II “Forro do Bucho Chei” em João Alfredo…

Leia mais »

Dr. Marcos Araújo – Ginecologista obstetra…

Leia mais »

João Alfredo – Lagoa Funda terá nova Unidade Básica de Saúde…

A prefeita de João Alfredo, Maria Sebastiana (PSD), recebeu no final da tarde de ontem (11) a confirmação da liberação na ordem de R$ 663 mil, do Ministério da Saúde, destinados à Leia mais »

Venha pra TiConnect….

    Leia mais »

Autor de ataque na Catedral de Campinas é analista de sistema de 49 anos…

Policiais civis de Campinas identificaram o homem que atirou contra fiéis na Catedral Metropolitana da cidade: Euler Fernando Gandolpho tem 49 anos e é analista de sistema. Os documentos dele foram encontrados Leia mais »

Tag Archives: candidatura

Ana Patrícia Alves desiste da candidatura ao Governo…

Do G1/PE

Ana Patrícia Alves, do PCO, anunciou, hoje, que retirou a candidatura ao governo de Pernambuco. O comunicado foi feito durante coletiva de imprensa no Recife.

Mais cedo, o pleno do Tribunal Regional Eleitoral em Pernambuco (TRE-PE) manteve a cassação dos registros das candidaturas do Partido da Causa Operário (PCO) no estado, uma vez que a sigla não apresentou CNPJ. A decisão ainda cabe recurso junto ao Tribunal Superior Eleitoral (TSE), em Brasília.

“Diante do indeferimento das candidaturas do PCO, e em respeito aos eleitores que confiaram em minha postulação ao Governo do Estado de Pernambuco, venho agradecer a todas e a todos e informar que, mesmo com a foto constando na urna, uma vez que não houve tempo hábil para ser retirada, os votos não serão computados. Só tenho a lamentar que a burocracia e as exigências legais ao PCO não tenham sido cumpridas, inviabilizando, inclusive, a possibilidade de recorrer em outras instâncias”, apontou Ana Patrícia Alves no discurso.

A candidatura de Ana Patrícia Alves foi aprovada em convenção do partido. Ela é agente de saúde em Jaboatão dos Guararapes, no Grande Recife. Segundo a agente de saúde, a retirada da candidatura deve ser protocolada no TRE-PE na tarde de hoje.

ONU determina que Lula não pode ter candidatura barrada, segundo defesa…

AFP / DOUGLAS MAGNO

A defesa de Lula divulgou nota, na manhã desta sexta-feira (17), informando que o Comitê Internacional de Direitos Humanos da ONU determinou que o ex-presidente deve ter livre acesso à mídia e não pode ter sua candidatura barrada antes de julgamento. 

“[Estado brasileiro] Tome todas as medidas necessárias para que para permitir que o autor [Lula] desfrute e exercite seus direitos políticos da prisão como candidato nas eleições presidenciais de 2018, incluindo acesso apropriado à imprensa e a membros de seu partido politico.”, informa decisão da ONU. 

Nota dos advogados do presidente Lula

Na data de hoje (17/08/2016) o Comitê de Direitos Humanos da ONU acolheu pedido liminar que formulamos na condição de advogados do ex-Presidente Luiz Inácio Lula da Silva em 25/07/2018, juntamente com Geoffrey Robertson QC, e determinou ao Estado Brasileiro que “tome todas as medidas necessárias para que para permitir que o autor [Lula] desfrute e exercite seus direitos políticos da prisão como candidato nas eleições presidenciais de 2018, incluindo acesso apropriado à imprensa e a membros de seu partido politico” e, também, para “não impedir que o autor [Lula] concorra nas eleições presidenciais de 2018 até que todos os recursos pendentes de revisão contra sua condenação sejam completados em um procedimento justo e que a condenação seja final” (tradução livre).

A decisão reconhece a existência de violação ao art. 25 do Pacto de Direitos Civis da ONU e a ocorrência de danos irreparáveis a Lula na tentativa de impedi-lo de concorrer nas eleições presidenciais ou de negar-lhe acesso irrestrito à imprensa ou a membros de sua coligação política durante a campanha.

Por meio do Decreto nº 6.949/2009 o Brasil incorporou ao ordenamento jurídico pátrio o Protocolo Facultativo que reconhece a jurisdição do Comitê de Direitos Humanos da ONU e a obrigatoriedade de suas decisões.

Diante dessa nova decisão, nenhum órgão do Estado Brasileiro poderá apresentar qualquer obstáculo para que o ex-Presidente Lula possa concorrer nas eleições presidenciais de 2018 até a existência de decisão transitada em julgado em um processo justo, assim como será necessário franquear a ele acesso irrestrito à imprensa e aos membros de sua coligação política durante a campanha. (Diário de Pernambuco)

Armando tem nova oportunidade de chegar ao governo …

Com uma trajetória política relativamente curta, apenas 20 anos, o senador Armando Monteiro iniciou a vida pública como deputado federal em 1998 quando foi eleito para o primeiro mandato. Foi reeleito para mais dois mandatos, quando em 2010 após ter sido o deputado federal mais votado de Pernambuco no pleito anterior, foi eleito senador da República, novamente como o mais votado do pleito.

Esta é a terceira vez que Armando pretende disputar o governo, em 2006 acabou desistindo para apoiar Humberto Costa, e em 2014 foi derrotado por Paulo Câmara após iniciar a disputa com quase quarenta pontos de vantagem sobre seu adversário. Naquela ocasião, dentre outros fatores, a queda de um avião impactou diretamente no processo eleitoral e na vitória do atual governador, tendo Armando que adiar o sonho de governar Pernambuco por mais quatro anos.

Nestes três anos e sete meses do governo Paulo Câmara, muita coisa mudou na vida de Armando. Era ministro do Desenvolvimento, Indústria e Comércio de Dilma Rousseff quando foi surpreendido pelo impeachment de Dilma. No Senado, se posicionou de forma contrária ao processo que cassou a ex-presidente, de quem foi auxiliar, diferentemente do partido do seu adversário que em Pernambuco deu votos para a retirada de Dilma, com a orientação expressa do governador Paulo Câmara.

Armando ao longo de 2017 se afastou gradativamente do PT, e aproximou-se de partidos que foram empurrados para a oposição pelo próprio governador Paulo Câmara. Em nenhum momento Armando colocou o seu desejo de ser governador a frente do conjunto de forças que estava sendo construído. A escolha do senador se deu de forma harmônica e respeitosa entre seus pares da coligação Pernambuco Vai Mudar.

Hoje ele será oficializado como candidato a governador de uma frente política composta por pelo menos doze partidos, podendo ter seu número ampliado, tendo Fred Ferreira como seu vice-governador e Bruno Araújo e Mendonça Filho no Senado. Aos 66 anos, Armando é administrador de empresas e advogado, é reconhecido como um dos senadores mais importantes do Brasil e se preparou a vida inteira para este momento que está vivendo.

Não será tarefa fácil derrotar o PSB, mas é evidente que os últimos acontecimentos envolvendo a retirada de Marília Arraes do páreo, as chances de Armando aumentaram, uma vez que ele tem agora todas as condições de canalizar o sentimento de mudança que estava se imprimindo naquele eleitorado que sinalizava por Marília Arraes. Com a eleição plebiscitária que se viabilizou pela retirada de Marília, Armando tornou-se um candidato muito mais competitivo do que era antes da decisão do PT de abdicar da candidatura própria. (Por Edmar Lyra)

PT estadual vota a favor da candidatura de Marília…

Diário de Pernambuco

A reunião do diretório do PT em Pernambuco se transformou no principal evento político do país hoje. Todas as atenções da esquerda nacional – e o olhar atento dos demais atores políticos envolvidos na eleição que se aproxima – estavam voltados para a decisão dos 251 delegados petistas no Recife em relação à manutenção da candidatura da vereadora Marília Arraes ao governo do estado. Sob forte pressão da Executiva Nacional – que, na noite anterior, fechou um acordo com o PSB para apoiar a reeleição do atual governador Paulo Câmara – a maioria absoluta dos militantes do PT gritavam pela resistência local. Sentimento que ficou ainda mais exposto quando o senador Humberto Costa foi hostilizado em sua chegada ao encontro. Cercado e acuado pelos gritos de “golpista”, Humberto tentou utilizar uma possível orientação do ex-presidente Lula como justificativa para seu posicionamento contra a candidatura de Marília: “Vocês acreditam que existe alguma coisa que seja aprovada no PT que não tenha o apoio ou o conhecimento de Lula?”

De Curitiba, ainda em frente à sede da Polícia Federal onde Lula está preso, a presidente do partido, Gleisi Hoffman, gravou um vídeo para reforçar o posicionamento do PT de apoiar o PSB em Pernambuco. A senadora estava reunida com o ex-presidente minutos antes de gravar o vídeo e, desta forma, enviava um recado direto e seco para Marília. A “voz silenciosa” de Lula ecoava pelos corredores e salas do Recife Praia Hotel. Durante o processo de votação dos delegados, a portas fechadas, a vereadora e pré-candidata deixou a sala e foi para uma ala reservada do hotel fazer ligações. Do lado de fora, ouviu coros de apoio dos militantes. A divisão do partido estava clara. O futuro de Marília não.

Eram 20h40 quando o som que veio do salão onde acontecia a votação deixou claro o que acabara de acontecer ali dentro. A candidatura da vereadora Marília Arraes resistiu à pressão da cúpula do partido. A decisão da Executiva Nacional foi “derrubada” pelos delegados pernambucanos.

Isso significa que Marília terá sua candidatura oficializada? Ainda não. O ex-deputado federal Fernando Ferro explicou os próximos passos do imbróglio: “Depois desse encontro vai haver uma votação do recurso da Executiva Nacional amanhã. Se não tivermos sucesso, vamos recorrer a última instância domingo. Isso está sendo muito ruim para o partido. Tem muita gente querendo se desfilar. Como lidar com isso? Sou favorável até que recorramos a instâncias jurídicas. Isso pode destroçar o PT de Pernambuco”.

Enquanto a militância fazia festa em torno de Marília, o senador Humberto Costa afirmou que a decisão do diretório de Pernambuco dificilmente será validada pela cúpula nacional. “A decisão de amanhã, se não houver nada novo, será manter a decisão da executiva. Hoje eu defendi a aliança com o PSB e amanhã defenderei de novo”, afirmou o senador que – no entanto – não se negou a dar as mãos a Marília após o resultado: “Serei candidato ao Senado de todo jeito”.

Marília diz não desistir e aliados já buscam um plano B…

 Marlon Diego/Esp.DP – 

Pré-candidata ao governo do estado, a vereadora Marília Arraes (PT) tomou a decisão de bater de frente com as executivas estadual e nacional do PT até domingo, quando termina o prazo das convenções partidárias. Ontem, a cúpula nacional da legenda aprovou a resolução para retirar sua pré-candidatura em Pernambuco por 17 votos a oito, a executiva estadual acatou essa decisão, porém Marília resistiu às pressões de ambos os lados e rejeitou apoiar o palanque do governador Paulo Câmara (PSB). A petista repetiu um discurso que vem sendo usado pelo próprio ex-presidente Lula, que se nega a abrir mão de concorrer à Presidência da República, mesmo estando preso há mais de 100 dias. Ela prometeu apoiar o recurso movido por aliados contra a tática anunciada pela executiva nacional e ir “até as últimas instâncias”. 

“Marília Arraes não tem o direito de recuar a candidatura e colocar a esperança das pessoas numa mesa como moeda de troca, a preço de banana”, afirmou a pré-candidata, recebendo aplausos da militância presente na coletiva convocada na sede da Central Única dos Trabalhadores. Marília falou à imprensa depois de divulgar um vídeo nas redes sociais e convocar os delegados do PT para marcar presença no encontro estadual previsto para hoje à tarde, às 17h, no Praia Hotel em Boa Viagem. O encontro estadual tem autonomia em relação à executiva nacional. Trezentos delegados vão votar para apoiar a tese de candidatura própria ou aliança estadual com o PSB, defendida pelo senador Humberto Costa. 

A petista negou a hipótese de o ex-presidente Lula ter feito jogo duplo nos últimos meses, apoiando sua candidatura ao governo, para, em seguida, rifá-la em troca de apoio do PSB nacional. Lula sempre adota esse tipo de estratégia, segundo informações de bastidores. O cacique petista incentivou uma disputa velada entre Humberto Costa e João Paulo, no passado, depois estimulou a candidatura de Humberto Costa e Eduardo Campos, em 2006, e, em 2012, deu a bênção para a retirada da candidatura de João da Costa à Prefeitura do Recife. Na época, Humberto Costa concorreu ao governo municipal, no lugar de João da Costa. Para Marília, Lula apoia sua pré-candidatura e não interfere nas decisões partidárias.

“Da parte do presidente Lula, todos os sinais que Lula mandou, os recados antes de ser preso e depois da prisão política que ele está sofrendo (foram positivos à minha candidatura). Ele mandou recado por Rui Falcão (ex-presidente nacional do PT), por João Pedro Stédile (coordenador do MST) e pelo Frei Sérgio Görgen (que acompanha movimentos populares do campo). Então, eu e a sociedade achamos que essas pessoas têm idoneidade suficiente para não saírem de uma visita com Lula e colocando palavras na boca de Lula”.

Continua…

Por que o PT não lança Dilma Rousseff à Presidência?…

Mariliz Pereira Jorge – Folha de S.Paulo

Perguntar não ofende. Por que não Dilma? Por que o PT não a lança à Presidência? O partido teria a chance de provar que, como a militância defende, era uma “presidenta” escolhida pelo povo, honesta, competente, guerreira, vítima de um golpe de Estado. Meio golpe. 

O Senado rasgou a Constituição ao fatiar o impeachment, com a chancela do ministro Ricardo Lewandowski, do STF (Supremo Tribunal Federal). Dilma deveria ter perdido o direito de exercer cargos públicos por oito anos. Mas está aí, faceira, denunciando a pernada que levou do seu vice, a prisão política de Lula —em países tão democráticos quanto Cuba—, prestes a concorrer ao Senado. 

Ainda que digam que não há plano B, que o candidato é Lula, fala-se emFernando Haddad e Jaques Wagner, se o ex-presidente tiver as negativas do TSE e do STF. Ora, Haddad perdeu no primeiro turno uma eleição municipal, Jaques Wagner não parece disposto a abrir mão do favoritismo ao Senado pela Bahia. 

Por que o PT não avalia o nome de Dilma, a “presidenta” tão amada, proba, que teve 52% dos votos? Por que a #voltaquerida passou a ser ignorada pela militância, que grita em uníssono apenas #lulalivre? Seria um retorno triunfal. 

Talvez porque o PT tenha pavor de Dilma. Talvez porque, para o partido, ela seja o que Haddad disse sobre Alckmin: o atraso na disputa do Planalto. O petista ainda se referiu ao tucano como a continuidade do governo Temer. Como se o PT não tivesse nada a ver com o atual presidente. 

Como se Dilma não tivesse seguido o programa do PSDB depois de ter levado uma eleição apertadíssima contra o finado (politicamente) Aécio. Como se Lula não tivesse mantido o plano econômico de FHC, que a militância tanto detesta. 

É preciso estar muito distraído para não perceber quando a velha política desdenha da velha política. E quando os partidos e correligionários desdenham de seus próprios representantes.

Lula já se decidiu por Marília…

A nota do deputado Silvio Costa (AVANTE) candidato ao senado na chapa de Marília não veio a público à toa. Ele estava falando em nome de alguém. Alguns interlocutores que estiveram com Lula esta semana, disseram que ele está uma arara com o PSB. “Se eu não estivesse aqui, duvido que o PSB estaria fazendo o PT de palhaço”. Lula não tem escondido de quem o vai visitar que está desgostoso com o PSB que quer apenas receber, mas não quer dar nada em troca. 

Segundo um aliado em reserva, Lula chegou a dizer que precisa do apoio do PSB a sua candidatura e não de apoio de Paulo Câmara. “Que eu saiba quem tá precisando de votos é ele e não eu” disse o ex-presidente que ainda reclamou do PC do B e demais siglas que estariam “em cima do muro” com relação ao apoio do PT. Neste momento em que escrevo a coluna chega a informação de que o PSB adiou a sua decisão para uma data próxima da convenção. O partido está dividido: Entre Ciro, Lula e a neutralidade. Já se levantou uma nova corrente dentro do partido de militantes que querem convencer Joaquim Barbosa, ex-STF, a disputar a presidência. 

O adiamento da decisão só faz confirmar uma coisa que todos sabem: O PSB já derrotou a ideia do governador Paulo Câmara, pois se o mesmo tivesse votos suficientes na legenda não teria motivos para tal adiamento e já teria mandado a candidatura de Marília Arraes para às cucuias. O PSB pode ter estendido o prazo para si próprio, no entanto, para o PT o prazo se encerra hoje: dia 26. E a Presidente do PT, Gleisi Hoffmann, precisa levar alguma decisão para Lula. 

Já no início de Julho, Lula teria externado o desejo de ter Marília como candidata a governador por Pernambuco. E esta semana, ele está uma arara com o PSB que está fazendo de palhaços diversos petistas e inclusive ele. Embora os olhares dos pernambucanos estejam voltados para Pernambuco, na figura de Marília Arraes, o PSB ainda atrapalha os projetos da senadora Fátima Bezerra no Rio Grande do Norte. Lula já decidiu por Marília, e na pior das hipóteses, ele terá dois palanques em Pernambuco e ponto final. (Blog Silvinho Silva)

PSL oficializa candidatura de Bolsonaro à Presidência…

Do G1 – Por Alba Valéria Mendonça

Foi confirmado, na tarde deste domingo (22), o nome do deputado federal Jair Bolsonaro, de 63 anos, como candidato do Partido Social Liberal (PSL) à Presidência da República nas Eleições 2018. Bolsonaro foi escolhido por aclamação de correligionários no encontro nacional da legenda, que ocorreu no Rio de Janeiro.

Durante o evento, não foi definido ou anunciado um nome para disputar o cargo de chefe do Executivo como vice-presidente de Bolsonaro. Segundo comunicado durante a convenção, o partido irá definir quem será vice até o dia 5 de agosto.

A advogada Janaina Paschoal, cotada para ser vice de Bolsonaro, participou do evento, mas disse que ainda está “dialogando” com a campanha do presidenciável. Além da advogada, Jair Bolsonaro foi acompanhado pelos filhos Carlos, Eduardo e Flávio.

O agora candidato à Presidência chegou ao Centro de Convenção Sulamérica, na Cidade Nova, acompanhado pelo senador do Partido da República Magno Malta e também pelo general da reserva Augusto Heleno Ribeiro Pereira, do Exército.

Antes do encontro, o presidente do PSL em São Paulo, Major Olímpio, declarou que Bolsonaro é “a grande força geradora de votos do partido”. Outros representantes, segundo ele, são apenas “figurantes”. “A grande força geradora de votos do partido é o Bolsonaro. Qualquer outro filiado é figuração”, disse.

Confira a íntegra  da reportagem aqui: PSL oficializa candidatura de Jair Bolsonaro à Presidência

Marília Arraes vai entrar na disputa, entendem familiares…

Marilia Arraes. Foto Matheus Bernardes/PT

Marcos Arraes, pai de Marília Arraes, a pré-candidata do PT ao governo de Pernambuco, diz ter convicção de que a filha conseguirá entrar na disputa.

“A tentativa de barrar o nome dela é sintoma do medo que o PSB está de perder o Estado. Coisa que parece que uma parte do PT não está vendo”, diz.

A campanha de Marília só será lançada se o PSB não apoiar Lula na eleição nacional.

PSB agora vai de novo atrás de Joaquim Barbosa

Diante da divisão interna, dirigentes do PSB decidiram procurar Joaquim Barbosa para pedir que ele volte ao páreo da disputa pelo Palácio do Planalto.

O ministro aposentado do STF anunciou em maio que não iria concorrer.

Um amigo de Barbosa foi acionado por dirigentes do PSB neste sábado (21)

A tese de que vale a pena tentar persuadi-lo ganhou força com a crescente indefinição na sigla, que está pressionada pelo PT e pelo PD

Quem esteve com Barbosa acha difícil ele ceder ao apelo.

O ex-presidente do Supremo afirmou não ter saudades da época em que flertou com a pré-candidatura. Quer paz, segundo os relatos. (Daniela Lima – Painel, Folha de S.Paulo)

PSOL confirma Guilherme Boulos como candidato à Presidência…

O PSOL confirmou neste sábado (21) em São Paulo, o nome do líder do Movimento dos Trabalhadores Sem Teto (MTST), Guilherme Boulos como candidato à Presidência da República, para as eleições 2018. A chapa será composta pela líder indígena, Sônia Guajajara que foi escolhida como vice. Nas últimas semanas, Boulos se aproximou do PT em busca de apoio. PSOL estaria de olho no apoio do partido caso o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva seja impugnado pela Justiça Eleitoral.

No dia 9, Boulos e o presidente nacional do PSOL, Juliano Medeiros, participaram de um colóquio promovido pelo Instituto Novos Paradigmas, em Porto Alegre (RS), cujo presidente do conselho é o ex-ministro Tarso Genro, uma das poucas lideranças petistas a romper o silêncio imposto pela direção partidária e falar publicamente sobre as alternativas do partido na disputa presidencial caso Lula seja barrado.

Além de Tarso, participaram do colóquio os deputados Maria do Rosário e Henrique Fontana, além do ex-prefeito de Porto Alegre Raul Pont. Segundo participantes, Boulos e Medeiros deixaram uma boa impressão entre os petistas. A repercussão favorável do encontro animou a cúpula da campanha de Boulos, que já fala em receber apoio de medalhões petistas caso Lula seja, de fato, impugnado.

Convenção. Participam da convenção deste sábado 61 membros do diretório nacional além de parlamentares do partido, de pré-candidatos aos governos estaduais, à Câmara dos Deputados, ao Senado Federal e às assembleias legislativas. A assessoria do PSOL também divulga a presença de militantes do MTST e de organizações indígenas. (Agência Estado)

PDT lança candidatura de Ciro Gomes a presidente…

O PDT confirmou a candidatura de Ciro Gomes à Presidência da República, na convenção nacional em Brasília que reuniu filiados do partido nesta sexta-feira (20). “Ciro tem a responsabilidade de ser a síntese do Brasil soberano, mais justo e mais soberano”, afirmou o presidente do PDT, Carlos Lupi. A convenção reuniu integrantes do Diretório Nacional e do Conselho Político, representantes de movimentos sociais vinculados ao partido, senadores, deputados federais e estaduais, delegados e presidentes das comissões provisórias.

O partido não definiu o candidato a vice-presidente nem as demais legendas que integrarão a chapa de Ciro Gomes. A expectativa da cúpula do PDT é que a eleição presidencial alavanque o partido nos estados. Lupi tem falado em eleger este ano uma bancada de pelo menos 40 deputados federais. Atualmente o partido tem 19 deputados federais e três senadores.

Até agora, o PDT tem oito nomes para disputar os governos estaduais: Waldez Góes (AP), Lígia Feliciano (PB), Carlos Eduardo Alves (RN), Jairo Jorge (RS), Pedro Fernandes (RJ), Acir Gurgacz (RO), Odilon de Oliveira (MS) e Osmar Dias (PR).

Perfil

Esta é a terceira vez que Ciro Gomes será candidato à Presidência da República: em 1998 e 2002, ele concorreu pelo PPS. Natural de Pindamonhangaba (SP), construiu sua carreira política no Ceará, onde foi prefeito de Fortaleza, eleito em 1988, e governador do estado, eleito em 1990. Renunciou ao cargo de governador, em 1994, para assumir o Ministério da Fazenda, no governo Itamar Franco (1992-1994), por indicação do PSDB, seu partido na época.

Ciro Gomes foi ministro da Integração Nacional de 2003 a 2006, no governo do ex-presidente Lula, e tocou o projeto de Transposição do Rio São Francisco. Deixou a Esplanada dos Ministérios para concorrer a deputado federal e foi eleito. Também exerceu dois mandatos de deputado estadual no Ceará. Tem 60 anos e quatro filhos. (Agência Brasil)

Cido Plácido confirma sua pré candidatura a deputado estadual pelo (PTB)…

O ex-prefeito de Machados Cido Plácido confirmou sua pré candidatura a deputado estadual pelo PTB , durante encontro realizado nesta quinta-feira (19) com o pré-candidato a governador de Pernambuco Armando Monteiro. 

Na oportunidade, Cid tratou de diversos assuntos do interesse do povo pernambucano, em especial reivindicou o asfaltamento da PE 86 que liga Machados a Orobó, sendo um dos compromissos do pré-candidato Armando, e também da saúde estadual que se encontra em péssimo estado, com hospitais praticamente abandonados e sem condições nenhuma para socorrer os pacientes. E por fim firmaram ainda mais o compromisso de lutar para melhorar a situação da população estadual. (Machados Agora)

Powered by WordPress | Designed by: diet | Thanks to lasik, online colleges and seo