Justiça dá prazo de 72 horas para governo se pronunciar sobre extinção da Decasp…

O juiz da 5ª Vara da Fazenda Pública, Augusto Napoleão Sampaio Angelim, deu um prazo de 72 horas para que o governo do estado se pronuncie a respeito da ação popular contra Leia mais »

Moro verá se ministros merecerão ou não demissão…

O Globo Com carta branca para combater a corrupção, o juiz federal Sergio Moro afirmou na noite deste domingo, em entrevista ao “Fantástico”, que, provavelmente, atuará como conselheiro do presidente eleito Jair Bolsonaro (PSL) para decidir Leia mais »

João Campos vai ser secretário de Paulo Câmara…

O cenário de um governo Bolsonaro (PSL) que entra em contraste com o governo socialista de Paulo Câmara (PSB) pode pesar no fato da escolha de João Campos, eleito deputado federal, permanecer Leia mais »

Novembro Azul…

Leia mais »

Vestibular FACAL 2019…

Dê um clik para ampliar esta imagem Leia mais »

Category Archives: Cultura

Monsenhor Limacêdo envia mensagem à Arquidiocese de Olinda e Recife…

Nazaré da Mata, 04 de abril de 2018.

Nas alegrias Pascais, contemplando a fidelidade do Deus uno e trino, garantia de nossa esperança (Hb. 6,9-20), dirijo-me a vós, em especial ao Sr. Arcebispo de Olinda e Recife, D. Antônio Fernando Saburido, OSB, a fim de dizer de minha gratidão a Deus por ter-me escolhido para ser sucessor dos Apóstolos, por meio da nomeação feita pelo Papa Francisco, como Bispo de Salde e Auxiliar dessa histórica e inspiradora Arquidiocese, mãe da centenária Diocese de Nazaré.

Aprendi da Igreja, de modo particular do Concílio Vaticano II, que “os Bispos […] com seus auxiliares presbíteros e diáconos, receberam o encargo de servir a comunidade, presidindo no lugar de Deus ao rebanho do qual são pastores, como mestres da doutrina, sacerdotes do culto sagrado, ministros do governo” (LG 20). Por isso mesmo, estarei em vosso meio como um servidor do “mistério de Cristo” (cf. Ef. 3,4), professando a fé católica, orando e dando o melhor de mim por uma pastoral decididamente missionária, aberta à conversão pastoral (cf. Dap 370; DGAE, 30), investindo numa “Igreja em saída” (EG, 20), defendendo o Plano Pastoral tão bem elaborado por essa Arquidiocese para os tempos atuais, “tocando a carne sofredora de Cristo no povo” (EG. 24).

Daí com o Sr. Arcebispo, desejo ser um com o clero, com os religiosos e as religiosas, com os leigos e leigas comprometidos com o anúncio da “mensagem da salvação” (At 13,26), tendo o Ano do Laicato seu grande incentivo.  Tenho consciência de minha fragilidade, “mas sei em quem coloquei minha confiança” (2Tm.1,12), ao mesmo tempo que conto com a vossa experiência e sabedoria testadas no caminho. Aproveito a ocasião para saudar também as Autoridades constituídas, sejam elas civis e militares, poderes legislativo executivo e judiciário.

Não poderia perder a oportunidade para a agradecer à minha Igreja de origem, a Diocese de Nazaré, na pessoa do Sr. Bispo Dom Francisco de Assis Dantas de Lucena pela atenção e confiança que sempre revelou em favor de minha pessoa. Agradecer aos meus irmãos presbíteros e diáconos, religiosos e religiosas, aos fiéis e às fiéis em Cristo com os quais convivi durante todos esses anos, procurando contribuir na construção do Reino de Deus. Não poderia esquecer os meus formadores, as Paróquias por onde passei e ao grande exército da Obra das Vocações Sacerdotais. Meu coração eleva também um preito de gratidão aos Bispos D. Manuel Lisboa (In memoriam), Dom Jorge Tobias de Freitas e Dom Severino Batista de França por terem me acompanhado espiritual e pastoralmente. 

De modo particular, aqui me dirijo à minha família, núcleo original de minha existência, agradecendo pela escola que foi para mim, pedindo orações à minha mãe, Maria José da Silva e homenageando meu pai falecido, Sr. José Antônio da Silva.     

Que Nossa Senhora, mãe da Igreja, me ajude a contemplar o mistério da cruz de seu Filho e com Ele, chegar àquele da ressurreição! Rezem por mim! 

                                                         Pe. Limacêdo Antônio da Silva

     Bispo nomeado de Salde e Auxiliar da Arquidiocese de Olinda e Recife

Monsenhor Limacêdo Antônio da Silva é nomeado bispo auxiliar da Arquidiocese de Olinda e Recife (PE)…

Nesta quarta-feira, 04 de abril, o Papa Francisco nomeou bispo auxiliar da Arquidiocese de Olinda e Recife (PE) o padre Limacêdo Antônio da Silva.

Monsenhor Limacêdo nasceu no dia 20 de setembro de 1960 em Nazaré da Mata, no Estado de Pernambuco. Estudou Filosofia no Instituto Filosófico “Estrela Missionária” em Nova Iguaçu, no Estado do Rio de Janeiro, e Teologia na Escola Teológica “São Bento de Olinda” em Olinda. Foi ordenado presbítero no dia 12 de dezembro de 1986, em Limoeiro – PE, e exerceu seu ministério sacerdotal na diocese de Nazaré da Mata.

“Para a Igreja de Olinda e Recife, que conta com 4 milhões de habitantes, será uma grande graça poder contar com um pastor que vem somar no anúncio da Boa Nova de Jesus Cristo a todos e colaborar nos grandes projetos sociais em andamento na Arquidiocese”, comentou o arcebispo de Olinda e Recife, dom Fernando Saburido.

Curriculum

Limacêdo Antônio da Silva é natural de Nazaré da Mata, onde realizou seus estudos fundamentais. Cursou Filosofia no Instituto Missionário Estrela Missionária – Rio de Janeiro e Teologia no Mosteiro de São Bento em Olinda –PE. Possui mestrado em Dogmática na Universidade Pontifícia Gregoriana em Roma – Itália (2001-2003) e doutorado em Dogmática pela Universidade Pontifícia Gregoriana em Roma, na Itália (2004-2007). Sua tese de dissertação foi “Inculturação e Missão da Igreja no Brasil: Teologia e práxis a partir das Diretrizes Gerais da CNBB”.

Atividades exercidas como sacerdote:

Vigário Paroquial na Paróquia de Nossa Senhora da Apresentação em Limoeiro – PE (1986-1987);

Assessor da Juventude do Meio Popular (1986-1989);

Pároco da Paróquia de São José em Vertentes – PE (1987-1995);

Assessor da Infância missionária (1995-2000);

Assessor das CEBS (1988-1995);

Pároco da Paróquia de São Sebastião em Machados – PE (1995-2001);

 Coordenador Diocesano de Pastoral (1995-2001; 2008-2015);

Assessor do COMIRE NE-II (2009-2013);

Membro do Conselho Pastoral (1995-2001);  

Paróquia do Divino Espírito Santo em Paudalho (2008-2014);

Assessor Pastoral dos catadores (2008-2018);

Professor de Eclesiologia no Seminário de Olinda (2009);

Professor de Eclesiologia, Missiologia Penitência e Unção dos Enfermos no ITEC – Caruaru – PE (2011-2012);

Pároco da Paróquia de Nossa Senhora do Rosário em Goiana (2015-2017);

Pároco da Paróquia de Nossa Senhora das Dores em Aliança.

(Arquidiocese de Olinda e Recife)

Fragmento Bíblico…

Fragmento Bíblico…

Liturgia Católica…

Dia 1º de Abril – Domingo

PÁSCOA DA RESSURREIÇÃO

(Branco, Glória, Sequência, Creio, Prefácio da Páscoa I – I Semana do Saltério)

Antífona de Entrada

Ressuscitei, ó Pai, e sempre estou contigo: pousaste sobre mim a tua mão, tua sabedoria é admirável, aleluia! (Sl 138,18.5s)

Oração do dia

Ó Deus, por vosso filho unigênito, vencedor da morte, abristes hoje para nós as portas da eternidade. Concede que, celebrando a ressurreição do Senhor, renovados pelo vosso Espírito, ressuscitemos na luz da vida nova. Por Nosso Senhor Jesus Cristo, Vosso Filho, na unidade do Espírito Santo.

Leitura (Atos 10,34.37-43)

Leitura dos Atos dos Apóstolos.
10 34 Então Pedro tomou a palavra e disse: “Em verdade, reconheço que Deus não faz distinção de pessoas,
37 Vós sabeis como tudo isso aconteceu na Judéia, depois de ter começado na Galiléia, após o batismo que João pregou.
38 Vós sabeis como Deus ungiu a Jesus de Nazaré com o Espírito Santo e com o poder, como ele andou fazendo o bem e curando todos os oprimidos do demônio, porque Deus estava com ele.
39 E nós somos testemunhas de tudo o que fez na terra dos judeus e em Jerusalém. Eles o mataram, suspendendo-o num madeiro.
40 Mas Deus o ressuscitou ao terceiro dia e permitiu que aparecesse,
41 não a todo o povo, mas às testemunhas que Deus havia predestinado, a nós que comemos e bebemos com ele, depois que ressuscitou.
42 Ele nos mandou pregar ao povo e testemunhar que é ele quem foi constituído por Deus juiz dos vivos e dos mortos.
43 Dele todos os profetas dão testemunho, anunciando que todos os que nele crêem recebem o perdão dos pecados por meio de seu nome”.
Palavra do Senhor.

Salmo Responsorial 117/118

Este é o dia que o Senhor fez para nós:
alegremo-nos e nele exultemos!
Dai graças ao Senhor, porque ele é bom!
“Eterna é a sua misericórdia!”
A casa de Israel agora o diga:
“Eterna é a sua misericórdia!”

A mão direita do Senhor fez maravilhas,
a mão direita do Senhor me levantou.
Não morrerei, mas, ao contrário, viverei
para cantar as grandes obras do Senhor!

A pedra que os pedreiros rejeitaram
tornou-se agora a pedra angular.
Pelo Senhor é que foi feito tudo isso:
que maravilhas ele fez a nossos olhos!

 

Leitura (Colossenses 3,1-4)

Leitura da carta de são Paulo aos Colossenses.
3 1 Se, portanto, ressuscitastes com Cristo, buscai as coisas lá do alto, onde Cristo está sentado à direita de Deus.
2 Afeiçoai-vos às coisas lá de cima, e não às da terra.
3 Porque estais mortos e a vossa vida está escondida com Cristo em Deus.
4 Quando Cristo, vossa vida, aparecer, então também vós aparecereis com ele na glória.
Palavra do Senhor.

Sequência

Cantai, cristãos, afinal: “Salve ó vítima Pascal!” Cordeiro inocente, o Cristo abriu-nos do Pai o aprisco. Por toda ovelha imolado, do mundo lava o pecado. Duelam forte e mais forte: é a vida que enfrenta a morte. O rei da vida, cativo, é morto, mas reina vivo! Responde, pois, ó Maria: no teu caminho o que havia? “Vi Cristo ressuscitado, o túmulo abandonado. Os anjos da cor do sol, dobrado ao chão o lençol. O Cristo, que leva aos céus, caminha à frente dos seus!” Ressuscitou de verdade. Ó rei, ó Cristo, piedade!

Evangelho (João 20,1-9)

Aleluia, aleluia, aleluia.

O nosso cordeiro pascal, Jesus Cristo, já foi imolado. Celebremos, assim, esta festa na sinceridade e verdade (1Cor 5,7s). 

Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo segundo João.
20 1 No primeiro dia que se seguia ao sábado, Maria Madalena foi ao sepulcro, de manhã cedo, quando ainda estava escuro. Viu a pedra removida do sepulcro.
2 Correu e foi dizer a Simão Pedro e ao outro discípulo a quem Jesus amava: “Tiraram o Senhor do sepulcro, e não sabemos onde o puseram!”
3 Saiu então Pedro com aquele outro discípulo, e foram ao sepulcro.
4 Corriam juntos, mas aquele outro discípulo correu mais depressa do que Pedro e chegou primeiro ao sepulcro.
5 Inclinou-se e viu ali os panos no chão, mas não entrou.
6 Chegou Simão Pedro que o seguia, entrou no sepulcro e viu os panos postos no chão.
7 Viu também o sudário que estivera sobre a cabeça de Jesus. Não estava, porém, com os panos, mas enrolado num lugar à parte.
8 Então entrou também o discípulo que havia chegado primeiro ao sepulcro. Viu e creu.
9 Em verdade, ainda não haviam entendido a Escritura, segundo a qual Jesus devia ressuscitar dentre os mortos.
Palavra da Salvação. (Dom Total)

Fragmento Bíblico…

Páscoa e diabetes: uma combinação possível…

Obs.: Para melhor audição, desative momentaneamente a Rádio DS.

Reflexão do dia…

Fragmento Bíblico…

Com a pressão, Francisco renunciaria ao pontificado?

É improvável, pelo menos até o momento, que Francisco entregue os pontos
É improvável, pelo menos até o momento, que Francisco entregue os pontos (Tony Gentile / Reuters)

Por Mirticeli Dias de Medeiros

Esta é uma pergunta que volta e meia bate à nossa porta, é o “prato do dia” de todo jornalista que cobre o Vaticano. Acompanhando de longe a luta do pontífice argentino para reformar a cúria romana, o povo quer saber se a via aberta por Bento XVI para essa possibilidade se tornaria uma prática comum ou se simplesmente, no futuro, seria aclamada como uma decisão pontifícia que, entre tantas, preencheria as páginas dos livros de história da Igreja.

O caso da renúncia de Celestino V, que ocorreu no século XIII, só recebeu certo interesse após a renúncia do atual papa emérito. A diferença é que esse papa medieval, um monge que até então vivia no anonimato, não soube lidar com a política familiar que começava a exercer mais influência sobre o papado e preparava o caminho para o controverso Bonifácio VIII. No caso de Bento XVI, um experiente homem de cúria, houve a consciência de que a máquina vaticana precisava urgente de alguém com pulso firme para dar um basta aos vícios que se instalaram em muitos setores da Santa Sé. Ele sabia dos riscos de expor a instituição, mas fez isso no intuito de salvá-la dos ataques à sua credibilidade. Portanto, essa última renúncia papal ficará para a história como nenhuma outra.

A verdade é que Bento XVI foi o único a levar adiante um desejo que também teria sido manifestado por Pio XI e Paulo VI a seus estreitos colaboradores. E diante do quadro de saúde de João Paulo II que se agravava a cada ano, o próprio Ratzinger, seu braço direito à época, teria aconselhado o papa polonês a tomar essa decisão.

Francisco, em muitos pronunciamentos, chegou a dizer que Ratzinger teria inaugurado uma “nova instituição” como aquela que já existe entre os bispos diocesanos, os quais, ao completarem 75 anos, são orientados a apresentar a renúncia ao papa. Desde então, surgiram os rumores de que Bergoglio também ensaiaria a sua própria demissão.

Apesar da pressão e das consequências de levar adiante uma reforma delicada e cirúrgica, já que não se limita somente ao aspecto institucional, é improvável, pelo menos até o momento, que Francisco entregue os pontos. Primeiro, porque não é da sua personalidade – e quem trabalha com ele sabe disso. Segundo, porque ele jamais faria isso com Bento XVI ainda vivo. Mesmo assim, não é de se descartar essa possibilidade para o futuro, a depender não das dificuldades com a reforma, mas dos limites impostos pela idade, uma vez que ele já expressou, em outras palavras, considerar justo que um papa renuncie diante do reconhecimento de suas próprias limitações. O motu proprio “Aprendendo a despedir-se”, publicado em fevereiro deste ano, que estabelece que todos os prelados da cúria romana – que não são cardeais – apresentem sua renúncia ao completarem 75 anos, como fazem os bispos diocesanos, é mais uma demonstração de que Francisco quer evitar esse apego aos cargos em vista de uma “carreira promissora”, uma das principais causas de engessamento da cúria romana.

No mais, em relação ao presente, há uma declaração oficial feita por Francisco sobre os rumores de uma renúncia que passou despercebida aos olhos de muitos, em 2016, e é com ela que encerramos o artigo a fim de que cada tire suas próprias conclusões:

 “Nunca pensei em deixar [o papado] por causa da responsabilidade. Porém, revelo a vocês um segredo: nunca pensei que pudessem me escolher. Foi uma surpresa, mas daquele momento em diante, Deus me deu uma paz que dura até hoje. Esta é a graça que eu recebo. Por outro lado, por natureza sou um pouco ‘inconsciente’, por isso continuo. (Blog Dom Total)

Fragmento Bíblico…

Papa Francisco afirma que ‘inferno não existe’, diz jornal italiano…

O papa Francisco disse que “o inferno não existe” segundo uma entrevista publicada nesta quinta-feira (29) pelo jornal italiano “La Repubblica”. O Vaticano desmente a afirmação.

“O inferno não existe, o desaparecimento das almas dos pecadores existe”, teria dito o pontífice a Eugenio Scalfari, 93, fundador e ex-editor-chefe do jornal romano. O artigo só pode ser lido na internet por assinantes, mas foi repercutido pelo inglês “The Times of London”.

Scalfari, que se declara ateu, já teve outras audiências com o papa Francisco.

Em nota, o Vaticano afirma que Francisco recebeu o jornalista em um “encontro privado por ocasião da Páscoa”, mas que a audiência não se tratava de uma entrevista. Diz também que as falas do papa são uma “reconstrução” do repórter. “Nenhuma aspa do artigo mencionado deve ser considerada, portanto, como uma transcrição fiel das palavras do Santo Padre”, diz o comunicado.

Leia a nota completa do Vaticano:

“O Santo Padre Francisco recebeu recentemente o fundador do jornal ‘La Repubblica’ em uma reunião privada por ocasião da Páscoa, sem lhe dar nenhuma entrevista. O que é relatado pelo autor no artigo de hoje é o resultado de sua reconstrução, em que as palavras textuais pronunciadas pelo Papa não são citadas. Nenhuma aspa do artigo mencionado deve ser considerada, portanto, como uma transcrição fiel das palavras do Santo Padre.” (por G1)

Powered by WordPress | Designed by: diet | Thanks to lasik, online colleges and seo