero Jucá, registra na petição que existe uma “situação surreal de inércia“. O debate tem a ver com a composição das chapas em Pernambuco, uma vez que o senador Fernando Bezerra Coelho que luta para ter o comando da sigla está no grupo das oposições, enquanto Henry e Jarbas Vasconcelos seguem na aliança do governador Paulo Câmara e Jarbas concorrerá ao Senado. (Por: Renata Bezerra de Melo  / Folha de Pernambuco)

Prazo para definição do secretariado estadual vai chegando ao fim…

Paulo-Câmara

Com a definição do dia 15 de dezembro para o anúncio do secretariado estadual, o governador eleito Paulo Câmara PSB) intensificará as reuniões com sua equipe e aliados para definir a cara da sua administração. Serão três semanas em que o gestor se dedicará ao processo de transição, conversas com lideranças, definição do novo organograma e os nomes que irão compor o seu secretariado.

Nesta segunda-feira (24), o socialista retorna da viagem ao Rio de Janeiro e a expectativa é que as reuniões sejam intensificadas. A Frente Popular tem 21 partidos e será preciso uma nova rearrumação de forças nos governos socialistas.

A possibilidade das alterações no Estado terem reflexo a Prefeitura do Recife também é cogitada por alguns socialistas. Internamente, Paulo Câmara e o prefeito do Recife, Geraldo Julio (PSB), seguem em conversas sobre a conjuntura política. A leitura é que gestor da Capital pode optar por reoxigenar sua administração visando a sua reeleição em 2016.

“Uma nova composição política vai surgir. Na eleição do ano passado, tínhamos uma frente e virou outra, e temos que adequar isso com a Prefeitura e Governo”, afirmou um aliado em reserva.

De maneira informal, o socialista vem procurando representantes de legendas aliadas para sondar os cenários da conjuntura estadual. Contudo, as tratativas não avançaram na discussão de nomes.

Em seu discurso oficial, Paulo Câmara avisa que só discutirá os quadros da sua gestão em dezembro, após formatar o novo organograma estadual. Os sinais dados aos aliados é que ele seguirá os passos do ex-governador Eduardo Campos, que trocou todas as peças possíveis no primeiro escalão estadual.

Entre os aliados, a expectativa é de que o governador eleito deverá contemplar, pelo menos, dois suplentes de cada Casa Legislativa. Para isso, os nomes dos deputados eleitos Felipe Carreras (PSB) e Danilo Cabral (PSB), Fernando Filho (PSB) e João Fernando Coutinho (PSB) são cogitados.

Na Câmara Federal, SD e PP devem ser contemplados com as vagas de Augusto Coutinho e Fernando Monteiro, respectivamente. O PCdoB também reivindicará espaço para o deputado federal Carlos Eduardo Cadoca, que é o terceiro suplente.

Nos bastidores, é ventilada a possibilidade de um dos suplentes ser convocado para a administração estadual. Na Assembleia Legislativa, a aposta é que os suplentes Antônio Moraes (PMDB) e Marcantônio Dourado (PSB) tenham espaço na Casa. Os nomes dos deputados estaduais Alberto Feitosa (PR), Nilton Mota (PSB), Aluísio Lessa (PSB) e Waldemar Borges (PSB) são ventilados como possíveis secretários. (Folha de PE)

Aécio ou Dilma: PSB pode liberar filiados, diz Amaral…

20141007074659_cv_AMARALro-da-esposa-de-eduardo_gde

O presidente do PSB, Roberto Amaral, disse para a candidata derrotada do partido na eleição presidencial, Marina Silva, que será difícil obter a unidade da legenda em torno do nome de Aécio Neves, candidato do PSDB, no segundo turno da disputa. Amaral e a deputada federal Luiza Erundina estiveram na casa de Marina, na noite de segunda-feira, para informar a posição do partido. No PSB, o coordenador da campanha de Marina, Walter Feldman, afirmou que a neutralidade pode ser um caminho adotado pelos socialistas:

— Ele (Amaral) disse que a tendência é não ter unidade de apoio a um ou outro candidato. O que talvez leve o PSB a liberar por decisão individual, mas isso ainda não está claro — disse Feldman. Uma reunião da Executiva do partido, marcada para esta quarta-feira em Brasília, vai definir a posição oficial do partido.

Apesar de estar filiada ao PSB, Marina Silva não se considera integrante da legenda. Sendo assim, é provável que a ex-ministra siga a posição da Rede Sustentabilidade

Na reunião do PSB, marcada para quarta-feira, estarão em discussão duas hipóteses: apoiar Aécio ou a neutralidade, com a permissão para que cada membro da legenda escolha em quem vai votar.

Dos 30 integrantes da Executiva com direito a voto, pelos menos oito defendem uma aliança com tucano. Erundina defende a neutralidade, junto com os candidatos a governador do Amapá, Camilo Capiberibe, e da Paraíba, Ricardo Coutinho. ”O partido está bem dividido”, disse Márcio Franca, presidente da legenda em São Paulo e vice-governador eleito na chapa do tucano Geraldo Alckmin. Ele defende apoio a Aécio. (De O Globo)

Powered by WordPress | Designed by: diet | Thanks to lasik, online colleges and seo