II “Forro do Bucho Chei” em João Alfredo…

Leia mais »

Dr. Marcos Araújo – Ginecologista obstetra…

Leia mais »

João Alfredo – Lagoa Funda terá nova Unidade Básica de Saúde…

A prefeita de João Alfredo, Maria Sebastiana (PSD), recebeu no final da tarde de ontem (11) a confirmação da liberação na ordem de R$ 663 mil, do Ministério da Saúde, destinados à Leia mais »

Venha pra TiConnect….

    Leia mais »

Autor de ataque na Catedral de Campinas é analista de sistema de 49 anos…

Policiais civis de Campinas identificaram o homem que atirou contra fiéis na Catedral Metropolitana da cidade: Euler Fernando Gandolpho tem 49 anos e é analista de sistema. Os documentos dele foram encontrados Leia mais »

Tag Archives: 2018

João Alfredo – Ecos da festa de Conclusão da Escola MOURA SANTANA…

Data: 01/12/2018

Local: Ginásio Djair Santos

Cidade: João Alfredo-PE

Escola Moura Santana

Fotos: Gordo Portela

Este slideshow necessita de JavaScript.

Ibope: Jair Bolsonaro tem 59% e Fernando Haddad 41% dos votos válidos…

O Ibope divulgou, nesta segunda-feira (15), a primeira pesquisa do segundo turno das eleições. Nela, o candidato pelo PSL, Jair Bolsonaro aparece com  59% dos votos válidos, 18 pontos percentuais na frente de Fernando Haddad (PT), que aparece com 41%.

O cálculo considera apenas os votos válidos, aquele que exclui nulos, brancos e indecisos. O Ibope entrevistou 2.506 eleitores em 176 municípios do país. A pesquisa foi realizada nesse sábado (13) e domingo (14). A margem de erro é de dois pontos percentuais para mais ou para menos.

Rejeição

A pesquisa revela ainda que Bolsonaro é o candidato que mais tem simpatizantes convictos: 41% votariam nele com certeza enquanto 35% não votariam de jeito nenhum. 

O novo dado também traz que Haddad é o mais rejeitado. Entre os entrevistados 47% não votariam no candidato e 28% dos eleitores manifestam certeza na escolha do petista para presidente. (Diário de Pernambuco)

Festa do 83º aniversário de emancipação política de João Alfredo-PE…

João Alfredo completa 83 anos de Emancipação Política e você é o convidado especial para curtir a festa. Na próxima terça-feira, dia 9 de outubro, a partir das 21h, na Praça de Eventos Manoel Cavalcanti, três atrações animam mais um ano da Cidade Feliz. Anote na agenda, convide a família, chame os amigos e brinde essa data especial. João Alfredo te aguarda de portas abertas!

Datafolha – Pernambuco, votos válidos: Paulo Câmara, 52%; Armando Monteiro, 35%…

G1 PE

Pesquisa Datafolha divulgada neste sábado (6) aponta os seguintes percentuais de voto para o governo de Pernambuco. A margem de erro é de 2 pontos percentuais para mais ou para menos.

Votos Válidos

  • Paulo Câmara (PSB): 52%
  • Armando Monteiro (PTB): 35%
  • Dani Portela (PSOL): 4%
  • Julio Lossio (Rede): 3%
  • Maurício Rands (Pros): 3%
  • Ana Patrícia Alves (PCO): 1%
  • Simone Fontana (PSTU): 1%

Para calcular os votos válidos, são excluídos da amostra os votos brancos, os nulos e os eleitores que se declaram indecisos. O procedimento é o mesmo utilizado pela Justiça Eleitoral para divulgar o resultado oficial da eleição. Para vencer no primeiro turno, um candidato precisa de 50% dos votos válidos mais um voto.

Votos Totais

Veja, abaixo, o resultado da pesquisa Ibope considerando os votos totais.

  • Paulo Câmara (PSB): 42%
  • Armando Monteiro (PTB): 28%
  • Dani Portela (PSOL): 4%
  • Julio Lossio (Rede): 3%
  • Maurício Rands (Pros): 3%
  • Ana Patrícia Alves (PCO): 1%
  • Simone Fontana (PSTU): 1%
  • Branco/nulo/nenhum: 14%
  • Não sabe: 4%

A candidata Ana Patrícia Alves anunciou, na terça-feira (2), que retirou a candidatura ao governo de Pernambuco.

Simulações de segundo turno (votos totais)

Paulo Câmara 48% x 37% Armando Monteiro (PTB) – (branco/nulo: 14%; não sabe: 2%)

Rejeição

A Datafolha também mediu a taxa de rejeição (o eleitor deve dizer em qual dos candidatos não votaria de jeito nenhum). Nesse item, os entrevistados puderam escolher mais de um nome, por isso, os resultados somam mais de 100%. Veja os índices:

  • Armando Monteiro (PTB): 33%
  • Paulo Câmara (PSB): 32%
  • Dani Portela (PSOL): 30%
  • Julio Lossio (Rede): 29%
  • Simone Fontana (PSTU): 29%
  • Ana Patrícia Alves (PCO): 27%
  • Maurício Rands (PROS): 27%
  • Rejeita todos/não votaria em nenhum: 9%
  • Votaria em qualquer um/não rejeita nenhum: 3%
  • Não sabe: 6%

Sobre a pesquisa

  • Margem de erro: 2 pontos percentuais para mais ou para menos

  • Quem foi ouvido: 2.674 eleitores, com 16 anos ou mais, em 59 municípios

  • Quando a pesquisa foi feita: nos dias 5 e 6 de outubro

  • Registro no TSE: PE‐05100/2018

  • O nível de confiança utilizado é de 95%. Isso quer dizer que há uma probabilidade de 95% de os resultados retratarem o atual momento eleitoral, considerando a margem de erro

  • 0% significa que o candidato não atingiu 1%. Traço significa que o candidato não foi citado por nenhum entrevistado

Pesquisa Datafolha em Pernambuco: Paulo Câmara, 42%; Armando Monteiro, 28%…

G1 PE

Pesquisa Datafolha divulgada nesta quinta-feira (4) aponta os percentuais de intenção de voto para o governo de Pernambuco. A margem de erro é de 3 pontos percentuais, para mais ou para menos.

Votos totais

Veja os números da pesquisa estimulada, considerando todas as intenções de voto, inclusive as respostas dos eleitores que se declaram indecisos ou que votariam em branco ou nulo:

  • Paulo Câmara (PSB): 42%
  • Armando Monteiro (PTB): 28%
  • Dani Portela (PSOL): 3%
  • Julio Lossio (Rede): 3%
  • Maurício Rands (Pros): 3%
  • Ana Patrícia Alves (PCO): 1%
  • Simone Fontana (PSTU): 1%
  • Branco/nulo/nenhum: 15%
  • Não sabe: 4%

A candidata Ana Patrícia Alves anunciou, na terça-feira (2), que retirou a candidatura ao governo de Pernambuco.

Evolução dos votos totais

Em relação ao levantamento anterior, divulgado na sexta-feira (28):

  • Paulo Câmara foi de 38% para 42%
  • Armando Monteiro foi de 30% para 28%
  • Dani Portela foi de 2% para 3%
  • Julio Lossio se manteve com 3%
  • Maurício Rands se manteve com 3%
  • Ana Patrícia Alves se manteve com 1%
  • Simone Fontana se manteve com 1%
  • Branco/nulo/nenhum foi de 16% para 15%
  • Não sabe foi de 6% para 4%

Votos válidos

Veja, abaixo, o resultado da pesquisa Datafolha considerando apenas os votos válidos. Para calcular esses votos, são excluídos da amostra os votos brancos, os nulos e os eleitores que se declaram indecisos. O procedimento é o mesmo utilizado pela Justiça Eleitoral para divulgar o resultado oficial da eleição. Para vencer no primeiro turno, um candidato precisa de 50% dos votos válidos mais um voto. Veja os índices:

  • Paulo Câmara (PSB): 52%
  • Armando Monteiro (PTB): 35%
  • Dani Portela (PSOL): 4%
  • Julio Lossio (Rede): 4%
  • Maurício Rands (Pros): 3%
  • Ana Patrícia Alves (PCO): 2%
  • Simone Fontana (PSTU): 1%

Rejeição

A Datafolha também mediu a taxa de rejeição (o eleitor deve dizer em qual dos candidatos não votaria de jeito nenhum). Nesse item, os entrevistados puderam escolher mais de um nome, por isso, os resultados somam mais de 100%. Veja os índices:

  • Paulo Câmara (PSB): 32%
  • Armando Monteiro (PTB): 32%
  • Dani Portela (PSOL): 26%
  • Ana Patrícia Alves (PCO): 25%
  • Julio Lossio (Rede): 24%
  • Simone Fontana (PSTU): 24%
  • Maurício Rands (PROS): 24%
  • Rejeita todos/não votaria em nenhum: 8%
  • Votaria em qualquer um/não rejeita nenhum: 3%
  • Não sabe: 6%

Segundo turno

A Datafolha apresentou cenário para o segundo turno com os dois primeiros colocados. Veja:

Paulo Câmara: 46% x 36% Armando Monteiro (branco/nulo: 16%; não sabe: 3%)

Sobre a pesquisa

  • Margem de erro: 3 pontos percentuais para mais ou para menos

  • Quem foi ouvido: 1.482 eleitores em 59 municípios, com 16 anos ou mais

  • Quando a pesquisa foi feita: nos dias 3 e 4 de outubro

  • Registro no TSE: PE-05100/2018

  • Contratantes da pesquisa: TV Globo e Folha de S.Paulo

  • O nível de confiança utilizado é de 95%. Isso quer dizer que há uma probabilidade de 95% de os resultados retratarem o atual momento eleitoral, considerando a margem de erro

Mendonça fez uma jogada muito arriscada em 2018…

Com um mandato de deputado estadual, três de deputado federal, dois de vice-governador e nove meses como governador, Mendonça Filho vivenciou seu melhor momento político ao ascender ao ministério da Educação, onde realizou um importante trabalho na área, sendo reconhecido por todo o país.

Talvez pelo nível de poder jamais experimentado, Mendonça acreditou que fosse esta a sua vez de vencer a primeira eleição majoritária em faixa própria, porém apostou numa jogada de alto risco ao lançar três candidaturas na sua família em 2018. Além da sua própria tentativa ao Senado, Mendonça lançou seu filho Vinícius para deputado federal e sua irmã Andrea para deputada estadual. A família Mendonça já havia atingido resultados importantes quando em 1994 José Mendonça e Mendonça Filho foram eleitos juntos para a Câmara dos Deputados, e reeditou a situação em 2010 quando Mendonça e seu cunhado Augusto Coutinho foram eleitos deputados federais.

Porém em 2018, apesar da passagem pelo MEC, não era o momento de Mendonça lançar três candidaturas. A tentativa ao Senado, mesmo tendo experimentado quatro derrotas majoritárias em sua vida pública, foi importante para dar sustentação a Armando Monteiro, que ficou reticente a entrar na disputa pelo governo de Pernambuco e só decidiu entrar no jogo quando Mendonça confirmou que seria seu companheiro de chapa.

A candidatura ao Senado, que foi costurada no intuito de conquistar o segundo voto de todos os políticos do estado, começou com ressalvas quando Mendonça colocou um familiar na disputa pela Câmara Federal criando arestas com seus colegas deputados federais e outro familiar para a Assembleia Legislativa de Pernambuco fortalecendo o descompromisso dos deputados estaduais com a sua candidatura.

Se Mendonça estava arriscando um mandato no Senado, era aceitável que ele lançasse um nome em seu lugar para a Câmara dos Deputados, pois era fundamental manter a cadeira do seu grupo político em Brasília. O grande erro talvez tenha sido a terceira candidatura, pois ficou uma logística difícil de tocar. A grande demonstração de força política para Mendonça não era eleger o filho e a irmã nestas eleições, e sim eleger-se para o Senado Federal conquistando sua primeira vitória majoritária em voo solo.

Faltando três dias para o pleito, Mendonça está correndo risco de perder as três tentativas, pois é importante salientar que a sua vitória em 2014 para a Câmara dos Deputados foi na penúltima vaga da Frente Popular, então estava latente que um substituto da sua família não teria vida fácil nas eleições deste ano, mesmo que desfrutasse de aparato financeiro para tocar sua candidatura. A sua tentativa para o Senado precisa quebrar algumas barreiras, a primeira é a de nunca ter vencido uma eleição majoritária, a segunda é a de subverter a lógica e ser eleito senador numa chapa majoritária que está atrás nas pesquisas, e a terceira é retirar uma desvantagem de treze pontos no Ibope que dá a liderança a Jarbas Vasconcelos e Humberto Costa.

Ainda que Mendonça consiga eleger Vinícius deputado federal no próximo domingo, se não for eleito senador e não eleger Andrea deputada estadual, o ex-ministro da Educação não terá resultado satisfatório, uma vez que ficará sem mandato e seu grupo político ficará apenas com o que já tinha, ofuscando uma eventual vitória de Vinícius por duas eventuais derrotas. De todo modo, a sobrevivência do grupo passa por esta vitória de Vinícius, uma vez que se nem ela ocorrer, a implosão será ainda maior. Foi uma jogada muito arriscada que poderá prejudicar um grupo político que já teve um grande protagonismo na política estadual na época do ex-deputado José Mendonça. (Edmar Lyra)

Pesquisa Ibope para o Senado em Pernambuco: Humberto, 33%; Jarbas, 33%; Mendonça, 20%…

Pesquisa Ibope divulgada nesta terça-feira (2) aponta os seguintes percentuais de intenção de voto para o Senado em Pernambuco:

  • Humberto Costa (PT): 33%
  • Jarbas (MDB): 33%
  • Mendonça Filho (DEM): 20%
  • Silvio Costa (Avante): 11%
  • Bruno Araújo (PSDB): 9%
  • Pastor Jairinho (Rede): 5%
  • Adriana Rocha (Rede): 2%
  • Eugênia (PSOL): 2%
  • Hélio Cabral (PSTU): 2%
  • Albanise Pires (PSOL): 2%
  • Lídia Brunes (Pros): 1%
  • Alex Rola (PCO): 1%
  • Brancos/nulos – Vaga 1: 19%
  • Brancos/nulos – Vaga 2: 29%
  • Não sabe/não respondeu: 30%

A pesquisa foi encomendada pela TV Globo e pelo “Jornal do Commercio”.

No levantamento anterior, feito entre os dias 24 e 26 de setembro, os percentuais de intenção de votos eram os seguintes:

  • Humberto Costa (PT): 32%

  • Jarbas (MDB): 31%

  • Mendonça Filho (DEM): 22%

  • Silvio Costa (Avante): 12%

  • Bruno Araújo (PSDB): 9%

  • Pastor Jairinho (Rede): 5%

  • Adriana Rocha (Rede): 3%

  • Eugênia (PSOL): 2%

  • Hélio Cabral (PSTU): 2%

  • Albanise Pires (PSOL): 2%

  • Lídia Brunes (Pros): 1%

  • Alex Rola (PCO): 1%

  • Brancos/nulos – Vaga 1: 20%

  • Brancos/nulos – Vaga 2: 29%

  • Não sabe/não respondeu: 30%

Sobre a pesquisa divulgada nesta terça, 2

  • Margem de erro: 3 pontos percentuais para mais ou para menos

  • Quem foi ouvido: 1.512 eleitores

  • Quando a pesquisa foi feita: 29 de setembro a 1º de outubro

  • Registro no TRE: PE-04128/2018

  • Registro no TSE: BR-09633/2018

  • O nível de confiança utilizado é de 95%. Isso quer dizer que há uma probabilidade de 95% de os resultados retratarem o atual momento eleitoral, considerando a margem de erro

Pesquisa Ibope em Pernambuco: Paulo, 39%; Armando, 27%…

G1  PE

Pesquisa Ibope divulgada nesta terça-feira (2) aponta os seguintes percentuais de intenção de voto para o governo de Pernambuco:

  • Paulo Câmara (PSB): 39%
  • Armando Monteiro (PTB): 27%
  • Julio Lossio (Rede): 3%
  • Maurício Rands (PROS): 3%
  • Dani Portela (PSOL): 2%
  • Ana Patrícia Alves (PCO): 1%
  • Simone Fontana (PSTU): 1%
  • Brancos/nulos: 15%
  • Não sabe/não respondeu: 8%

A pesquisa foi encomendada pela TV Globo e pelo “Jornal do Commercio”.

A candidata Ana Patrícia Alves anunciou, nesta terça-feira (2), que retirou a candidatura ao governo de Pernambuco.

No levantamento anterior, feito entre os dias 24 e 26 de setembro, os percentuais de intenção de votos eram os seguintes:

  • Paulo Câmara (PSB): 35%
  • Armando Monteiro (PTB): 27 %
  • Julio Lossio (Rede): 3%
  • Maurício Rands (PROS): 2%
  • Ana Patrícia Alves (PCO): 1%
  • Simone Fontana (PSTU): 1%
  • Dani Portela (PSOL): 1%
  • Brancos/nulos: 23%
  • Não sabe/não respondeu: 7%

Sobre a pesquisa desta terça-feira, 2

  • Margem de erro: 3 pontos percentuais para mais ou para menos

  • Quem foi ouvido: 1.512 eleitores

  • Quando a pesquisa foi feita: de 29 setembro a 1º de outubro

  • Registro no TRE: PE-04128/2018

  • Registro no TSE: BR‐09633/2018

  • O nível de confiança utilizado é de 95%. Isso quer dizer que há uma probabilidade de 95% de os resultados retratarem o atual momento eleitoral, considerando a margem de erro

Rejeição

O Ibope também mediu a taxa de rejeição (o eleitor deve dizer em qual dos candidatos não votaria de jeito nenhum). Nesse item, os entrevistados puderam escolher mais de um nome. Veja os índices no levantamento feito entre e de setembro:

  • Paulo Câmara (PSB): 34%
  • Armando Monteiro (PTB): 30%
  • Dani Portela (PSOL): 21%
  • Julio Lossio (Rede): 20%
  • Simone Fontana (PSTU): 18%
  • Ana Patrícia Alves (PCO): 18%
  • Maurício Rands (PROS): 17%
  • Poderia votar em todos: 4%
  • Não sabe/não respondeu: 16%

Simulação de segundo turno

Paulo Câmara 43% x 34% Armando Monteiro (branco/nulo: 17%; não sabe: 6%)

Palpitômetro: Deputado Federal: Quem vai ser eleito?

Silvinho Silva

Faltando apenas uma semana para a eleição, o Blog traz o nosso palpitômetro, sobre quem possivelmente será eleito nas eleições para deputado federal neste ano de 2018. De acordo com o nosso levantamento, que volto a dizer, foi feito a 8 mãos, pois contamos com a ajuda de alguns amigos de outras regiões do estado, o prognóstico é que estes sejam os deputados federais eleitos em 07 de outubro. Acreditamos que a Frente Popular nas suas mais variadas coligações fará 13 deputados federais, enquanto que a oposição também em variadas coligações fará 12 deputados federais. Confira o nosso palpite para a eleição de 2018.

Projeções para a eleição de deputados federais 2018:

1. Marília Arraes (PT)
2. João Campos (PSB)
3. Eduardo da Fonte (PP)
4. Pastor Eurico (PATRIOTAS)
5. André Ferreira (PSC)
6. Daniel Coelho (PPS)
7. Felipe Carreras (PSB)
8. Sebastião Oliveira (PR)
9. Danilo Cabral (PSB)
10. Vinícius Mendonça (DEM)
11. Silvio Costa Filho (PRB)
12. Milton Coelho (PSB)
13. Wolney Queiroz (PDT)
14. Zeca Cavalcanti (PTB)
15. Ricardo Teobaldo (PODEMOS)
16. André de Paula (PSD)
17. Odacy Amorim (PT)
18. Augusto Coutinho (SD)
19. Fernando Monteiro (PP)
20. Gonzaga Patriota (PSB)
21. Luciano Bivar (PSL)
22. Fernando Filho (DEM)
23. Raul Henry (MDB)
24. João Fernando Coutinho (PROS)
25. Davi Muniz (PATRIOTAS)

(Não necessariamente nesta ordem)

Nesta quarta-feira estarei publicando os prováveis eleitos para deputado estadual.

Pessoas trans poderão votar com nome social no título pela primeira vez…

Pela primeira vez, Luísa Veras Martins vai votar. Aos 21 anos, a cabeleireira está animada e ansiosa para participar do processo. Até porque, no título de eleitor, constará o nome com o qual ela se identifica, e não aquele registrado na certidão de nascimento. A jovem transexual é um dos 90 moradores de Brasília que alteraram o documento nos cartórios eleitorais e, em 7 de outubro, votarão com os nomes sociais.

No total, eles são 6.280 — cinco dos quais vivem no exterior. Embora estatisticamente não seja um número representativo dentro do universo de 147.306.275 votantes, é um avanço, na opinião de Toni Reis, presidente da Aliança Nacional LGBTI+. “Isso se chama inclusão. Nós éramos queimados na fogueira, fomos tratados como criminosos e doentes. A cultura se muda aos poucos, não é de um dia para o outro. O nome social no título de eleitor é um avanço civilizatório”, acredita. “O Estado deve preservar a dignidade das pessoas.”

O direito de solicitar a emissão do título com o nome social foi conquistado em 22 de março, no Plenário do Tribunal Superior Eleitoral (TSE). Por unanimidade, os ministros decidiram que pessoas transexuais e travestis poderiam alterar não só o documento, mas a identidade de gênero com a qual se identificam. De acordo com a assessoria de imprensa do órgão, nas estatísticas do eleitorado, vale a informação prestada pelo votante, independentemente do que diz o registro civil. No cadastro interno do TSE, contudo, também constará o sexo biológico, até que o interessado faça a mudança definitiva em cartório — até março deste ano, era necessário pedir autorização da Justiça para isso.

Identidade

“Ter o nome com o qual a pessoa se identifica no título eleitoral é garantia de dignidade. Ela não tem de se explicar para ninguém”, avalia Ademar Costa Filho, advogado especialista em direito eleitoral. Pouco depois do pleito de 2014, ele foi procurado pelo coletivo #VoteLGBT, movimento que busca estimular a representatividade política da comunidade de gays, lésbicas e trans. Costa Filho formulou uma consulta, apresentada pela senadora Fátima Bezerra (PT-RN), questionando os ministros do TSE se a expressão “cada sexo”, que consta da Lei de Eleições, refere-se a gênero (masculino/feminino) ou biologia (macho/fêmea).

No 1º de maio passado, o tribunal reconheceu que pessoas transexuais e travestis pertencem ao sexo com o qual se definem. Isso abriu caminho para o registro de candidatos com o nome com que eles se identificam (leia mais abaixo) e, logo em seguida, à mudança no título de eleitor. Para a cabeleireira Luísa Veras Martins, o documento que levará ao Centro de Ensino Fundamental 104 de Recanto das Emas, onde votará, significa o fim dos constrangimentos e das humilhações que ela diz ter sofrido a vida toda, especialmente depois dos 14 anos, quando passou a se vestir como mulher. “Nas eleições passadas, eu era menor de idade e, para mim, o voto era optativo. Eu queria votar, mas não queria me sentir constrangida, não queria risadas e cochichos”, diz. “Somos cidadãos e temos direito ao voto. As pessoas trans também têm posição política.” (Correio Braziliense)

Quem trabalhar nas seções eleitorais terá direito a dois dias de folga; entenda…

G1

O trabalhador que for convocado para atuar durante as eleições terá direito ao descanso pelo dobro do tempo que ficou à disposição da Justiça Eleitoral, ou seja, ganhará dois dias de folga por cada dia trabalhado.

Assim, quem participa de um dia de treinamento e trabalha no dia de votação na seção eleitoral pode tirar quatro dias de descanso, sem prejuízo do salário. Em caso de haver segundo turno, e ficar novamente à disposição da Justiça Eleitoral por mais dois dias, terá direito ao total de oito dias de folga.

Isso vale para mesários, secretários, presidentes de seção e também para quem exercer função durante apuração dos votos.

Empregador não pode negar folga

Os dias de folga devem ser definidos de comum acordo entre o funcionário e o empregador. A empresa não pode negar o descanso ao empregado. Caso ocorra algum impasse sobre a concessão do período de descanso, o trabalhador deve procurar o cartório eleitoral.

A comunicação ao empregador deve ocorrer assim que o trabalhador receber a convocação. A entrega da declaração expedida pelo juiz eleitoral que comprova a atividade durante o pleito deve ser enviada imediatamente após as eleições.

Quando folgar

A Justiça Eleitoral orienta que as datas sejam definidas para um período logo após a eleição, mas não existe obrigatoriedade para que isso ocorra nos dias imediatamente seguintes a um dos dois turnos. Também não há prazo legal para que o direito à dispensa seja extinto.

Folga antes da eleição

Não é possível tirar a folga antes das atividades desempenhadas, pois o descanso é concedido mediante declaração expedida pela Justiça Eleitoral comprovando o comparecimento ao treinamento ou à seção eleitoral.

Folga ou remuneração

A lei prevê apenas o direito às folgas, mas pode haver remuneração para casos em que o funcionário se desliga da empresa após a atividade, o treinamento ou trabalho na eleição e não tenha gozado as folgas.

Mais de um emprego

Funcionários em mais de um emprego têm direito ao descanso, pelo dobro dos dias à disposição da Justiça Eleitoral, em cada um dos lugares onde trabalhar.

Férias ou folgas

O empregado tem direito às folgas mesmo que esteja de férias durante o período de votação ou que tenha descanso previsto para os dias de treinamento ou da eleição.

Pedido de dispensa

Quem for chamado pela Justiça Eleitoral para trabalhar na eleição tem até cinco dias – a contar da data do envio da convocação – para pedir dispensa ao juiz da zona eleitoral onde estiver inscrito. A solicitação deve ser entregue com a comprovação sobre o impedimento para atuar no pleito. O pedido é avaliado pelo juiz, que poderá aceitar ou não a justificativa.

Ausência

Mesmo que o mesário não atenda à convocação da Justiça Eleitoral, ele tem direito a votar. Mas ele deve justificar a ausência ao juiz eleitoral até 30 dias, do contrário, pagará multa de 50% a um salário mínimo. Se for servidor público, a pena será de suspensão de até 15 dias e, caso a mesa deixe de funcionar pelo não comparecimento do mesário, as penalidades serão aplicadas em dobro.

Caso o convocado não possa ir a um treinamento, deve procurar o Tribunal Regional Eleitoral (TRE) para se informar sobre novas turmas.

Vale-refeição

O serviço prestado à Justiça Eleitoral não é remunerado. Contudo, os convocados receberão auxílio-alimentação, atualmente no valor máximo de R$ 35, conforme portaria nº 154 de 24 de fevereiro de 2017.

Informações sobre o trabalho

A data e o horário em que o mesário deverá se apresentar para a primeira reunião sobre a atuação na eleição constam no documento de convocação. Para mais detalhes, é possível entrar em contato com o cartório eleitoral.

Pesquisa Datafolha para presidente: Bolsonaro, 28%; Haddad, 22%; Ciro, 11%; Alckmin, 10%; Marina, 5%…

G1

O Datafolha divulgou nesta sexta-feira (28) o resultado da mais recente pesquisa de intenção de voto na eleição presidencial. A pesquisa ouviu 9 mil eleitores entre quarta-feira (26) e sexta-feira (28).

O nível de confiança da pesquisa é de 95%. Isso quer dizer que há uma probabilidade de 95% de os resultados retratarem a realidade, considerando a margem de erro, que é de 2 pontos, para mais ou para menos.

Os resultados foram os seguintes:

  • Jair Bolsonaro (PSL): 28%

  • Fernando Haddad (PT): 22%

  • Ciro Gomes (PDT): 11%

  • Geraldo Alckmin (PSDB): 10%

  • Marina Silva (Rede): 5%

  • João Amoêdo (Novo): 3%

  • Henrique Meirelles (MDB): 2%

  • Alvaro Dias (Podemos): 2%

  • Cabo Daciolo (Patriota): 1%

  • Vera Lúcia (PSTU): 1%

  • Guilherme Boulos (PSOL): 1%

  • João Goulart Filho (PPL): 0%

  • Eymael (DC): 0%

  • Branco/nulos: 10%

  • Não sabe/não respondeu: 5%

Pesquisa Datafolha - Evolução da intenção de voto para presidente. — Foto: Arte/G1Pesquisa Datafolha - Evolução da intenção de voto para presidente. — Foto: Arte/G1

Pesquisa Datafolha – Evolução da intenção de voto para presidente. — Foto: Arte/G1

Em relação ao levantamento anterior do instituto , divulgado na quinta-feira (20):

Bolsonaro ficou estável com 28%;

Haddad subiu de 16% para 22%;

Ciro passou de 13% para 11%;

Alckmin oscilou de 9% para 10%;

Ciro Gomes e Alckmin estão tecnicamente empatados.

Marina passou de 7% para 5%;

Os indecisos se mantiveram em 5% e os brancos ou nulos, de 12% para 10%.

Rejeição

O Instituto também perguntou: “Em quais desses nomes ___________ você não votaria de jeito nenhum no primeiro turno da eleição para presidente deste ano? E qual mais? “.

Neste levantamento, portanto, os entrevistados podem citar mais de um candidato. Por isso, os resultados somam mais de 100%.

Os resultados foram:

  • Bolsonaro: 46%

  • Haddad: 32%

  • Marina: 28%

  • Alckmin: 24%

  • Ciro: 21%

  • Vera: 18%

  • Cabo Daciolo: 17%

  • Eymael: 17%

  • Boulos: 17%

  • Meirelles: 16%

  • Alvaro Dias: 15%

  • Amoêdo: 14%

  • João Goulart Filho: 14%

  • Rejeita todos: 4%

  • Votaria em qualquer um: 2%

  • Não sabe/não respondeu: 4%

Powered by WordPress | Designed by: diet | Thanks to lasik, online colleges and seo