Júlio Cavalcanti confirma em nota que não vai disputar eleição…

Em uma nota divulgada em sua rede social, o Deputado Estadual Júlio Cavalcanti (PTB) confirmou que não irá disputar as eleições deste ano quando iria em busca de um terceiro mandato. Na Leia mais »

Festa da Independência, em João Alfredo…

Leia mais »

A dúvida sobre a candidatura do PROS…

No dia 05 de agosto, às 19 horas, Pernambuco viu nascer uma nova candidatura ao governo de Pernambuco. Após a vereadora recifense a candidata a deputada federal Marília Arraes (PT) ter sua Leia mais »

Venha pra TiConnect….

  Leia mais »

Rompimento de canal da transposição pode ter sido criminoso…

Equipes do Ministério da Integração Nacional informaram neste domingo (12) que o rompimento de um canal do Eixo Norte do Projeto de Integração do Rio São Francisco, entre os municípios de Terra Nova e Salgueiro, em Pernambuco, na tarde Leia mais »

Tag Archives: ARmando Monteiro

Convenção de Armando reúne 15 mil pessoas…

Diante de um Classic Hall lotado, o senador Armando Monteiro (PTB) fez uma conclamação ao povo de Pernambuco, durante a convenção que lhe oficializou como candidato ao governo pela frente de oposição “Pernambuco Vai Mudar”:  chegou o momento de olhar para o futuro e de, tendo um público de mais de 15 mil pessoas como testemunhas, homenagear quem mais merece: o povo pernambucano. O evento ocorreu neste sábado (4), reunindo candidatos e representantes dos 13 partidos que compõem a aliança liderada pelo petebista: PTB, PSDB, DEM, PSC, PPS, PRB, Podemos, PV, PSL, PRTB, PHS, PSDC e PMB.

Era uma hora da tarde quando, após uma sequência de discursos que incluiu seus companheiros de chapa  – os candidatos a vice-governador Fred Ferreira (PSC) e às duas vagas no Senado, Bruno Araújo (PSDB) e Mendonça Filho (DEM) -, Armando se posicionou na passarela armada na casa de eventos de Olinda para as falas da convenção, que começou às 9h. “Não é hora de olhar para o passado. Querem falsear o debate. Mas sabe o que nos interessa? É o lado da mudança, o do futuro de Pernambuco”, afirmou.

“O que é ser novo? Não é apenas ser jovem. Ser novo é ser diferente, é ser capaz de entender as mudanças e transformações. É ser honesto, é entender que se governa para a maioria de forma transparente”, salientou.

Armando desferiu críticas contundentes à letargia que tomou conta do Estado desde que o governador Paulo Câmara tomou posse, em janeiro de 2015.  “Sabemos que a eleição de 2014 não foi uma eleição em que apenas se elegeu um governador. Foi uma homenagem ao ex-governador Eduardo Campos”, disse o candidato a governador, emendando: “Mas essa justa homenagem de seguiu uma grande decepção. Esse governo tem a marca da omissão: falhou na saúde, na educação, na segurança.”

Para Armando, Pernambuco vive um momento em que a pressa do povo em se ver livre dos problemas não se conecta com a do governo, que não responde à população com a urgência necessária. “São duas velocidades: a do povo, que sofre, a velocidade da vida real, e a velocidade desse governo: um governo lerdo, quase parado. Pernambuco tem pressa para compensar o atraso”, enfatizou o candidato a governador, cujo palanque conta com o apoio de 94 candidatos a deputados federais e estaduais.(Blog do Silvinho)

Armando tem nova oportunidade de chegar ao governo …

Com uma trajetória política relativamente curta, apenas 20 anos, o senador Armando Monteiro iniciou a vida pública como deputado federal em 1998 quando foi eleito para o primeiro mandato. Foi reeleito para mais dois mandatos, quando em 2010 após ter sido o deputado federal mais votado de Pernambuco no pleito anterior, foi eleito senador da República, novamente como o mais votado do pleito.

Esta é a terceira vez que Armando pretende disputar o governo, em 2006 acabou desistindo para apoiar Humberto Costa, e em 2014 foi derrotado por Paulo Câmara após iniciar a disputa com quase quarenta pontos de vantagem sobre seu adversário. Naquela ocasião, dentre outros fatores, a queda de um avião impactou diretamente no processo eleitoral e na vitória do atual governador, tendo Armando que adiar o sonho de governar Pernambuco por mais quatro anos.

Nestes três anos e sete meses do governo Paulo Câmara, muita coisa mudou na vida de Armando. Era ministro do Desenvolvimento, Indústria e Comércio de Dilma Rousseff quando foi surpreendido pelo impeachment de Dilma. No Senado, se posicionou de forma contrária ao processo que cassou a ex-presidente, de quem foi auxiliar, diferentemente do partido do seu adversário que em Pernambuco deu votos para a retirada de Dilma, com a orientação expressa do governador Paulo Câmara.

Armando ao longo de 2017 se afastou gradativamente do PT, e aproximou-se de partidos que foram empurrados para a oposição pelo próprio governador Paulo Câmara. Em nenhum momento Armando colocou o seu desejo de ser governador a frente do conjunto de forças que estava sendo construído. A escolha do senador se deu de forma harmônica e respeitosa entre seus pares da coligação Pernambuco Vai Mudar.

Hoje ele será oficializado como candidato a governador de uma frente política composta por pelo menos doze partidos, podendo ter seu número ampliado, tendo Fred Ferreira como seu vice-governador e Bruno Araújo e Mendonça Filho no Senado. Aos 66 anos, Armando é administrador de empresas e advogado, é reconhecido como um dos senadores mais importantes do Brasil e se preparou a vida inteira para este momento que está vivendo.

Não será tarefa fácil derrotar o PSB, mas é evidente que os últimos acontecimentos envolvendo a retirada de Marília Arraes do páreo, as chances de Armando aumentaram, uma vez que ele tem agora todas as condições de canalizar o sentimento de mudança que estava se imprimindo naquele eleitorado que sinalizava por Marília Arraes. Com a eleição plebiscitária que se viabilizou pela retirada de Marília, Armando tornou-se um candidato muito mais competitivo do que era antes da decisão do PT de abdicar da candidatura própria. (Por Edmar Lyra)

Armando Monteiro representa maior coligação oposicionista dos últimos tempos …

Pré-candidato a governador de Pernambuco, o senador Armando Monteiro será oficializado no próximo sábado como candidato de uma coligação que possui garantidos pelo menos doze partidos, configurando-se na maior frente política de um projeto oposicionista da história recente. Além do mais, serão dois senadores, uma dezena de deputados federais, quase quinze deputados estaduais, e dezenas de prefeitos de todo o estado.

No que diz respeito aos prefeitos, é importante frisar que Armando Monteiro será apoiado pelos prefeitos de Jaboatão dos Guararapes, Camaragibe, Garanhuns, São Lourenço da Mata, Igarassu, Belo Jardim, Santa Cruz do Capibaribe, Caruaru, Petrolina e Araripina, que juntos representam parte significativa do eleitorado, e que terão papel imprescindível na eleição deste ano.

Diferentemente de 2014 quando foi colocado como candidato de mudança num forte sentimento de continuidade, Armando será novamente candidato num quadro em que o eleitor sinaliza pelo desejo de mudança. Essa frente política montada em torno de Armando, diga-se de passagem, com muita harmonia entre os aliados, foi construída sem qualquer tipo de imposição da parte do petebista, que acabou sendo ungido como candidato sem ter qualquer aresta.

Armando que já foi três vezes deputado federal, presidente da CNI, ministro e senador, tem envergadura suficiente para exercer o cargo de governador, que há anos é o seu maior desejo. Se em 2014 ele teve Eduardo Campos como um grande óbice ao seu projeto, em 2018 ele dependerá exclusivamente dele para chegar ao segundo turno e tentar quebrar uma hegemonia que já dura doze anos.

Como candidato de uma ampla frente política, o senador Armando Monteiro conta com importantes apoios na politica, como o do senador Fernando Bezerra Coelho, que já prometeu ser um leão-de-chácara na tentativa de levá-lo ao Palácio do Campo das Princesas em 2019. Armando é definitivamente o candidato da mudança em Pernambuco, mas não uma mudança para caminhos incertos, pelo seu perfil, pela sua história e sobretudo pela sua experiência, ele é a mudança mais segura que será ofertada a Pernambuco nestas eleições. (Por Edmar Lyra)

A importância do grupo Ferreira na vice de Armando …

Após a definição de Mendonça Filho e Bruno Araújo nas vagas de senadores da chapa de Armando Monteiro, resta a vaga de vice-governador para completar a majoritária da oposição, cuja definição deverá ocorrer até o próximo sábado, quando será oficializada a convenção do grupo Pernambuco vai mudar.

Comandando a segunda maior cidade de Pernambuco, o prefeito de Jaboatão dos Guararapes Anderson Ferreira é uma das lideranças políticas em maior ascensão no estado, venceu a disputa de 2016 lutando contra duas máquinas, chegou ao segundo turno e derrotou um político tradicional da cidade. Atualmente, o prefeito tem 68% de aprovação, sendo um dos expoentes da região metropolitana do Recife, tornando-se fundamental para o projeto liderado por Armando Monteiro.

Durante o evento da UVP, o senador Armando Monteiro afirmou que em seu governo daria atenção especial aos vereadores, sendo bastante elogiado por suas palavras. Colocando um vereador em sua chapa, Armando estaria colocando em prática o seu discurso de valorizar o cargo mais próximo da população. O nome do vereador Fred Ferreira, terceiro mais votado do Recife com 14.277 votos, teria um peso significativo, pois valorizaria o segmento evangélico, representaria o grupo Ferreira na majoritária, levaria a figura do vereador para a chapa e rejuvenesceria o projeto oposicionista.

Além do mais, a entrada de Fred faria um contraponto a Marília Arraes no Recife, também vereadora e bem posicionada nas pesquisas, e outro a Luciana Santos, que envolveu-se nesta confusão do Festival de Inverno de Garanhuns através do seu indicado Marcelino Granja e trouxe problemas para o governador Paulo Câmara na comunidade cristã após a peça Jesus Trans. Um membro do segmento evangélico ajudaria Armando a conquistar o eleitorado conservador que certamente repudiará Luciana Santos na chapa de Paulo Câmara e não deverá votar em Marília Arraes.

Dentre as possibilidades levantadas para a vice de Armando Monteiro, o nome de Fred Ferreira cairia como uma luva para o projeto, pois não tiraria mais nenhum nome da chapa proporcional oposicionista e garantiria a presença e o empenho do grupo Ferreira na majoritária, que além da prefeitura de Jaboatão com Anderson Ferreira, elegerá Manoel Ferreira deputado estadual e André Ferreira deputado federal. (Por Edmar Lyra)

Em convenção, PRTB, PV, PHS e PSL anunciam apoio a Armando…

A coligação “Avança Pernambuco”, que reúne as legendas PRTB, PV, PHS e PSL, realizou sua convenção neste sábado (28), em um hotel no Pina, na Zona Sul do Recife. Durante o evento, o grupo anunciou o seu apoio às pré-candidaturas do senador Armando Monteiro Neto (PTB) ao Governo do Estado e dos deputados federais Bruno Araújo (PSDB) e Mendonça Filho (DEM) ao Senado. Também neste sábado, o PSDB ingressou na Frente “Pernambuco Vai Mudar”. Com isso, são 12 partidos reunidos em torno do nome de Armando, Mendonça e Bruno: PTB, DEM, PSDB, PPS, PSC, Podemos, PV, PRB, PHS, PSL, PSDC e PRTB.

“Não se trata de apenas um grupo numérico, mas qualificado, formado por pessoas que sentem no dia a dia os problemas de Pernambuco”, afirmou Armando Monteiro Neto ao fazer referência aos 112 pré-candidatos à Assembleia Legislativa de Pernambuco (Alepe) e à Câmara Federal. Estiveram presentes os presidentes estaduais do PRTB, Ednázio Silva; do PHS, Belarmino Souza; do PSL, Marcos Amaral; e o vice-presidente do PV, Fellipe Vasconcelos. 

O presidente do PRTB, Ednázio Silva, resumiu o que levou os partidos ao apoio a Armando, Mendonça e Bruno. “Pernambuco tem um câncer, um tumor que precisa ser tratado. E Armando é o nome certo para resolver essa questão”, ressaltou.

Na ocasião, Mendonça Filho destacou o crescimento da Frente “Pernambuco Vai Mudar”. “Até ontem estávamos em oito partidos e hoje estamos em 12, tudo isso movido pela insatisfação da população com a falta de rumo do Governo”, disse. “Pernambuco não quer governador que sorri fácil, Pernambuco não quer governador que diz sim a tudo ou que obedece a todo mundo. Pernambuco quer um governador altivo, com autoridade, que conhece os problemas da população”, destacou Bruno Araújo. (Blog da Folha)

Armando: Vamos dar ao vereador o respeito que ele merece…

Dar ao governo do Estado a oportunidade de conhecer mais profundamente as demandas dos municípios, por meio de instrumentos que permitam uma maior aproximação da administração estadual com os representantes do povo que têm a relação mais cotidiana com a população: o vereador. Esta foi a mensagem que o pré-candidato a governador pela frente “Pernambuco Vai Mudar”, Armando Monteiro (PTB), passou em sua participação, na manhã de hoje, durante a abertura do Congresso Estadual de Vereadores (as) e Servidores (as) de Câmaras Municipais e Prefeituras. O evento ocorre até o domingo 29, no Hotel Canariu’s, em Gravatá, no Agreste, promovido pela União dos Vereadores de Pernambuco (UVP).

Acompanhado pelos deputados federais Bruno Araújo (PSDB) e Mendonça Filho (DEM), pré-candidato ao Senado, Armando teve a chance de expor a uma plateia de cerca de 300 pessoas suas propostas para o governo em dez áreas: saúde, educação, segurança pública, política social, geração de empregos, desenvolvimento econômico, mobilidade, infraestrutura, meio ambiente e relações com os vereadores.

Foi justamente nesta última área que as propostas de Armando tiveram maior repercussão. “Estive presente em todos os congressos da UVP. Não estou aqui hoje só porque sou pré-candidato. Estou aqui porque respeito o vereador”, reforçou Armando. O pré-candidato destacou que pretende criar um gabinete especial, inserido na estrutura da Casa Civil, para colher as demandas dos vereadores. “Hoje, os vereadores nem sequer são atendidos. Precisam ir com um prefeito ou um deputado. A ideia é que possamos dar ao governante a oportunidade de conhecer melhor o cotidiano dos municípios. Vamos dar ao vereador a atenção que ele merece”, salientou Armando, o primeiro dos pré-candidatos ao governo a expor suas propostas no evento. 

Armando também anunciou que criará o Conselho de Articulação Municipal, no qual os vereadores terão assento permanente, mediante representação da UVP. “Esse conselho vai atuar junto ao governador e a UVP terá uma cadeira permanente. Há muitos técnicos bons, mas que ficam nos gabinetes e não conhecem a realidade concreta. Com isso, estaremos mais perto do povo.”

PROJETOS – O deputado federal Mendonça Filho também ressaltou a importância do vereador para a democracia. “Nós temos um projeto de interação com os municípios. E os vereadores são essenciais nessa interação direta.”

“Viemos não só ouvir, mas oferecer um conjunto de ações de experiência. Um conjunto de propostas que o senador Armando Monteiro vai apresentar à sociedade pernambucana, fruto da discussão, do debate democrático. E esse fórum é um dos mais importantes porque tem a representação direta da sociedade pernambucana” afirmou Bruno Araújo, que será oficializado amanhã como pré-candidato ao Senado. 

Armando dá sua versão sobre episódios envolvendo a oposição…

Em contato com o blog, o senador Armando Monteiro fez as suas ponderações a respeito das informações envolvendo a coligação que ele lidera como pré-candidato a governador de Pernambuco. A primeira delas foi a respeito das suas declarações de que era o condutor do processo da oposição, ele explicou que tomou conhecimento de articulações envolvendo a ocupação das vagas de vice e de senador pela imprensa, e considerou pertinente dar um freio de arrumação deixando claro que o comando era dele garantido pelos partidos da frente política que ele lidera.

Em relação a visita ao ex-presidente Lula ocorrida na semana passada, Armando comunicou a todos os demais integrantes da oposição de que faria uma visita institucional ao ex-presidente como membro de uma comissão do Senado junto com outros senadores. Segundo o petebista, não houve nenhuma objeção por parte dos integrantes da oposição a sua decisão de visitar Lula. Armando frisou que quando os partidos oposicionistas optaram pelo seu nome como candidato a governador sabiam da sua relação histórica com o ex-presidente e que ele não poderia apagar de uma hora pra outra esta relação.

No tocante à posição nas pesquisas, em especial a Datamétrica divulgada recentemente, o senador lembrou que cresceu nas simulações de primeiro turno e nas simulações de segundo turno obteve um desempenho positivo, empatando com Paulo Câmara e recebendo na proporção de 3 pra 1 os votos de eleitores de Marília Arraes na hipótese de segundo turno, portanto refutou a avaliação de que ele estivesse fragilizado no cenário eleitoral.

Por fim, ao falar do episódio envolvendo Bruno Araújo, Armando ressaltou que na composição da frente política que ele lidera, Bruno Araújo sinalizou abrir mão da vaga de senador para atrair apoios, inclusive o PSC que foi o último a chegar. Até aquele momento estava cristalizado que Bruno seria candidato a deputado federal. Após uma viagem do tucano, Armando foi informado do desejo de Bruno de disputar o Senado, que considera legítimo, mas que é preciso respeitar a decisão do conjunto da aliança, citando nominalmente Fernando Bezerra Coelho, Silvio Costa Filho, Mendonça Filho, Daniel Coelho e Ricardo Teobaldo como integrantes de partidos da coligação que precisariam ser ouvidos.

Quando questionado sobre a importância do PSDB para a sua coligação e o direito do partido de indicar a vaga de senador, Armando disse que existem várias formas de medir a importância de um partido na coligação, e que o tempo de televisão não é a variável mais importante para determinar a posição de cada partido. O petebista afirmou que o PSDB é relevante no processo e que teria prevalência na composição da chapa majoritária uma vez que é um dos pilares da coligação.

Perguntado se Bruno Araújo seria oficializado como o segundo senador, Armando disse que não tinha nada definido quanto a isso, que não acredita que o PSDB sairá da coligação, e que espera definir em breve a sua chapa majoritária, de preferência antes do dia 4 de agosto, quando será realizada a convenção que o homologará como candidato a governador.

(Por Edmar Lyra)

Armando oferece palanque a Alckmin em Pernambuco…

Para não perder o PSDB de sua coligação o senador Armando Monteiro (PTB) entrou em contato com o presidenciável do PSDB, Geraldo Alckmin, oferecendo o palanque do PTB em Pernambuco ao tucano. Em troca, o partido apoiaria sua candidatura a governador no estado, desta forma, ficando  o PSDB com a vaga de senador ou de vice na chapa de Armando. 

Se o PSDB de Pernambuco vai aceitar compor com Armando novamente, está nas mãos do deputado federal e presidente do PSDB, Bruno Araújo. Caso se confirme, o PSDB pode indicar Bruno Araújo ao senado ou até mesmo Elias Gomes, ex-prefeito de Jaboatão dos Guararapes. Bruno, segundo bastidores, está muito magoado com Armando Monteiro e pensa em disputar a reeleição à Câmara Federal e não mais o senado, cedendo a vaga a Elias Gomes. (Blog Silvinho Silva)

Saída do PSDB fragiliza ainda mais Armando Monteiro …

Após o anúncio de que Armando Monteiro seria o candidato das oposições em 11 de junho, a expectativa era que o petebista pudesse criar fatos políticos positivos para a sua postulação, que reunia partidos importantes como PSDB e DEM, que em 2014 marcharam com a eleição de Paulo Câmara. Por ser o maior partido da coligação, cabia ao PSDB a vaga que quisesse na majoritária, indicando o nome que julgasse mais pertinente.

O movimento do anúncio do PSC, que rompeu com Paulo Câmara entregando os cargos, teria todas as condições de fazer de Armando Monteiro um nome bastante competitivo, isso se o petebista tivesse habilidade política para montar uma chapa competitiva. Se André Ferreira quisesse disputar o Senado e Bruno Araújo quisesse indicar o vice, era o caminho mais do que natural para a composição da majoritária, mas se porventura Bruno optasse pelo Senado, teria toda condição de ser o nome, uma vez que é o presidente estadual da sigla e maior liderança do partido, e a André Ferreira caberia ser o vice ou indicar um nome de sua confiança, que poderia ser Fred Ferreira.

Em vez de ficar satisfeito que Bruno Araújo estava disposto a entrar na majoritária, arriscando um mandato líquido e certo de federal, para demonstrar que estava entrando de corpo e alma na campanha de Armando, o petebista optou por apegar-se ao detalhe de Bruno ter sido ministro de Temer. É como se Armando tivesse vergonha de ter Bruno como aliado. O PSDB servia para dar a contribuição do tempo de televisão, mas não poderia indicar seu principal nome para a majoritária.

Armando deu demonstrações de inabilidade quando, nas especulações de que Bruno Araújo seria o nome para o Senado, afirmou ser ele o comandante da aliança e caberia a ele a escolha da chapa completa. A afirmação foi recebida como uma declaração autoritária por parte do petebista, que poderia ter enaltecido a figura de Bruno e dizer que ainda não tinha nada definido para a composição.

Não se dando por satisfeito, Armando sabe lá orientado por quem, decidiu fazer uma visita a Lula na prisão, talvez achando que por isso o eleitor que aprova Lula fosse votar nele. Ledo engano, caberia a Armando, na condição de uma frente política distanciada do PT, falar para o eleitorado não-lulista do estado. Quando Armando fez aquela visita estapafúrdia a Lula conseguiu desagradar a todos. Nem conquistou o eleitorado lulista, que não vai votar nele por causa disso, e ainda ficou mal na fita com o eleitor que desaprova Lula no estado, que agora pode querer outra opção para votar.

Bruno Araújo, relegado a uma condição de total coadjuvante no processo, ficou insatisfeito com a sucessão de erros adotada por Armando, que preocupado com a pecha de palanque de Temer, acabou por perder o principal partido da sua coligação. O ônus de ter um ex-ministro de Temer na sua majoritária seria de longe menor do que o ônus de perder o PSDB, que agora deverá lançar uma candidatura própria ao governo para tentar conquistar o eleitor que Armando com sua atitude de visitar Lula desprezou, e fragilizou ainda mais a candidatura do petebista, que na ótica generalizada da classe política corre um sério risco de minguar no decorrer da campanha porque não conseguiu se posicionar corretamente na conjuntura eleitoral. (Por Edmar Lyra)

Bruno Araújo rompe com o candidato ao governo Armando Monteiro…

O deputado federal Bruno Araújo, presidente do PSDB, enviou uma carta para o pré-candidato ao Governo de Pernambuco Armando Monteiro (PTB) revelando insatisfação com o grupo Pernambuco Vai Mudar. Especula-se que Araújo poderá sair como candidato ao Governo para dar palanque a Geraldo Alckmin em Pernambuco. Leia a carta na íntegra:

Companheiros e Companheiras do PSDB.

Desde o ano passado somos, junto com outros partidos, protagonistas na busca de uma alternativa de Governo para os pernambucanos. Nos últimos dias tem havido um debate interno no conjunto de nossa aliança com a discussão do meu nome a uma das vagas do Senado, indicado pela totalidade do nosso partido

Mesmo não havendo fato novo que descaracterize o perfil dos nomes até então por nós cogitados para colaborar nas candidaturas majoritárias, ficou evidente a dificuldade levantada por esse conjunto em dar seguimento ao meu nome para uma das vagas ao Senado, sob argumentos que me reservo o direito de discordar, pois eram de conhecimento de todos desde nossas primeiras tratativas.

Registro meu agradecimento a totalidade de meu partido e especialmente a um grande conjunto de lideranças das mais diversas correntes partidárias e campos políticos que manifestaram o seu voto de confiança naquele movimento pelo Senado.

Sigo também firme para defender um projeto nacional que precisa oferecer aos pernambucanos outra alternativa ao congestionamento político que existe aqui de apoio a um único candidato presidencial, que não deve ser a única alternativa oferecida a um Estado de histórica e rica diversidade política como o nosso.

Devolvo a meu Partido a honrosa indicação que recebi para que defina o melhor caminho para continuar ajudando a melhorar a vida das pessoas.

Pernambuco nunca faltou ao Brasil…

Bruno Araújo.
Presidente Estadual do PSDB

(Blog Roberta Jungmann)

Em Orobó, prefeito do PSD declara apoio à pré-candidatura de Armando ao governo…

Ontem (19), a pré-candidatura do senador Armando Monteiro ao governo do Estado recebeu mais um importante estímulo. Desta vez, diante de cerca de 500 pessoas, o prefeito de Orobó, Chaparral (PSD), uma das mais expressivas lideranças do Agreste Setentrional, manifestou o seu apoio ao projeto da frente “Pernambuco Vai Mudar”, em um encontro realizado na sua residência, na localidade de Sítio Caiçaras, na zona rural do município de pouco mais de 22 mil habitantes.

Presentes ao ato, além de Armando e Chaparral, o deputado federal e pré-candidato à reeleição Fernando Bezerra Coelho Filho (DEM), a pré-candidata a deputada estadual pelo Patriota Juliana de Chaparral, o vice-prefeito Biu Abreu (PSD), o ex-deputado federal Ricardo Heráclio, vereadores, suplentes, ex-prefeitos e lideranças políticas e sociais de toda a região, vindas de cidades como Casinhas, Bom Jardim, Limoeiro, Bom Conselho e Surubim.

“O atual governador não fez nada por Orobó. Não trouxe nem mesmo uma agulha para cá. E não foi por falta de reivindicação: batemos à porta do Palácio das Princesas várias vezes e nem notícia tivemos dos pleitos do povo de Orobó”, disse o prefeito em sua fala, na qual relatou que buscou junto ao governo do Estado a solução para problemas antigos da cidade, como o recapeamento das rodovias PE-86 e PE-88, a limpeza da Barragem de Escuro e a reforma do clube municipal. “Nós sabemos do passado do senador Armando Monteiro. É um homem de palavra, esteve com o presidente Lula em todos os momentos. Pois a hora de mudar chegou e vamos trabalhar para eleger um governador para fazer as obras que Orobó precisa”, finalizou.

O pré-candidato ao governo da frente “Pernambuco Vai Mudar” agradeceu o apoio de Chaparral e de Juliana e destacou a liderança do prefeito na região. “Chaparral é um prefeito que é referência para todo o Estado. Sabe ser leal e eu sei o que é ser leal na vida pública. Os ventos da mudança chegaram a Orobó há seis anos e, se chegaram há Orobó, também estão chegando em Pernambuco”, enfatizou Armando Monteiro. “Pernambuco perdeu voz, perdeu força no cenário nacional. E foi por falta de comando. Esse governo cumpriu com as expectativas? Por onde andamos, ouvimos as pessoas dizendo que temos que mudar”, completou.

Armando enfatizou que o atual Governo do Estado não cumpre as promessas. “Este governador que está aí é bom é de ordem de serviço. Mas quase nunca a obra começa. E, quando começa, para”, disparou. “Na hora de crise é que a gente sabe quem é o líder. Chaparral soube liderar sem o apoio do governo do Estado. Se o povo de Pernambuco assim entender, eu garanto que Orobó terá o respeito que Orobó merece”, arrematou o pré-candidato ao governo. (Edmar Lyra)

Armando Monteiro visita ex-presidente Lula em Curitiba…

Na campanha eleitoral de 2014, Lula apoiou a candidatura de Armando ao governo do estado. Crédito: Instituto Lula

O senador Armando Monteiro (PTB) visitou, nesta terça-feira (17), o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) na sede da Polícia Federal em Curitiba, no Paraná. O petebista integrou uma comissão suprapartidária formada por senadores que fazem parte da Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) do Senado Federal. O objetivo da comitiva foi verificar as condições de todos os presos e a situação da carceragem da PF.

Além de Armando Monteiro, que foi ministro de Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior de Dilma Rousseff, também estiveram com o ex-presidente Lula os senadores Roberto Requião (MDB-PR), Renan Calheiros (MDB-AL), Edison Lobão (MDB-MA) e Jorge Viana (PT-AC) – autor do requerimento para realização da visita. Lula está preso na carceragem da Polícia Federal há mais de 100 dias.

Ao sair da sede da PF, Armando afirmou ter encontrado o ex-presidente Lula animado. O senador ressaltou que, para além do caráter institucional, a visita também teve um significado pessoal, tendo em vista a relação de amizade do ex-presidente com seu pai, o ex-ministro Armando Monteiro Filho.

“O presidente Lula está animado, inteiro, e fiquei muito feliz de encontrá-lo com disposição. Essa viagem tem, para além do caráter institucional, de uma visita oficial do Senado”, afirmou Armando. “Para mim, também tem um sentido pessoal, por minha relação de muitos anos com o presidente Lula e como uma homenagem ao meu pai, que se vivo estivesse certamente viria aqui trazer solidariedade ao presidente Lula”, ressaltou. (Diário de Pernambuco)

Powered by WordPress | Designed by: diet | Thanks to lasik, online colleges and seo