Aneel descarta revisão de bandeira tarifária em conta de luz…

O diretor-geral da Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel), André Pepitone, descartou ontem (18) a possibilidade de revisão no valor das bandeiras tarifárias. Com variação entre verde, amarela e vermelha (em dois Leia mais »

Copa Craques do Futuro de Futebol de Base…

Leia mais »

“Conversando com Paulo Dutra”, nesta quinta-feira (20), em Bom Jardim-PE…

Leia mais »

Venha pra TiConnect….

    Leia mais »

“Esse Mourão está escalando golpe no Brasil”, diz Ciro…

O candidato do PDT à Presidência, Ciro Gomes, acusou na noite de ontem o general Hamilton Mourão, candidato a vice-presidente na chapa de Jair Bolsonaro (PSL), de pretender dar um golpe de Leia mais »

Category Archives: Eleições

Boulos critica voto útil…

Guilherme Boulos, candidato do PSOL à Presidência, criticou, hoje, em entrevista ao G1 e CBN, o “voto útil” e disse que “o momento de se juntar e derrotar o atraso é no segundo turno”. Ele defendeu, no primeiro turno, o voto no projeto que o eleitor acredita.

“Tem gente que efetivamente está com medo, que olha o [Jair] Bolsonaro [candidato do PSL] crescendo, esse cara que só fala atrocidades. […] Isso pode levar a uma ideia de não votar no projeto que acredita mais em nome de combater esse retrocesso tremendo que representa o Bolsonaro. Mas, agora, é sempre preciso lembrar o seguinte: a eleição é em dois turnos. […] O campo democrático estará no segundo turno”, disse.

Questionado sobre o baixo desempenho nas pesquisas eleitorais, Boulos disse que a sua candidatura é diferente e não se mede com intenções de votos. “Se mede também pela elevação da consciência política. Eleição não pode ser vale-tudo, eleição tem que significar colocar grandes princípios e grandes temas em debate.” Na última pesquisa divulgada, do Datafolha, Boulos estava com 1% das intenções de voto.

Jair Bolsonaro dispara, vai a 33% e derrota todos no segundo turno…

Jair Bolsonaro (PSL) despontando no primeiro lugar tanto nos cenários de voto espontâneo quanto estimulado e uma ascensão nas intenções de voto do candidato Fernando Haddad (PT), após ele ser oficializado como o nome do partido na última terça-feira (11).

É o que mostra a mais recente pesquisa FSB/BTG Pactual, divulgada nesta segunda-feira (17) e registrada no TSE (Tribunal Superior Eleitoral) com o número BR-06478/2018. O levantamento foi realizado entre os dias 15 e 16 de setembro com 2000 eleitores e a margem de erro é de 2 pontos percentuais, para mais ou para menos.

No cenário espontâneo, a intenção de voto de Bolsonaro passou de 26% para 30%, de uma semana para outra, enquanto neste último levantamento apenas 6% votariam no ex-presidente Lula, ante 12% da pesquisa anterior. Já Fernando Haddad saltou de apenas 3% para 12%, ultrapassando Ciro Gomes (PDT), que de 7% oscilou positivamente para 8%. João Amoêdo (Novo) se manteve em 3%, enquanto Geraldo Alckmin (PSDB) e Marina Silva (Rede) oscilaram negativamente de 3% para 2%.

Álvaro Dias (PODE) oscilou negativamente de 2% para 1%, Henrique Meirelles passou a pontuar com 1%, enquanto os demais não pontuaram. Não sabem ou não responderam seguiram em 22%, não votariam em ninguém foram de 13% para 8%, enquanto brancos e nulos seguiram em 4% em uma semana.

Já na intenção de votos estimulada – em que há o cenário apenas com Fernando Haddad como substituto de Lula, uma vez que o ex-presidente petista teve a sua candidatura barrada -, Jair Bolsonaro passou de 30% de intenção de voto no levantamento anterior para 33%. Enquanto isso, Haddad ultrapassou Ciro Gomes numericamente com um salto de 8% para 16%, mas empatado ainda tecnicamente com o candidato do PDT, que foi de 12% para 14% em uma semana.

Alckmin oscilou para baixo no limite da margem de erro, de 8% para 6%, empatado tecnicamente com Marina Silva, que novamente teve queda e foi de 8% para 5%. Amoêdo voltou aos 4% ante 3% da semana anterior, enquanto Alvaro Dias viu sua intenção de voto oscilar para baixo, de 3% para 2%. Meirelles tem 2% dos votos neste cenário, ante 1% de Cabo Daciolo (PATRI). A porcentagem de quem não votaria em ninguém caiu de 13% para 9%, branco/nulo somam 2%, enquanto não sabe/não responderam foi de 8% para 5%.

Os eleitores de Bolsonaro também são aqueles cuja certeza do voto é maior. Para 82% deles, a decisão de voto é definitiva, sendo seguido pelos de Haddad (81%), Amoêdo (73%), Daciolo (69%), Alvaro Dias (57%), Ciro (48%) e Meirelles (48%), Alckmin (44%) e Marina (43%). Vale destacar que 71% dos que disseram votar branco/nulo apontaram ter certeza do seu voto.

O apoio de Lula a Haddad também mostrou um aumento em sua importância. O número de pessoas que não votaria de jeito nenhum em Haddad caso Lula apoiasse o ex-prefeito paulistano caiu de 63% para 57%, enquanto o número dos que votariam com certeza subiu de 20% para 30%. Os que poderiam votar oscilou para baixo, de 12% para 11% de uma semana para outra.

Segundo turno

Pela primeira vez, o levantamento fez uma simulação de segundo turno (todas com Bolsonaro) e, ao contrário da pesquisa Datafolha da última sexta-feira, por exemplo, mostrou o candidato do PSL em vantagem no segundo turno contra Marina, Alckmin e Haddad e empatando com Ciro Gomes.

Quando o cenário é Bolsonaro contra Ciro, ambos aparecem com 42%, 5% dizem votar branco, 8% em ninguém e 3% não sabem ou não responderam. Entre Bolsonaro e Haddad, 46% disseram votar no candidato do PSL ante 38% que votariam no petista e, quando confrontado com Alckmin, Bolsonaro aparece com 43% ante 36% do tucano. A maior diferença é contra Marina Silva: 48% do candidato do PSL ante 33% da ex-senadora da Rede.

Potencial de voto X rejeição

Com relação ao potencial de voto (porcentagem dos que poderiam votar em um determinado candidato), Bolsonaro aparece na frente com 48%, forte alta ante 40% do levantamento anterior, sendo seguido por Ciro, que subiu de 36% para 45%.

Já Alckmin subiu de 30% para 39% de uma semana para outra, sendo seguido por Marina, que subiu de 29% para 36%. Haddad aparece empatado com a candidata da Rede, subindo de 24% para 36%. Alvaro Dias teve alta de 19% para 22%, mesmo percentual de Meirelles,que subiu ante os 19% de potencial de voto da semana passada, enquanto Amoêdo subiu de 12% para 16%. Cabo Daciolo e Guilherme Boulos (PSOL) têm 8% de potencial de voto, seguido por João Goulart Filho (PPL), com 7%, enquanto José Maria Eymael (DC) registra 6% de potencial de voto e Vera Lúcia (PSTU) tem 5%.

Já Marina Silva segue na dianteira na lista de maior rejeição –  ou seja, a porcentagem de quem não votaria “de jeito nenhum” no candidato/candidata -, mas caindo de 64% para 58%. Alckmin caiu em termos de rejeição, passando de 61% para 53%, mas segue sendo o segundo mais rejeitado. O tucano é seguido por Meirelles, que teve queda de 52% para 48%, mesmo percentual de Haddad, que também caiu de 52% para 48%, e Eymael. Ciro Gomes viu sua rejeição cair de 51% para 46%, enquanto Bolsonaro viu sair de rejeição de 51% dos eleitores para 45%. (Edmar Lyra)

Sebastião Oliveira e Clodoaldo Magalhães promovem caminhada e abrem comitê em João Alfredo…

Armando sobre Ciro: “Tenho que conversar com a coligação”…

Quando formou a aliança para concorrer ao Governo do Estado, o senador Armando Monteiro Neto já deixava claro que, caso o ex-presidente Lula fosse candidato, votaria em Lula. “A partir do momento que Lula não é candidato, não posso decidir nada sozinho”, sublinha ele à coluna. E prossegue: “Tenho que dividir com o conjunto da coligação. Já estamos ouvindo, discutindo com os companheiros. Estamos trocando informações e fazendo avaliações”. De concreto sobre a corrida presidencial, ele afirma que a hipótese de votar em Fernando Haddad “não existe”. “Eu teria compromisso com Lula. Não há possibilidade de apoiar Haddad. É zero essa possibilidade”, assegura o petebista. Ele explica que, embora Haddad seja do PT, com Lula “era diferente, porque eu tinha uma história com Lula”. E emenda: “Ele me apoiou em 2014, era completamente diferente”. Armando acrescenta: “Essa hipótese de Haddad está descartada. As outras hipóteses colocadas vamos examinar depois de esgotar esse processo”.

Entre aliados do senador, há manifestações nos bastidores a favor da declaração de apoio a Ciro Gomes. E há nomes como o prefeito de Araripina, Raimundo Pimentel, que já tomou a dianteira e está reunindo lideranças favoráveis ao apoio a Ciro. No PSDB, não se faz objeção e essa possibilidade é vista como “provável”. Mas a relação do PDT, de Ciro, com a gestão Paulo Câmara, onde comanda espaços, também tem pesado nas contas da coligação Pernambuco Vai Mudar e pode ser um fator a complicar essa costura. (Renata Bezerra de Melo)

Cabo: Ponte dos Carvalhos recebe Onda 40…

Logo após comandar, neste domingo (16/09), o “vapor da vitória” em Bonança, o governador e candidato à reeleição Paulo Câmara (PSB) levou a onda 40 para Ponte dos Carvalhos, no Cabo de Santo Agostinho. Mais de 10 mil pessoas tomaram as ruas da localidade com a vibração que é característica da Frente Popular, defendendo a continuidade do projeto que vem transformando Pernambuco sob o comando do líder socialista.

Ao lado do prefeito Lula Cabral (PP), da candidata à deputada estadual Fabíola Cabral (PP), do deputado federal Eduardo da (PP) e do seu candidato à reeleição no Senado, Humberto Costa (PT), Paulo Câmara foi muito bem recebido pelos moradores do local, que faziam questão de indicar voto no governador.

Em um dos momentos mais emocionantes da atividade, Paulo parou a caminhada para cumprimentar a dona Cibele da Silva, que acompanhava a Onda 40 da calçada de sua casa. Ela é mãe do intercambista do Programa Ganhe o Mundo Wollace Felipe da Silva. “Nem acredito que o governador lembrou de mim e veio falar comigo. É por causa de Paulo que o meu filho está estudando nos Estados Unidos agora”, relatou, orgulhosa.

“A gente governa esse Estado para as pessoas. É para dar oportunidade a jovens pernambucanos, como o Wollace, de realizar seus sonhos através do seus esforços. E uma caminhada tão grande como essa, com tanta gente só mostra que o povo entende o que estamos fazendo. Vamos ganhar as eleições porque não podemos deixar esse lindo caminho que construímos se perder. E temos as pessoas, como a dona Cibele, ao nosso lado”, afirmou Paulo Câmara.

O prefeito Lula Cabral destacou que o governador seguirá governando para os que mais precisam, mas desta vez contando com um parceiro no Governo Federal. “Paulo Câmara e Fernando Haddad vão trabalhar muito por Pernambuco e pelo Brasil. Vamos votar 13 lá e 40 aqui”, conclamou o gestor. (Magno Martins)

João Alfredo – Inauguração do comitê de campanha de Raul Henry e Zé Maurício…

Bate Papo com a comunidade…

Vice-prefeita de camaragibe apoia Paulo Câmara…

A capacidade do governador e candidato à reeleição, Paulo Câmara (PSB), de superar as inúmeras adversidades impostas nos últimos anos ao Governo de Pernambuco foi destacada, nesta sexta-feira (14), pela vice-prefeita de Camaragibe, Dra. Nadegi Queiroz (DC). Durante a inauguração do comitê do deputado estadual Beto Accioly no município, a gestora – que colocou suas convicções políticas à frente da atual orientação eleitoral do seu partido – ressaltou que Paulo conseguiu aliar a conquista do equilíbrio fiscal, cada vez mais raro nas administrações públicas do País, com o registro de importantes avanços em áreas estratégicas.

“Quem é profissional da saúde, da educação e da segurança reconhece o que Paulo está fazendo. Em tempos tão difíceis, ele segurou as contas do Estado, mas não ficou só nisso. Pernambuco tem a melhor educação pública do Brasil, reduz a violência a cada mês que se passa, constrói hospitais, contrata servidores. É por isso que a gente precisa, no dia 07 de outubro, garantir a sua vitória. Paulo tem que continuar como governador”, defendeu, Nadegi. 

O governador pontuou que o reconhecimento que vem recebendo da vice-prefeita e do povo pernambucano o estimula ainda mais para seguir colocando Pernambuco na frente. “Trabalhamos muito fazer do nosso Estado o lugar onde a nossa população possa realizar seus sonhos. O carinho e a confiança que estamos recebendo, como é o caso de hoje, será retribuído com ainda mais esforços em favor da nossa gente”, realçou Paulo Câmara, que chegou ao município acompanhado dos seus companheiros de chapa, Luciana Santos (PCdoB), vice, e Humberto Costa (PT), postulante à reeleição no Senado, e do deputado federal Eduardo da Fonte.

Paulo pontuou que a geração de postos de trabalho será uma prioridade no seu segundo governo. “Vamos resgatar os empregos que a crise tirou. E, para isso, vamos ter um pacto que nós permitirá criar as condições para os pernambucanos aproveitarem as vagas dos novos empreendimentos que estão se instalando no Estado”, frisou o governador, completando: “E teremos Fernando Haddad como presidente da República para nos ajudar. Haddad é o candidato de Lula e o nosso futuro grande parceiro.” (Magno Martins)

Marina fora?: só 3 candidatos a adversário de Bolsonaro…

A nova pesquisa do Datafolha consolida a liderança de Jair Bolsonaro (26%), confirma o derretimento de Marina Silva (8%) e sinaliza uma ascensão fulminante de Fernando Haddad (13%). Nessa configuração, Bolsonaro bloqueia uma vaga no segundo turno. E a disputa pela segunda vaga restringe-se agora a três candidatos: Haddad, Ciro Gomes (13%) e Geraldo Alckmin (9%).

O atentado contra a vida de Bolsonaro não produziu uma reviravolta. Apenas 2% do eleitorado disse ter mudadado de voto em função da facada. Mas a tentativa de homicídio como que calcificou os votos do esfaqueado. Hoje, 75% dos eleitores de Bolsonaro afirmam que não lhes passa pela cabeça a ideia de virar a casaca, trocando de candidato. Daí a percepção de que o paciente do Hospital Albert Einstein move-se em direção ao segundo turno sem sair da UTI.

Muito concorrida a abertura da campanha de Juliana de Chaparral e Renildo Calheiros em João Alfredo…

Data: 14 / 09 / 2018

Cidade: João Alfredo-PE

Fotos: Rodrigo Sedícias

Este slideshow necessita de JavaScript.

Campanha tem sido bom momento para autocríticas…

A campanha deste ano está sendo aproveitada por alguns políticos para sessões de autocrítica. O governador Paulo Câmara foi quem primeiro fez uso dessa prática ao confessar-se “arrependido” por ter dado apoio ao impeachment da presidente Dilma Rousseff. É possível que no íntimo ele continue achando que “aquela mulher” tinha mesmo que sair por ter perdido as condições mínimas de governabilidade. Ela tinha o apoio de menos de um terço do Congresso e isso nas democracias presidencialistas geralmente culmina com o afastamento do chefe do governo. No entanto, o governador viu-se forçado a admitir seu arrependimento por questões eleitorais. O PSB se aliou novamente ao PT e o senador Humberto Costa certamente não iria gostar se ele não tivesse feito essa autocrítica, tanto que parou de chamar de “golpistas” os que votaram a favor do impeachment, entre eles todos os deputados federais do PSB pernambucano.

Agora surge um novo “arrependido”, desta vez no PSDB: o senador Tasso Jereissati, ex-governador do Ceará e ex-presidente nacional do partido. Numa entrevista dada ontem ao jornal “O Estado de São Paulo”, ele admite que o PSDB cometeu uma série de “erros memoráveis”, sendo o primeiro deles questionar judicialmente o resultado da eleição que deu a vitória a Dilma Rousseff. O segundo foi votar contra projetos que o PSDB sempre defendeu “só para ser contra o PT” e, finalmente, fazer parte do governo Temer indicando os ministros José Serra, Bruno Araújo e Antonio Imbassahy. Tudo isso, somado aos “problemas de Aécio”, levaram o PSDB ao que é hoje. (Inaldo Sampaio)

A força eleitoral de Lula, colocará Haddad no segundo turno…

Lula era o líder nas pesquisas enquanto teve seu nome incluído nos registros tanto do Ibope, como do Datafolha e Vox Populi. Com a impugnação do seu nome pelo Tribunal Superior Eleitoral no dia 31 de agosto, dando um prazo de dez dias para a troca de candidato, Lula autorizou a troca por Fernando Haddad, ex-prefeito de São Paulo, para representá-lo no pleito. Isto aconteceu há dois dias e hoje, como eu já tinha certeza antes, e vai se refletir nos levantamentos feitos pelos institutos nos próximos dias será dele uma das vagas para disputar o segundo turno contra (caso seja confirmado) Jair Bolsonaro.

Não precisa ter uma bola de cristal para notar isso, basta apenas ver que Lula, um nome em ascensão após sua prisão a qual 49% consideram injusta, teria força eleitoral suficiente de indicar um nome e levá-lo ao segundo turno. Haddad, sem a indicação de Lula, já aparecia nos cenários com 8 a 9 pontos. Uma observação importante é que esse percentual foi alcançado agora por Alckmin que é candidato oficial do PSDB desde março.

Haddad, aparece tecnicamente empatado com Ciro, Alckmin, Marina na luta pelo segundo lugar. O PT é de fato um dos partidos mais fortes do Brasil e eu não tenho dúvida que caso permaneçam unidos até o final do primeiro turno, levarão o ex-prefeito ao segundo turno. E todo mundo sabe que um segundo turno é uma outra história. Sim, eu não acredito que Ciro Gomes vá ao segundo turno. Não dou mais dez dias para Haddad ultrapassa-lo nas pesquisas e se firmar como o segundo colocado nas pesquisas. O slogan dizendo que Lula é Haddad já está na cabeça do povo, principalmente dos nordestinos que o chamam de “Andrade”.

Temos ainda 21 dias de campanha eleitoral pela frente. Vale a pena lembrar que a campanha de rua acaba dia 4 de outubro e até lá, ainda tem muito guia eleitoral, tem muitas visitas aos estados e tem muito depoimento de apoio a Fernando Haddad. Até lá, o PT vai pintar o sete para levar o candidato de Lula ao segundo turno. Ciro não terá força suficiente para brecar o PT. Repito: Caso consiga, será uma surpresa, mas na cabeça do povo o partido do Bolsa Família, do PROUNI, do MINHA CASA MINHA VIDA entre outros está bem viva na mente da população. (Silvinho Silva)

Powered by WordPress | Designed by: diet | Thanks to lasik, online colleges and seo